segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

De Alto Paraíso de Goiás: Em busca de um volante, PSG negocia para tirar brasileiro do Galatasaray


Ex-Manchester City e hoje no Galatasaray, o brasileiro Fernando tem em mãos uma proposta para defender o Paris Saint-Germain. 


O clube parisiense tem a posição de volante como a mais carente do atual elenco e vê no jogador de 31 anos uma solução para o problema.

Segundo apurado, o Galatasaray pede 6 milhões de euros para liberar o volante, que tem mais um ano e meio de contrato com o clube turco. 

O PSG oferece dois anos e meio de vínculo, portanto, até o fim da temporada 2020/2021. 

O clube francês foi procurado pela reportagem para comentar a informação, mas não comenta especulações de mercado.

Fernando foi procurado por Antero Henrique, diretor esportivo do Paris Saint-Germain, com que trabalhou por alguns anos no Porto, de Portugal, seu ex-clube. Como tem cidadania portuguesa, ele não entraria na lista de estrangeiros do PSG.

Com o afastamento de Rabiot, o PSG tem sofrido com as suas opções de volantes. Na derrota para o Guingamp na última quarta-feira (9), o clube francês atuou com o zagueiro Marquinhos improvisado na função, assim como já havia ocorrendo antes da virada do ano.

Aos 31 anos, Fernando defende o Galatasaray desde a metade de 2017. 

Natural de Alto Paraíso (GO), ele foi revelado pelo Vila Nova e ainda defendeu Porto-POR, Estrela da Amadora-POR e Manchester City.
Allan também na mira

Além de Fernando, o PSG também mira a contratação de Allan, também volante, hoje jogador do Napoli. 

Ele esteve presente na última convocação da seleção brasileira de Tite em 2018 e atuou nos amistosos contra Uruguai e Camarões, tendo sido titular neste último.

De acordo com o site italiano 'Sport Mediaset', o PSG ofereceu 90 milhões de euros (R$ 383,2 milhões) para contratar o brasileiro.

Fonte e texto: UOL Esporte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.