quarta-feira, 10 de outubro de 2018

Polícia Civil de Campos Belos (GO) prende homem acusado de matar o motorista Benedito de Oliveira, o Bené de Combinado (TO)

Imagem cedida e divulgada pela Delegacia da PC de Campos Belos (GO)



Investigadores da Delegacia da Polícia Civil prenderam o homem acusado de cometer um grave latrocínio em Campos Belos, crime ocorrido em março do ano passado. 

O gravíssimo crime de assassinato e roubo ocorreu no dia 08 de março de 2017.  

A vítima, Benedito de Oliveira, o Bené de Combinado (TO), teria recebido o pedido de uma carona solicitado por um conhecido dele, identificado durante as investigações da Polícia Civil como Wanderson Marques de Araújo.

A carona, na caminhonete de frete da vítima, foi entre as cidades de Novo Alegre (TO) e Campos Belos (GO), quando por volta das 13h30, o rapaz surpreendeu o motorista.

De acordo com a Polícia Civil, Bené foi dominado pelo acusado e golpeado a marteladas na cabeça, por diversas vezes.

Após o crime, o acusado teria empurrado e desovado o corpo da vítima na rodovia GO-118, saída de Campos Belos, próximo ao córrego gameleira. Em seguida, o homem teria roubado a caminhonete da vítima e fugido para outra cidade, com a intenção de vendê-la e obter lucros financeiros.

O corpo de Bené somente foi encontrado no dia seguinte, pela manhã, por pessoas que faziam caminhada pelo local.

A brutalidade do assassinato chocou não apenas a cidade de Campos Belos, mas toda a região sudeste do Tocantins, onde a vítima residia e trabalhava.

Após intensas investigações e trabalho de inteligência, a Polícia Civil de Campos Belos identificou a autoria do homicídio e partiu para a prisão do homem, que estava foragido desde o dia do crime.

Com mandado de prisão em mãos, a polícia descobriu que o rapaz estava morando em Goiânia desde o dia do assassinato.

Depois de várias tentativas de localização com uso do serviço da inteligência da Polícia Civil, não foi possível encontrá-lo, mesmo depois de um ano após a ocorrência do latrocínio, quando a mídia regional, inclusive este blog, cobrou, a pedido da família, a prisão do assassino.

Com muita persistência e mesmo encontrando barreiras de todas as ordens, inclusive humanas e jurídicas, no fim do mês de setembro, Wanderson Araújo foi visto pela filha da vítima, além de outras pessoas, na avenida 44, em Goiânia, vendendo roupas.

O agente de polícia Davson Fonseca de Almeida, que também estava inconformado com a não localização e prisão do autor do crime, persistente na busca por ele, se prontificou a passar dois dias no local onde ele fora visto pela última vez a fim de cumprir o mandado de prisão.

Na oportunidade, a Delegacia de Campos Belos expediu ordem de missão ao agente de Polícia e colocou uma viatura à disposição da autoridade do Estado para localizar e prender o fugitivo.

Após um dia e meio de procura na capital goiana, o agente Davson Fonseca conseguiu finalmente encontrar o acusado.

De imediato, solicitou o reforço por parte do delegado da Denarc de Goiânia, Eduardo Gomes, que colocou à disposição os policiais c
ivis Filipe Silva Bandeira, Renato Ricardo Rodrigues e João Henrique Alves Reis para auxiliar no cumprimento da ordem de prisão.

A Wanderson Marques de Araújo foi dado voz de prisão, que logo em seguida foi encaminhado para os procedimentos protocolares, como exames de corpo de delito para chancelar a legalidade da prisão e o seu recolhimento à prisão, onde agora está à disposição da justiça criminal de Goiás.

Também participou das investigações e prisão do acusado o policial civil Edson Diniz de Sousa.

O acusado agora vai responder pelo crime do artigo 157 parágrafo 3°, inciso II do Código Penal Brasileiro - latrocínio (roubo seguido de morte)- com pena que varia entre 20 e 30 anos de reclusão.


Relembre o caso