sexta-feira, 1 de março de 2019

Instalação da maior usina fotovoltaica do mundo, em São João da Aliança (GO), dá novos passos


Estudos técnicos para a instalação da usina fotovoltaicas em São João d’Aliança, no Nordeste do Estado, foram entregues ao governador Ronaldo Caiado nesta quinta-feira (28). 


Há pouco mais de 30 dias, o governador e representantes das empresa sul-coreana KSB e pelo grupo de investimentos Enspire Group assinaram o protocolo de intenções para instalação da usina, que será uma das maiores do mundo.

Nesse novo encontro com os empresários coreanos, Caiado avaliou sob o ponto de vista técnico o projeto, que agora entra na etapa de licenciamento jurídico e estudos ambientais.

“A tecnologia coreana será um marco no desenvolvimento do Estado de Goiás”, ressalta o governador. O projeto entra agora na fase de apresentação dos documentos solicitados pelo Banco Central e pelo governo Federal.

Na sequência, a Secretaria Estadual do Meio Ambiente irá realizar o Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA), fundamental para um projeto dessa extensão.

"A tecnologia coreana trará grandes avanços para Goiás e tenho muito orgulho de ter conquistado esse investimento e garantido a vinda da KSB para nosso Estado. 

Seremos referência para o mundo", avaliou o dpeutado federal Glaustin da Fokus, que acompanha o desenvolvimento do projeto desde o início.

O secretário de Desenvolvimento Econômico e Inovação, Adriano da Rocha Lima, detalhou as próximas etapas. “Uma delas é todo o processo de licenciamento ambiental que, por mais que tenhamos celeridade e disposição para adiantar, tem um rito mínimo a ser seguido. 

Precisa passar pela estação chuvosa e de seca, para que tudo seja feito conforme a legislação ambiental. Há também toda uma exigência jurídica para que investimentos de fora entrem no Brasil e para a empresa, que vai fazer todas as instalações da fábrica, se estabeleça no país”, ponderou.

O secretário estima que sejam necessários mais seis meses para finalizar a fase jurídica. “É o prazo para o recurso chegar ao Brasil, a empresa estar aberta e todos os trâmites concluídos. 

A parte ambiental leva um pouco mais tempo. Acreditamos que até o final deste ano, todo o processo ambiental esteja concluído, para que no início do ano que vem, comece efetivamente a instalação da usina e da fábrica”, estimou.

Caiado também recebeu um estudo técnico que determina o local escolhido para a instalação da usina e da fábrica. 

“Há todo um trabalho feito de planimetria, mostrando que o relevo é ideal e a luminosidade é perfeita, e a avaliação da proximidade com as redes de alta tensão, com as quais o Estado nutre o país todo”, avaliou o governador.

“Além de mostrar toda a beleza da região, isso permitirá aos turistas apreciar o que eles vão mostrar em termos de tecnologia e de melhoria das condições de desenvolvimento da região.”

Complexo Turístico

O projeto prevê ainda a construção de um parque temático. A ideia é construir um complexo turístico de referência nacional, que abrigue atividades de lazer e tenha condições de receber turistas de todo o país. 

A própria usina já se transformará em uma atração aos visitantes do nordeste goiano. 

Com investimentos previstos de US$ 2 bilhões (aproximadamente R$ 8 bilhões), a usina deverá produzir 600 MW de energia e ser a maior do gênero no mundo. Inicialmente a instalação da indústria deve gerar mais de 1 mil empregos diretos, levando desenvolvimento e oportunidades ao nordeste goiano.

Adriano da Rocha estima que serão gerados uma quantidade significativa também de empregos indiretos, que devem transformar a região do Nordeste goiano. “Há toda uma cadeia produtiva envolvida, com os mais diversos fornecedores, que vão gerar empregos também. 

A instalação não é só da usina, mas da fábrica das placas fotovoltaicas, parques temáticos e de outras empresas de tecnologias que vão compor este parque tecnológico”, afirmou.

Fonte: Diário de Goiás

Um comentário:

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.