quarta-feira, 19 de dezembro de 2018

Arraias (TO): Colégio Militar divulga lista com nome dos aprovados no processo seletivo



A lista com os aprovados no processo seletivo do Colégio Militar foi publicada no Diário Oficial do Tocantins desta segunda-feira (17). 


Mais de 3,5 mil estudantes concorreram a 956 vagas em unidades distribuídas em cinco cidades do estado, Palmas, Araguaína, Arraias, Araguatins e Colinas do Tocantins.

Do total de vagas, 680 serão destinadas 1ª Série do Ensino Médio em Palmas, Araguaína, Araguatins e Colinas. Já as 256 serão para alunos que farão o 6º ano do Ensino Fundamental em Palmas, Arraias e Colinas.

Segundo consta no Diário Oficial, este é o resultado provisório das provas objetivas. Os recursos deverão ser encaminhados à Comissão de Seleção no prazo máximo de dois dias úteis, após a publicação do resultado provisório.


Veja o resultado 


Confira as vagas e a concorrência de cada unidade:

A Unidade I de Palmas disponibilizará 115 vagas para o 6º ano do Ensino Fundamental – nos dois turnos. A concorrência é de 4,1 por vaga.

Na Unidade II de Palmas são 140 vagas para 1ª Série do Ensino Médio Regular Integral. A concorrência ficou em 8,2 por vaga.

A Unidade III de Araguaína ofertará 280 vagas para o 1º ano do Ensino Médio Regular nos dois turnos. Foram 2,7 pessoas concorrendo por cada vaga.

Na Unidade IV, em Arraias, são 66 vagas para o 6º ano do Ensino Fundamental - dois turnos. A concorrência está em 1,4 por vaga.

Já na cidade de Araguatins a oferta é de 230 vagas para os dois turnos da 1ª Série do Ensino Médio Regular. Foram 2,5 inscritos por vaga.

A Unidade X em Colinas disponibilizará 35 vagas para o 6º ano do Ensino Fundamental. Neste caso, a concorrência ficou em 4,4.

Também em Colinas são ofertadas 30 vagas para a 1ª Série do Ensino Médio Regular- dois turnos. A concorrência é de 3,4 por vaga.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.