Representatividade do nordeste goiano, uma das mais co­bi­ça­das re­gi­ões po­lí­ti­co-elei­to­rei­ras dos in­ves­ti­do­res


Na di­vi­são po­lí­ti­ca do es­ta­do, o de­no­mi­na­do Nor­des­te go­i­a­no com­põe-se de du­as mi­cror­re­gi­ões, o Va­le do Pa­ra­nã e a Cha­pa­da dos Ve­a­dei­ros. 


Na ver­da­de, a mi­cror­re­gi­ão do Va­le si­tua-se na re­gi­ão Les­te, que con­fi­na na di­vi­sa de Go­i­ás com a Ba­hia, ten­do co­mo po­lo re­gi­o­nal a ci­da­de de Pos­se. 

Des­de o pe­rí­o­do co­lo­ni­al, os mais an­ti­gos mu­ni­cí­pios des­sa por­ção do es­ta­do, que cha­mam ge­ne­ri­ca­men­te de “nor­des­te go­i­a­no” – in­clu­in­do mu­ni­cí­pios tais co­mo Ca­val­can­te, Flo­res de Go­i­ás, São Do­min­gos, Pos­se e ou­tros – sem­pre ti­ve­ram re­pre­sen­tan­tes re­gi­o­nais na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va es­ta­du­al. 

Mas não com su­fi­ci­en­te pres­ti­gio pa­ra pro­mo­ver o de­sen­vol­vi­men­to da re­gi­ão co­mo um to­do, nem ao me­nos pa­ra ga­ran­tir as ba­ses de sus­ten­ta­ção go­ver­na­men­tal no to­can­te às ações avul­sas e es­po­rá­di­cas ali de­sen­vol­vi­das, não ob­stan­te a cri­a­ção do pro­gra­ma Pro­nor­des­te no go­ver­no Hen­ri­que San­til­lo e o pro­gra­ma Nor­des­te No­vo no go­ver­no Mar­co­ni Pe­ril­lo.

PER­FIL HIS­TÓ­RI­CO

Quan­do ain­da in­di­vi­sos os ter­ri­tó­rios de Go­i­ás e To­can­tins, emer­gi­am do cha­ma­do “Nor­te go­i­a­no” as mai­o­res ex­pres­sões po­lí­ti­cas do es­ta­do (tan­to é que ti­ve­ram ca­ci­fe pa­ra em­pre­en­der a se­pa­ra­ção dos re­fe­ri­dos es­ta­dos), atu­an­tes que eram tan­to no par­la­men­to quan­to nos se­to­res da ad­mi­nis­tra­ção es­ta­du­al, sen­do des­ne­ces­sá­rio, nes­te cur­to es­pa­ço, in­clu­ir re­la­ção de no­mes dos pro­ta­go­nis­tas da po­lí­ti­ca re­gi­o­nal. 

Bas­ta lem­brar, por exem­plo, que foi o his­tó­ri­co de­pu­ta­do fi­lho de Pos­se, Jo­sé de Sou­za Por­to, quem trans­mi­tiu o go­ver­no do es­ta­do a Pe­dro Lu­do­vi­co, na con­di­ção de en­tão pre­si­den­te da As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va. 

De ve­ri­fi­car-se que os des­ta­ca­dos mo­men­tos de de­sen­vol­vi­men­to do “nor­des­te go­i­a­no” es­tão as­so­cia­dos com as atu­a­ções de al­guns de seus re­pre­sen­tan­tes no par­la­men­to es­ta­du­al, ha­ja vis­ta a ar­ro­ja­da ro­do­via li­gan­do Bra­sí­lia a Ar­rai­as e a cons­tru­ção da hi­dre­lé­tri­ca de São Do­min­gos, ten­do por trás as pre­sen­ças dos his­tó­ri­cos de­pu­ta­dos Jo­sé Frei­re (de Ar­rai­as) e Ha­gaus Araú­jo (de Di­a­nó­po­lis), res­pec­ti­va­men­te nas Câ­ma­ras fe­de­ral e es­ta­du­al.

