sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Em Arraias, Amastha critica obras paradas no Sudeste



Candidato a governador pelo PSB lamentou o descaso com que a região vem sendo tratada pelos últimos governos, e o atual, e garantiu que transformará a escola estadual abandonada em escola profissionalizante com foco na mineração

Em visita a Arraias nesta terça-feira, dia 18, o candidato a governador pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB), Carlos Amastha, fez duras críticas últimos governantes e ao atual governo pelo descaso com o Sudeste do Estado.


E o exemplo concreto são as várias obras fundamentais para região que estão abandonadas, lembrou o ex-prefeito de Palmas ao se reuniu com lideranças políticas e populares na cidade e às quais detalhou as propostas do seu plano de governo, o PG-40, para fazer o Tocantins voltar a crescer e gerar empregos e oportunidades em todas as regiões.

Um dos alvos das críticas de Amastha está bem na entrada de Arraias, a obra de uma escola estadual que seria militar e que está parada há anos. “É inadmissível que o Estado não se importe com a educação das nossas crianças”, disse indignado. 

O ex-prefeito de Palmas garantiu que vai retomar a obra e transformá-la em uma escola profissionalizante com foco na mineração, já que a região conta com uma grande indústria de fosfato.

Comércio local desaquecido

Outro problema que os moradores de Arraias enfrentam é baixa competitividade dos preços dos produtos vendidos no comércio da cidade, o que faz com que os moradores viagem a Campos Belos, município goiano, em busca de preços mais vantajosos, o que desaquece o mercado arraiano. 

O candidato pela coligação A Verdadeira Mudança lamentou a falta de investimento do governo no comércio local. 

“É triste ver que o pouco dinheiro que circula em Arraias é gasto em Goiás. Não temos um Estado indutor de desenvolvimento.”

Amastha também criticou a paralisação da obra da barragem no Rio Arraias, que minimizaria os impactos da falta de água na região, além de incentivar a produção agrícola local. 

“É mais uma obra que poderia estar beneficiando a população não só de Arraias, mas também de regiões vizinhas”, lamentou.

Fonte: Surgiu