Instrução dos acusados de matar pai e filho em Ponte Alta do Bom Jesus acontece nesta 4ª


A audiência de instrução dos acusados do duplo homicídio que vitimou Tibúrcio Cardoso Cirqueira e Bruno Alves Cirqueira, pai e filho, respectivamente, acontecerá nesta quarta-feira, 26, às 13h30, no Fórum de Taguatinga. 


 A audiência será presida pelo juiz Iluipitrando Soares Neto e o advogado assistente será Claudionor Machado, de Luís Eduardo Magalhães (BA). Os acusados do crime são os irmãos Aroldo Ribeiro Caitano, Miguel Caitano de Queiroz e Dermivaldo Ribeiro.

De acordo com Kelly Cirqueira, filha de Tibúrcio, a família está apreensiva e nervosa. “Vamos lembrar de tudo. 

É uma ferida que está aberta. Perdemos jóias preciosas da nossa casa, a ausência deles é dolorosa. Minha mãe está doente com tudo o que aconteceu. Sepultar os dois foi desolador. 

 A forma de como eles foram tirados de nós foi covarde e cruel. Na audiência de hoje (quarta-feira), esperamos que termine já com a data definida para o júri popular”, disse.

A família está confiante, segundo ela. “Estamos confiantes na Justiça, como desde o inquérito que foi muito bem feito pelo delegado responsável Márcio Duarte Teixeira, acredito que o andar do processo também será positivo. 

Esperamos que essa audiência seja decisiva para o inquérito, pois as pessoas que cometeram esse ato maldoso e cruel com meu pai e meu irmão estão soltas, e isso nos causa uma grande dor, e um sentimento de impunidade muito grande”, ressaltou.

Júri popular

Embora a família espere que a audiência de instrução seja concluída nesta quarta-feira e a data para acontecer júri popular seja divulgada, o advogado Claudionor Machado explicou que a expectativa é remota. 

“Haverá agora a audiência de instrução com base nas provas que foram colhidas na fase inquisitorial. 

Nesse momento serão ouvidas as testemunhas de acusação, as de defesa e na sequência os acusados terão o primeiro direito de falar perante o juiz. Perguntas serão feitas pela acusação e defesa. Encerra-se aí a audiência de instrução”, explicou.

Segundo o advogado, haverá ainda uma outra fase antes da decisão do juiz. “É a fase das alegações finais. 

A acusação e a assistência da acusação e a defesa colocam seus argumentos finais com base no que colheram da audiência de instrução e nas outras provas que vieram aos autos. 

O próximo passo é a decisão do magistrado, não é sentença. Ele dará uma decisão de pronúncia, onde ele verificará, se, no caso, estão presentes a materialidade e o indicio suficientes de autoria. 

No entanto, o magistrado somente reconhece o indício de autoria e deixa ao júri popular a absolvição ou condenação. Essas fases são necessárias para que ocorra o julgamento”, justificou.

Entenda o caso

Tibúrcio Cardoso Cirqueira e Bruno Alves Cirqueira foram mortos no dia 10 de junho de 2017, a tiros e pauladas, em uma emboscada quando pararam para abrir uma porteira, na zona rural de Ponte Alta do Bom Jesus, quando retornavam do trabalho.

Bruno foi alvejado nas costas por um disparo de arma de fogo, enquanto seu pai Tibúrcio foi executado a golpes de pauladas.

Na época, Kelly Cirqueira contou que o crime foi motivado por demarcações de divisa de propriedade, já que as vítimas já vinham sendo ameaçadas, inclusive com vários registros de Boletim de Ocorrência (BO) na delegacia local.


Fonte: Cleber Toledo