segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Buritizal devastado em Campos Belos (GO). Crimes ambientais dos mais graves e sem precedentes no município





Prezado Dinomar, Bom Dia. 

Meu nome é Enrico Alessandro Corvino, 54 anos, pesquisador independente em tecnologias sobre energias renováveis voltadas a sustentabilidade. 

Conhecido na cidade apenas como Alessandro “de Tatiana” sou morador de Campos Belos a quase 27 anos, não sou da região, fui criado no Paraná desde 1 ano de idade, por isto embora nascido no MS, me considero Paranaense de formação e Goiano de coração. 

Estive atuando profissionalmente na cidade a 25 anos na area de Telecomunicações, com empresa prestadora de serviços para a antiga Telebrasilia e Embratel, estatais na época. 

Período em que conheci a pedagoga Tatiana Santos, casei-me a tive 2 filhos com ela. 

No momento estão cursando faculdade e, este o motivo principal de ter regressado a cidade novamente após longo período afastado da comunidade. 

A 5 anos voltei e constatei a grande expansão econômica da cidade, contudo, a cultura, o urbanismo, a cidadania e a Justiça não acompanharão este movimento. Vi avanços na conscientização de parcela da população, sobretudo nos mais jovens, sedentos por qualidade de vida e civilidade. 

Conheci também a sua atividade jornalística através de seu Blog que tem cumprido enorme e relevante papel de informar e democratizar com a verdade, a vida social. Diz o filósofo que a consciência é o nosso maior credor. 

Tenho um terreno na cidade que fica bem próximo do Fórum da cidade e, em 2017, meu vizinho homem de muitas posses, Sr. José Maria B. Barroso, teve em sua propriedade um incêndio que segundo tudo indica foi provocado pelo mesmo, a fim de “limpeza” e posterior formação de pastagem para criação de gado. Neste incêndio criminoso ocorreu uma grande devastação ambiental em um Buritizal (nascente de água) que fica dentro desta area que está sob seu domínio. 

Na ocasião fui alertado que do alto de seu posto avançado de observação, achando que seria em minha propriedade, cobrou-me sobre o danoso fato, ato contínuo e em cinco minuto estava eu lá, presenciando o incêndio e conversando com o funcionário do possível mandante que, constrangido (o funcionário) confessou tudo. 

Não conformado com tamanha agressão socioambiental, dirigi-me no mesmo momento ao Fórum da Comarca (200m do local) e reportei-me, ainda com a roupa toda chamuscada pelas chamas e fumaça, ao jovem Juiz, Dr. Fernando Marney, que me recebeu de pronto, surpreso e estarrecido com o relato, orientou-me a realizar denuncia a delegacia e ao MP. 

Foi o que fiz no mesmo dia. Passados aproximadamente 1 ano deste crime, fui ouvido na delegacia pelo escrivão e relatei novamente tudo que estava na denúncia formal. 

Agora, passados 17 meses da denúncia, fiquei sabendo, por acaso, do arquivamento do inquérito a pedido do MP, fato que me surpreendeu, por tantos indícios e pela falta de pesquisa amiúde do Estado, para apurar o culpado e aplicar a devida punição didática e corretiva, em resposta a sociedade detentora do bem comum. 

Desta forma, repasso a você as informações sobre o caso e peço, que se achar de interesse de seu Blog, publicá-las na íntegra ou em resumo - desde que, neste formato, bem explicado e com o seu habitual cuidado profissional para não haver interpretações equivocadas – e fazer chegar ao conhecimento da população de Campos Belos e região estes tristes episódios. 

Tive um acesso rápido ao processo de inquérito; visto que, estava arquivado desde 12/02/2019, e formulei um pedido (ao titular do MP) que segue também anexo. 

Pedi o desarquivamento do inquérito e a sua efetiva denúncia ao Juízo. · 

Estou a sua inteira disposição para mais esclarecimentos e precisão da publicação, se for o caso também. Desde já agradecido por sua valiosa atenção e trabalho jornalístico.



Um comentário:

  1. Omissão muitas vezes partem de quem deveria cuidar, se a própria prefeitura autoriza construção de casas em locais de curso de água da chuva ou pequenas nascentes, se os engenheiros da Caixa econômica federal aprovam projetos de casas construídas encima de minas d'água e lotes brejados ou na beira de encostas do morro, que por ventura já desabaram em alguns locais da cidade destruindo casas, com certeza não vão se importa com o meio ambiente.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.