domingo, 11 de novembro de 2018

Projeto de Extensão da UEG de Campos Belos promove um repensar da Língua Portuguesa em Escola Municipal



Desde o início do ano de 2018, a Escola Municipal Niedja de Souza Machado, que é referência em qualidade de ensino na região, vem recebendo o Projeto de Extensão Sociolinguística no Ensino de Língua Portuguesa, dirigido pela professora do curso de Letras do Câmpus Campos Belos, Jannekelly Alves Franco. 

O projeto, que tem duração de um ano, mobilizou toda a escola em ato aberto, em torno do envolvimento das crianças na abordagem das variações linguísticas encontradas no Brasil. 

As crianças dos dois turnos escolares participaram efetivamente da abertura das atividades e ao final levaram para casa “uma bala doce com gosto de variação linguística”, estratégia utilizada pela professora Jannekelly, para chamar a atenção dos alunos, no qual será realizada uma dinâmica no encerramento. 

A professora incumbia todas as crianças e aos seus pais, de guardar por todo ano o gosto da balinha doce, mas também que preservem a variação contida nela, num bilhetinho preso ao papel da guloseima. 


Com isso ela conseguiu envolver a escola e as crianças que são principal público-alvo do projeto. 

O diretor da UEG de Campos Belos, professor Adelino Machado, no qual, esteve presente na abertura da implantação do projeto na escola destacou a importância de uma temática tão relevante para a formação de professores, que é discutida na universidade, poder fazer parte do cotidiano da escola por meio do desenvolvimento das ações do projeto. 

Para ele, “a UEG de Campos Belos se aproxima a cada dia mais da comunidade por meio da escola, que é o lugar certo de construir um país melhor, ao investir na formação das crianças”. 

Na oportunidade a professora Jannekelly afirmou “Estou muito feliz com a execução do Projeto de Extensão, na Escola Municipal Niedja de Souza Machado.  

O nosso papel com este Projeto é não somente socializar com os alunos e professores da Escola acerca da Sociolinguística, mas também fazer uma intervenção diante das metodologias adotadas nas aulas de Língua Portuguesa, ressaltando a relevância das variações linguísticas na formação dos sujeitos falantes de uma língua. 


Este projeto inclui acadêmicos dos cursos de Letras, pedagogia e Tecnologia em Agroecologia, os quais interagem para aprimorar tais práticas de ensino-aprendizagem. 

A dimensão deste Projeto nos faz refletir o tripé acadêmico: Ensino, Pesquisa e Extensão, pois é possível levar conhecimento às crianças, bem como aprimorar a reflexão do que se aprende de forma lúdica e prazerosa. 

Agradeço aos acadêmicos que participam do Projeto, ao diretor da UEG, Adelino dos Santos Machado, que nos apoia com esta iniciativa, à Equipe da Escola Niedja por nos receber com muito carinho, aos alunos da Escola, aos pais e a todos os convidados.” 

A escola Municipal Niedja foi matéria de destaque na edição Nº 18 abril/maio de 2016, do jornal da UEG. 


Na oportunidade foi verificado tratar-se de uma experiência exitosa de ensino, gerida e com a maioria de seus professores oriundas dos cursos de formação da Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Campos Belos. 

A diretora desta escola, professora Reginalda Galvão, nos diz que “O evento foi maravilhoso, todos os professores da escola ficaram muito felizes e empolgados com o projeto, assim contando as horas para ter o retorno do projeto, pois são 9 edições. 


Parabenizou a Professora do Projeto Jannekelly com seus alunos pelo belíssimo trabalho aplicado na escola”. 

Propostas e ações como as da professora Jannekelly têm contribuído Brasil à fora para construção de uma sociedade melhor, mais avançada em seus processos educacionais, em franca parceria com as escolas. 

E assim a Universidade vai rompendo barreiras e avançando em direção ao cumprimento de sua missão que é “produzir conhecimento e transformar vidas”, numa sociedade que só será fortalecida com mais investimento na educação de base, mas também na formação superior. 

O Projeto proporcionou às crianças um repensar da Língua Portuguesa, no qual foi desenvolvido atividades como: palestras, minicursos, oficinas, Apresentação de teatro, música, teatro em fantoche, gincana sociolinguística. 


Estamos na reta final, no qual culminará em dezembro com atividades realizadas pelos alunos da Escola como forma de feedback do que foi trabalhado durante o ano.