segunda-feira, 10 de dezembro de 2018

ATM vê com preocupação extinção de cinco delegacias regionais determinadas pelo Governo, inclusive Arraias (TO)


A Associação Tocantinense de Municípios (ATM) recebeu com preocupação a notícia de que o Governo do Estado extinguiu cinco delegacias regionais presentes nas cidades de Alvorada, Araguatins, Arraias, Miracema e Pedro Afonso. 

O governo publicou do Diário Oficial do Estado desta quarta-feira, 05, o novo organograma dos órgãos da Polícia Cívil no Estado, a qual informa as fusões.

Segundo o presidente da ATM e prefeito de Pedro Afonso, Jairo Mariano, a preocupação reside no fato que haverá ausência de unidades e profissionais para atender ocorrências e investigações. 

“O cidadão se sentirá desguarnecido, sem amparo e, em muitos casos, sem possibilidade de apresentar suas queixas”, destaca, ao lembrar que no caso da cidade a qual governa, os cidadãos terão que se deslocar até Guaraí, a 60 km de distância, em busca de atendimento.

Outras realidades


Segundo a ATM, a situação será pior para quem mora em municípios do extremo Centro-Norte, como Santa Maria e Recursolândia, além do extremo Bico do Papagaio, como Esperantina e Buriti. 

Residentes nos municípios da região Sul, próximos à divisa com o estado de Goiás, como Araguaçu e Talismã também precisarão deslocar grandes distâncias para apresentar e acompanhar suas diligências.

Falta de policiamento


“A realidade da grande maioria dos pequenos Municípios é a presença de apenas uma guarnição da Polícia Militar. 

Com essa medida, além do cidadão, quem também deverá se deslocar grandes distâncias para apresentar os flagrantes serão os policiais da PM, e isso demandará tempo. 

Com isso, as pequenas cidades ficarão desprotegidas, tornando-se assim alvos fáceis para criminosos”, projeta o presidente da ATM.

Fonte: Portal do Amaral

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.