Projeto O que é O que é – Infâncias Kalunga, registra a cultura de comunidades do nordeste goiano




Por Matheus Aleixo**, 

Idealizado pela pesquisadora Marise Glória Barbosa, em comunidades Kalungas dos municípios de Teresina de Goiás, Cavalcante e Monte Alegre, no segundo semestre de 2017, o projeto se propôs a registrar a “esfera do brincar” nesta cultura. 

Casinhinha, banho de rio, adivinhas, rodas, danças e cantigas, todos esses elementos compõem a esfera lúdica do povo Kalunga.

O projeto gerou um livro, vídeos e fotos compartilhados nas redes sócias. A artista, pesquisadora e professora da UNB, Marise Glória Barbosa, diz que a inspiração para o projeto surgiu a partir da convivência com o povo Kalunga, que aconteceu tanto no Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, como em visita as comunidades. 

Ela explica que a experiência do povo Kalunga foi compartilhada com a equipe do projeto em várias situações e locais como nas comunidades do Riachão (Monte Alegre), Maiadinha (Cavalcante), Diadema (Teresina, Tiguinzal (Monte Alegre), Fazenda da Barra e Vão de Almas, além da Festa de São João do Sucuri. 

As experiências foram compartilhadas de uma forma bem tradicional “Fizemos encontros a noite buscando a reprodução deste típico momento para contar histórias, então as pessoas aceitaram o convite para compartilhar estes valores civilizatórios”, relata Marise.

O contato com a cultura permitiu que a pesquisadora tomasse consciência da riqueza e da profundidade daquilo que compõe a esfera das infâncias Kalunga “O título do projeto está do no plural, porque ele traz as memórias da infância em diferentes gerações. 

Conversamos com crianças e jovens, mas também com gente mais velha que são aqueles que contam as histórias, conhecem as brincadeiras e entendem a importância que esses conhecimentos sejam compartilhados com outros universos”, explica.

A aceitação e recepção do povo Kalunga foi muito positiva “Teve uma pessoa, Dona Dominga, que quando a gente foi entrevistar ela estava cheia de netos e bisnetos e ao redor e disse – Isso que vocês estão fazendo é muito importante porque tem que pensar no futuro destas crianças, isso é para eles. 

Vai ter um livro com minha foto, e eles vão poder falar, olha é a minha vó, isso é importante para que eles se reconheçam – Isto provou que a gente estava disseminando os conhecimentos, inclusive, dentro daquele universo.”, contou Marise.

Quem também participou deste momento foi Lourdes Fernandes de Souza, mais conhecida como Bia Kalunga, Coordenadora do Colégio Calunga II e vice-presidente da Associação de Mulheres do Quilombo Kalunga. 

Ela conheceu o O Que é O Que através da visitas de Marise e ajudou na articulação com professores. Bia Kalunga ressaltou a importância do projeto. 

“Achei (o projeto) interessante, pois o trabalho foi construído tendo os Kalungas como autores. Houve uma participação direta dos narradores personagens Kalunga. 

É importante ressaltar que, este trabalho traz a retomada das práticas de letramentos da infância, juventude e adultos da cultura Kalunga. 

As Músicas , Brincadeiras, enfim, o passado de como era a prática das crianças tempos atrás”. 

Para Bia Kalunga o livro, as fotos e os vídeos ficaram muito bons e serão relevantes dentro do contexto da educação “O produto final ficou ótimo, Belo Trabalho! Ele deve ser trabalhado nas escolas, pois valoriza as práticas da cultura Kalunga, é o tipo de letramento da oralidade. 

Para Dona Bia os vídeos ficaram muito bons e relatam, com fidelidade, o contexto Kalunga”, relata.

É possível conhecer o O Que é o Que é – Infâncias Kalunga através das mídias sócias com a página do Facebook, Instagram ou Canal do Youtube do. 

O trabalho experimentou um efeito viralizador na internet, tendo o vídeo que registra a brincadeira da “Casinha” ultrapassando a marca de 107 mil pessoas alcançadas no Facebook. 

O lançamento do Livro/CD aconteceu no dia 28 de Maio deste ano, na Universidade de Brasília, Campus Planaltina, e a entrega nas comunidades Kalungas entre os dias 21 de maio a 11 de Junho. É possível adquiri-lo na loja Galeria Preguiça, em Alto Paraíso, ou diretamente com Marise Barbosa, através das mídias sociais do projeto.

A equipe em campo contou com a cineasta Ester Simon Alana, a câmera Natalia Vitral Costa, a fotografa Mayara Maximila e Jaqueline Fontenelle Duarte que transcreveu e revisou as entrevistas. 

A produção executiva esteve a cargos de Geovana Jardim através do Instituto Jardim Cultural. A proposta e curadoria, da exposição em diferentes mídias que tem, também, a função de devolução, foram responsabilidade de Marise Glória Barbosa.

O projeto é Financiado no FAC – Fundo de Arte da Secretaria Estadual de Educação, Cultura e Esporte – SEDUCE – do Governo Estadual de Goiás (edital 2016).

Link para a pagina do Facebook

https://www.facebook.com/infanciaskalunga/

Link para o canal do Youtube

https://www.youtube.com/channel/UC9IDThcskX3FQHzkUaxcb8w

**Colaboração especial para o jornal O VETOR.