NO­VAS PERS­PEC­TI­VAS

Fa­to no­tó­rio da re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de po­lí­ti­ca da re­gi­ão em fo­co, foi a cri­a­ção e con­so­li­da­ção da As­so­cia­ção dos Mu­ni­cí­pios do Nor­des­te Go­i­a­no, que por si­nal em­pres­ta­ra to­tal apoio à in­ves­ti­du­ra do atu­al de­pu­ta­do Iso Mo­rei­ra por meio das ar­ti­cu­la­ções mu­ni­ci­pa­is no pla­no es­ta­du­al, do gran­de ne­go­cia­dor po­lí­ti­co de Pos­se, dou­tor Jo­sé Éli­ton de Fi­gue­re­do, en­tão di­re­tor da Agên­cia Go­i­a­na do De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal, sem con­tar as mo­ções de apoio de ou­tros im­por­tan­tes li­de­res re­gi­o­nais, ha­ja vis­ta o aval do en­tão pre­fei­to de For­mo­sa, de­pois de­pu­ta­do Ti­ão Ca­ro­ço. 

An­tes, no en­tan­to, foi a ação di­plo­má­ti­ca do dou­tor Jo­sé Éli­ton (po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­do co­mo Dou­tor El­ti­nho), que re­sul­tou na mi­gra­ção do de­pu­ta­do Iso Mo­rei­ra pa­ra o PSDB, sob li­de­ran­ça do ex-go­ver­na­dor Mar­co­ni Pe­ril­lo. 

Tais re­fe­rên­cias, de pas­sa­gem (sem en­trar na tra­ma po­lí­ti­ca do jo­go de po­der), ape­nas pa­ra en­fo­car o fa­tor da re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de do nor­des­te go­i­a­no e do con­se­quen­te pe­so da res­pon­sa­bi­li­da­de que re­cai so­bre seus re­pre­sen­tan­tes re­gi­o­nais, tan­to no sen­ti­do da pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to re­gi­o­nal, quan­to no as­pec­to es­tri­ta­men­te po­lí­ti­co de sus­ten­ta­ção das for­ças exis­ten­tes, pa­ra se ga­ran­tir a con­ti­nui­da­de dos ne­ces­sá­rios in­ves­ti­men­tos nes­sa im­por­tan­te fai­xa da re­gi­ão ge­o­e­co­nô­mi­ca de Bra­sí­lia.

POS­SÍ­VEIS AR­TI­CU­LA­ÇÕES

Não é sem ra­zão que o no­me Jo­sé Éli­ton Fi­gue­re­do (pai do atu­al go­ver­na­dor Jo­sé Éli­ton Jú­ni­or), sem­pre foi lem­bra­do co­mo um dos po­ten­cias can­di­da­tos da ba­se go­ver­na­men­tal (mas nun­ca quis as­su­mir tal en­car­go), pos­to que sem­pre go­zou da sim­pa­tia das li­de­ran­ças dos mu­ni­cí­pios cir­cun­vi­zi­nhos os qua­is po­de­ri­am ter as­si­mi­la­do sua can­di­da­tu­ra, pa­ra so­mar-se ao po­der de ar­ti­cu­la­ção do atu­al re­pre­sen­tan­te Iso Mo­rei­ra. 

Pos­se não po­de fi­car fo­ra da me­sa de ne­go­ci­a­ção, sem com­por a san­ta ceia dos após­to­los do po­der. 

O atu­al mo­men­to his­tó­ri­co, de tran­si­ção, re­ve­la uma no­va en­cru­zi­lha­da pa­ra o fu­tu­ro po­lí­ti­co da re­gi­ão, em que sem a sin­to­nia dos pas­sos ha­ve­rá uma dis­per­são dos ru­mos. 

A par­ti­ci­pa­ção dos re­pre­sen­tan­tes re­gi­o­nais no go­ver­no es­ta­du­al se­rá sem­pre ne­ces­sá­ria, mar­can­do pre­sen­ça tan­to na As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va quan­to na Câ­ma­ra fe­de­ral. 

Ago­ra sur­gem no­vas li­de­ran­ças no es­pa­ço po­lí­ti­co re­gi­o­nal. É fun­da­men­tal que tais li­de­ran­ças se reú­nam e se unam em tor­no dos ob­je­ti­vos co­muns, dis­cu­tin­do a me­lhor for­ma de par­ti­ci­pa­ção re­gi­o­nal no pro­ces­so po­lí­ti­co es­ta­du­al, prin­ci­pal­men­te ago­ra que o nor­des­te go­i­a­no se des­ta­cou co­mo uma das mais co­bi­ça­das re­gi­ões po­lí­ti­co-elei­to­rei­ras dos in­ves­ti­do­res em vo­tos.

(Emílio Vieira, professor universitário, advogado e escritor, membro da Academia Goiana de Letras, da União Brasileira de Escritores de Goiás e da Associação Goiana de Imprensa. E-mail: evn_advocacia@hotmail.com). 

Fonte: DM