terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Campos Belos (GO): Justiça determina UEG a contratar apoio especializado para aluno com síndrome de down, aprovado em vestibular


Em decisão histórica, a Justiça de Goiás obrigou a Universidade Estadual de Goiás (UEG) a contratar uma acompanhante especial para um estudante goiano, portador da síndrome de down, aprovado em vestibular e impedido de frequentar as aulas por falta de apoio especializado.

Ramon Alves dos Santos, morador de Campos Belos, fez vestibular e foi aprovado no curso Tecnologia em Agroecologia, tendo feito a matrícula regularmente.


Ocorre que após iniciado o período letivo, em fevereiro do ano passado, a UEG não providenciou um professor de apoio para que o estudante acompanhasse as aulas com eficiência. 

Diante disso, sem apoio de uma pessoa especializada, o universitário não conseguia entender as falas dos professores e não compreendia os assuntos ministrados, o que tornou impossível a sua participação no curso universitário.

A mãe do estudante, Ivanete Alves, que tinha lutado tanto para o ingresso dele na Universidade, se viu frustrada diante da falta de estrutura e da incapacidade da UEG em fazer a integração do aluno especial, procurou o Ministério Público de Goiás.

Ela pediu a intervenção do Poder Judiciário para garantir o direito fundamental e constitucional do aluno de frequentar as aulas.

Uma professora especializada, que acompanhou a educação do estudante Ramon Alves, inclusive durante o vestibular, chegou a se colocar à disposição da Universidade, mas o órgão informou que não tinha autonomia para fazer a contratação.

O promotor de Campos Belos, Bernardo Monteiro, impetrou, assim, um Mandado de Segurança junto ao Tribunal de Justiça de Goiás, contra o Secretário de Educação do Estado e contra o reitor da UEG para que eles garantissem o direito líquido e certo do estudante de frequentar as aulas, na condição de aluno especial.

Na fundamentação, o promotor arguiu que além do mandamento da Constituição Federal de 1988, no artigo 205, que expressa que a educação é um dever do Estado e da família, a lei 9.394/1996 garante que a educação tem por finalidade o pleno desenvolvimento do educando, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho.

"O Estado deve ofertar escolar regular a jovens e adultos com características e modalidades específicas às suas necessidades", escreveu o promotor. 

O representante do MP disse ainda que ficou evidenciado a omissão do Estado, que prejudicou o direito fundamental do estudante e pediu que o Secretário de Educação e o reitor da UEG providenciasse uma profissional de apoio para acompanhar o estudante imediatamente.

Ao analisar o caso, uma turma de desembargadores do Tribunal de Justiça de Goiás, sob o voto do juiz Sebastião Luiz Fleury, entendeu ser direito liquido e certo o pleito do estudante.

O magistrado fundamentou que ficou demonstrado o abuso das autoridades em não providenciar os recursos necessários para que o aluno participasse das aulas e deferiu o pedido para obrigar a UEG de Campos Belos a contratar a professora de apoio. 

"Compete ao Estado assegurar o acesso à educação de qualidade a todos os interessados, sobretudo aos mais carentes, haja vista que a educação ocupa um importante papel de afirmação da dignidade da pessoa humana".  

2 comentários:

  1. Dinomar, posta por favor

    https://goias24horas.com.br/71279-enel-de-goias-fica-em-ultimo-em-ranking-de-qualidade-do-servico-de-energia/amp/

    Aqui em Campos Belos tá uma vergonha, muito pior que a Celg. Energia caindo todos os dias nesse calorão, pelo menos antigamente era quando amava chuva.

    ResponderExcluir
  2. Parabéns ao ministério público devemos cobrar mais pelos estudos, se passou tem a obrigação de atender.
    cabe aos diretores daqui de campos belos correrem atrás.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.