terça-feira, 12 de março de 2019

Arraias (TO): Cinco casos de apreensões de maconha, cocaína e crack são registrados no fim de semana


Cinco apreensões de drogas realizadas nos últimos três dias no Tocantins pela Polícia Militar (PM) são parte de ações de intensificação de abordagens nos fins de semana. 

Das ocorrências, quatro são de tráfico e uma de posse de drogas.

As ações ocorreram em Porto Alegre do Tocantins, Conceição, Augustinópolis, Arraias, Miracema e Gurupi de sexta-feira, 8, até domingo, 10. 

 Os presos durante as ações policiais se apresentaram às delegacias responsáveis e ficarão à disposição da justiça.

Casos

Conforme a PM, entre as ocorrências está uma apreensão de crack após uma tentativa de homicídio. No sábado, 9, em Porto Alegre do Tocantins, os militares localizaram um suspeito e na abordagem foi encontrado com ele uma porção de uma substância análoga ao crack.

Após ser detido, ele confessou ser um traficante da região e em buscas na sua residência mais porções da mesma droga e de cocaína estavam escondidas. 

No local, a PM também encontrou uma arma de fogo diversas embalagens para embalar as drogas, balança de precisão, dois celulares e o valor de R$ 28,50.

Ainda no mesmo dia, em Augustinópolis, os policiais abordaram dois suspeitos de tráfico de entorpecentes. 

Um dos detidos tentou jogar as drogas fora. A PM ainda apreendeu R$ 470,00, um sachê de substância análoga à cocaína e quatro embalagens de substância análoga à maconha. A ação contou com a ajuda da Polícia Civil.

Já no domingo, 10, em Arraias e em Conceição do Tocantins, dois homens de 29 e 28 anos acabaram presos ao serem abordados com drogas. As detenções ocorreram após moradores acionarem a polícia. 

Nas buscas, a PM localizou 18 papelotes de substâncias análogas à maconha junto aos suspeitos.

Fonte e texto: Jornal do Tocantins 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.