sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Prefeito de Miracema (TO) é encontrado morto dentro do próprio carro com tiro na cabeça



O prefeito de Miracema do Tocantins, Moisés Costa da Silva (MDB), conhecido como Moisés da Sercon, foi encontrado morto na tarde desta quinta-feira (30). 


Segundo o irmão dele, Fidel Costa, ele estava em Miranorte e dispensou funcionários que o acompanhavam para fazer uma visita ao prefeito Antônio Carlos Martins (MDB). 

As cidades são vizinhas.  Isso aconteceu por volta das 11h. 

Os funcionários e a escolta ficaram aguardando Moisés Costa em um posto de combustíveis, mas ele não retornou. Ainda não foi confirmado se ele chegou a falar com o prefeito de Miranorte.

O corpo foi localizado horas mais tarde dentro da caminhonete dele em uma rodovia que liga Miranorte a Rio dos Bois. A Polícia Militar informou que ele estava sentado dentro da caminhonete e que tinha uma marca de tiro na cabeça.

Um revólver 38 também foi encontrado com a vítima. A perícia foi chamada para o local. A Secretaria de Segurança Pública informou que o corpo do prefeito será levado para o Instituto Médico Legal de Palmas. 

A investigação ficará sob responsabilidade da delegacia de Miracema, mas equipes de Palmas vão dar suporte ao delegado da cidade.

Em nota, a prefeitura de Miracema disse que o prefeito não tinha inimigos e negou que ele usasse serviço de seguranças, como havia sido informado mais cedo. 

Eles disseram ainda que se trata de um homicídio.

Moisés Costa da Silva tinha 44 anos, era casado e trabalhou como empresário e contador em Miracema. Ele se candidatou a um cargo público pela primeira vez em 2016. 

Foi eleito prefeito de Miracema com 84% dos votos válidos e estava no primeiro mandato.

Fonte: G1

quinta-feira, 30 de agosto de 2018

Integração família escola: Em projeto sustentável, escola infantil de Campos Belos implanta horta com irrigação de ar-condicionado




A escola municipal professora Niedja de Souza Machado, em Campos Belos, uma das mais prestigiados e premiadas no nordeste do estado, na formação e em educação infantil, inovou novamente e passou a implantar, recentemente, um novo projeto ambiental.

Denominado de “Projeto Agrinho: Saber Atuar para Melhorar o Mundo”, a ação pedagógica envolve, além dos pequenos alunos, professores, servidores da escola e a família.

O principal lema do projeto é “Seja Protagonista - alimentação saudável e meio ambiente. Ação conjunta: Família e Escola. Parceria Perfeita".

Pelo projeto, foi implantada uma horta escolar, cuidada pelas crianças e pais, e com o uso de ferramentas sustentáveis, como a irrigação feita por intermédio de receptores de água dos aparelhos de ar-condicionado.

A água que irriga as plantas, sem prejuízos químicos e físicos a elas, segundo pesquisas realizadas, também serve para manter a escola limpa.

De quebra, também há uma expressiva economia de água, de aproximadamente três litros de água, recolhidos pela manhã e tarde, nos 11 receptores dos aparelhos de ar.

O projeto também conta com o apoio de professores e estudantes do curso de agroecologia da Universidade Estadual de Goiás (UEG), em Campos Belos, com orientação técnica, palestras, material e muito incentivo, com coordenação de 
Francielle Rego, Professora da UEG e especialista em agroecologia e Ari Santana de Menezes, estudante Universitário da UEG do curso em Agroecologia.

Imagens cedidas pela direção da escola municipal professora Niedja de Souza Machado










Alto Paraíso (GO): Discípulos acusam guru espiritual Prem Baba de abusar de mulheres, segundo Folha de São Paulo


O guru espiritual Sri Prem Baba, de 52 anos, está sendo acusado de abusar de discípulas de sua comunidade de seguidores em São Paulo. 

O caso foi denunciado pelos ex-maridos das vítimas durante um encontro de seus seguidores no último domingo (26).

De acordo com a coluna da Mônica Bergamo, do jornal 'Folha de S. Paulo', Sri Prem Baba se manifestou dois dias após o encontro. 

Em vídeo, o guru admite que se relacionou "com uma pessoa casada", entre 2008 e 2010, e disse ainda que se envolveu com uma segunda pessoa.

