Liberdade sem limites ou com responsabilidade?




Não é segredo para ninguém, e faz bastante tempo, que o alunado da Universidade de Brasília, como de outras escolas espalhadas pelo país, deixou a produção acadêmica e científica de lado, bancada pelos pobres contribuintes, e enveredou, de vez, pelas tortuosas sendas de uma esquerda ultrarradical e raivosa, que pune, com todo o tipo de agressão, qualquer um que ouse comungar outros credos.

Mesmo o enorme prédio do Minhocão, que abriga a maioria dos cursos ali oferecidos, é alvo da depredação impiedosa dessa matilha ensandecida que se apossou da universidade, como se ali fora um reduto inexpugnável dos partidos de esquerda, derrotados nessas últimas eleições. 


Pichações e assolações desse patrimônio estão por toda parte. A revolta pelos resultados saídos das urnas enfureceu ainda mais esses vândalos que passaram a dominar praticamente toda a instituição.

De alunos, se transformaram em bonecos de ventríloquos, repetindo em coro slogans ensaiados, que visam unicamente amedrontar oponentes, fazendo de um edifício público, satélite de partidos radicais. 


Também já não se pode esconder de ninguém que há muito a direção da 

UnB perdeu todo o tipo de controle sobre o alunado, não apenas por medo de contrariá-lo, mas, sobretudo porque endossam essas manifestações corriqueiras.

Nessa balbúrdia em que se transformou a Universidade da capital, muitos professores também têm responsabilidade direta, alimentando a fúria dos alunos com o catecismo caduco dessas ideologias, conforme orientação pedagógica do niilista Antonio Gramsci (1881-1937). 

Os docentes que prezam pela pesquisa científica são violentamente alijados do grupo profissional.

Dessa forma, vai se concretizando a ideia desse “pai dos comunistas” italianos que dizia que “a autoridades dos partidos que conduzissem o processo, seriam onipresentes e invisíveis como um decreto divino”. Não é pouca coisa, trata-se do autor mais citado em teses no Brasil. 


Sem exagero, é correto considerar que nossas instituições de ensino superior se transformaram hoje num templo devotado de culto à Antonio Gramsci. Pelo menos essa é a afirmação de analistas que estudam o processo de abdução das universidades brasileiras,

Com a ausência das autoridades dentro e fora da UnB, os alunos, com o apoio camuflado de muitos professores, tomaram o leme da universidade e fazem o que querem, como querem e no momento que lhes convier.

Veja alguns vídeos no Blog do Ari Cunha. Eles circulam agora nas redes sociais e mostram hordas de estudantes ameaçando pequenos grupos que não aceitam se submeter a doutrina dessa massa violenta. Foi preciso escoltar os alunos pensantes para que não fossem linchados vivos.

A UnB está fora de controle, sob o comando de arruaceiros que não têm nada a perder. Não chega a ser surpresa que no vácuo de autoridade que vive o país, nossas universidades estejam literalmente entregues nas mãos de uma elite sem compromissos com o futuro ou com quem quer que seja, até mesmo consigo próprias.

A frase que não foi pronunciada:

“O objetivo mais elevado da educação é desaprender o que antes tínhamos por certo, substituir a certeza pela sutileza, o preconceito pela compaixão e o destino pela possibilidade.”

Neel Burton

Fonte: Ary Cunha (Coluna visto, lido e ouvido)