quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

PF prende policiais acusados de integrar grupo de extermínio em Goiás. Atuava também em Alto Paraíso, diz PF



Polícia Federal (PF) em parceria com o Ministério Público de Goiás deflagrou, nesta terça-feira (18/12), a operação Circo da Morte, que mira um grupo de extermínio composto por policiais militares. 


A associação criminosa atuava em Caldas Novas (GO), Santo Antônio do Descoberto (GO) e Alto Paraíso (GO). 

De acordo com a PF, eles matavam e então forjavam a existência de confrontos policiais que justificassem a ação. 


As investigações duraram um ano e apontam a participação de cinco policias militares, inclusive de oficiais, no grupo de extermínio.

Foram cumprindo nove mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão temporária, todos em Caldas Novas. 


A Corregedoria da Polícia Militar do Estado do Goiás, que também participou das ações, atuou com 10 militares na operação. Já a PF deslocou 58 policiais federais.

Os acusados poderão responder pelos crimes de homicídio qualificado, ocultação de cadáver, constituição de milícia privada, fraude processual e corrupção passiva.

Segundo a PF, o nome da operação faz referência ao mágico de circo que cria ilusões com aparência verdadeira, como homicídios que teriam parecem atos heróicos.

Em nota, a Polícia Militar de Goiás (PMGO), por meio da Corregedoria da instituição, disse que acompanha as ações da Operação Circo da Morte. 

"Ressaltamos que todas as providências legais, pertinentes à Corporação, já estão sendo adotadas, e que o Comando Geral da PMGO designou uma equipe de Oficiais corregedores para atuar e acompanhar, em conjunto com o Ministério Público e Polícia Federal, o cumprimento dos mandados de prisão", diz o texto.

Veja matéria na Globo News

Fonte: Jornal de Brasília 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.