A assessoria de Sri Baba diz que ele teve relações amorosas, mas nega a denúncia de abuso. O caso tem um impacto ainda maior pois o líder espiritual já se declarou celibatário anteriormente.

"O celibato é uma das traduções possíveis para o brahmacharya [preceito em que a pessoa transcende à sexualidade]. 

Mas não necessariamente ele é um celibato eterno", diz Fabio Toreta, responsável pelo relacionamento institucional do movimento liderado pelo mestre hinduísta. "Até 2010, Prem Baba estava em uma busca", completa.

Sri Prem Baba tem milhares de seguidores por diversos países. Segundo a reportagem, ele é considerado um "guru de celebridades", sendo o mestre de artistas como Bruna Lombardi e Reynaldo Gianecchini.

Candidato que não é formado no curso exigido, mas possui mestrado na área tem direito a vaga


Mesmo sem ser bacharel em Ciências Políticas, um candidato conseguiu o direito de ser nomeado para o cargo de analista técnico – cientista político em concurso público, uma vez que possui mestrado e experiência prática na área. 


A decisão é da 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), nos termos do voto do relator, desembargador Itamar de Lima.

Consta dos autos que o autor da ação, Rodolfo Milhomem de Sousa, se inscreveu no certame da Agência Goiana de Habitação (Agehab), tendo sido classificado em primeiro lugar, dentro do número de vagas. 

Contudo, como sua graduação é em Direito, não conseguiu tomar posse. Dessa forma, ele ajuizou ação, e alegou que possui qualificação superior à exigida e atuou em ministérios, em Brasília.

Para o magistrado relator, “o mercado de atuação da área de Ciências Políticas é bastante ampla, e, em alguns pontos, se assemelha à Ciência Jurídica e Relações Internacionais. 

Portanto, considerando que o requerente é graduado em Direito, com pós-graduação em Ciência Política, aprovado em primeiro lugar, mister o reconhecimento da ilegalidade da barreira que lhe foi imposta, devendo ser referendada a compatibilidade da sua formação para o cargo ao qual obteve provimento, por corresponder a uma área afim, pois, na verdade, possui habilitação superior à exigida no edital”.

Competência

Em primeiro grau, a ação foi julgada na Vara da Fazenda Pública Estadual. A Agehab, por se tratar de uma sociedade de economia mista, em regra não goza de foro privilegiado, conforme explicou o desembargador, todavia, esse não é o caso do processo. 

“Tratando-se a temática de concurso público, ato típico de direito público e não de gestão comercial, há de ser reconhecida a competência da Vara da Fazenda Pública Estadual”. 

Fonte: TJGO

Estudantes de Arraias e Colinas recebem primeiro aulão do projeto #ToNoEnem




O aulão do projeto #ToNoEnem, da Secretaria de Estado da Educação, Juventude e Esportes (Seduc), chegou às Diretorias Regionais de Educação (DRE) de Arraias e Colinas, no último sábado, 25 de agosto. 

Em Arraias, foram mais de 180 estudantes, de escolas dos municípios jurisdicionados à DRE, beneficiados pela ação que aconteceu no auditório da Universidade Federal do Tocantins (UFT).

Na manhã do aulão, os estudantes tiveram aulas de Redação, com a professora Michele Tomaz, e História, com Adelson Barbosa dos Santos. Além disso, eles participaram de uma palestra com o coaching Marcos Aurélio de Assis Ferreira.

A estudante Daniella Pereira, do Colégio Estadual Lavandeira, de Lavandeira, disse que o aulão superou suas expectativas, do começo ao fim. 

"A palestra inicial foi crucial para a motivação dos estudantes. Depois, tivemos aulas de Redação, com dicas e curiosidades que ajudarão muito na hora de escrever no Enem. Além da aula de História, que foi divertida e cheia de aprendizado, estou ansiosa pelos próximos aulões", ponderou.

Já em Colinas, 120 estudantes participaram da aula, na sede da DRE. O estudante Eduardo Silva falou que a metodologia facilita a aprendizagem de conteúdos difíceis. 

"O aulão nos apresentou formas simplificadas de resolver questões de exames de alta dificuldade, pudemos ver que não é tão complicado solucionar problemas na hora da prova", pontuou.

Veronica Arantes também participou do aulão e ficou satisfeita com o que aprendeu. "O aulão trouxe novas formas de entender os conteúdos, me fez ver a disciplina de Física de uma maneira diferente, mais fácil, sem tanta complicação", finalizou.

Os aulões fazem parte do projeto #ToNoEnem, que visa intensificar a preparação dos estudantes da rede estadual para realizarem o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e vestibulares. 

 Além dos aulões, os 20 mil estudantes da rede que cursam a 3ª série recebem material didático e um aplicativo para celular que garante que todos os alunos matriculados no Ensino Médio tenham acesso ao material preparatório.

Outras Regionais

Em Tocantinópolis, cerca de 240 alunos participaram do aulão. A estudante Josiellen Ribeiro Gomes, do Centro de Ensino Médio Girassol de Tempo Integral Darcy Marinho, destacou que a metodologia é inovadora e atraente. 

"As metodologias usadas pelos professores são muito boas, são aulões com resumos dos conteúdos que já vimos na sala de aula e isso reforça o conteúdo aprendido", disse.

Já a estudante Vera Lúcia Silva, da Escola Estadual Indígena Tekator, de Tocantinópolis, falou sobre a importância do #ToNoEnem para o estudante. 

"O aulão é uma ótima oportunidade para nossa preparação para o Enem. O material é ótimo para os estudos em casa, e os aulões completam o aprendizado", destacou.

Os aulões aconteceram em 12 DREs, atendendo a mais de 3 mil estudantes. Conforme cronograma divulgado pela Seduc, os estudantes terão aulas todos os sábados até o dia 27 de outubro, último final de semana que antecede à prova.

Fonte: Governo TO

Número de candidatos ao Senado é o maior já registrado em eleições


Nas eleições de 2018, dois terços das vagas do Senado — 54 do total de 81 — podem ser renovadas. 


São 352 candidatos que concorrem ao cargo de senador em todo o Brasil, número maior que o de todas as eleições com dados consolidados disponíveis no site do Tribunal Superior Eleitoral (desde 1994).

Quando considerado o número de candidatos por vaga, a concorrência é um pouco menor que a registrada nas últimas eleições, quando foram 185 candidaturas para 27 vagas. 

A média de candidatos por vaga ficou em 6,51 em 2018, contra 6,85 em 2014.

Das 352 pessoas que registraram candidaturas ao Senado, quase metade (48,3%) têm entre 50 e 64 anos. 

Apenas um candidato tem mais de 90 anos e outro candidato, cuja candidatura ainda aguarda julgamento, tem 27 anos, ou seja, está abaixo da idade mínima para concorrer ao Senado, que é de 35 anos. 

A faixa que concentra os candidatos mais novos com idade suficiente (35 a 39 anos) tem 9% dos que concorrem ao Senado.

A maior parte dos candidatos é de homens: 82,7% contra 17,3% de mulheres. Os brancos também são maioria entre os que registraram candidaturas ao Senado e representam 65,6% do total, seguidos dos pardos (23,6%) e pretos (9,9%). 

Os que se declararam como indígenas e amarelos ainda são minoria, com 0,57% e 0,28%, respectivamente.

Com relação à ocupação declarada pelos candidatos, 30 já são senadores e buscam a reeleição. 

Outras profissões recorrentes entre os que concorrem ao Senado são professor (44), advogado (43), deputado (41), empresário (30) e servidor público (29).

Os números foram calculados com base nos dados disponíveis na tarde de segunda-feira (27) sobre os pedidos de registro de candidatura, que estão em atualização no site do TSE. 

O total pode ser diferente do registrado no dia da eleição por causa de renúncias, cancelamentos e indeferimento de candidaturas, por exemplo.
Representatividade

Os senadores representam os estados e o Distrito Federal. É por esse motivo que o número de representantes no Senado é fixo, três por unidade da Federação. 

Na Câmara dos Deputados, que reúne os representantes do povo, o número de deputados é calculado de acordo com a população de cada estado, por isso a quantidade de deputados não é a mesma para todas as unidades da federação.

A renovação no Senado se dá por eleição majoritária, em que o número de votos recebidos é o que conta, diferentemente do que ocorre na Câmara, onde a disputa pelas vagas também leva em conta o número de votos recebido pelo partido. 

O mandato dos senadores é de oito anos e a renovação se dá em um terço das cadeiras em uma eleição e dois terços na eleição seguinte, consecutivamente.

Além de elaborar leis e fiscalizar o Poder Executivo, o Senado tem atribuições como processar e julgar o presidente e o vice-presidente da República nos crimes de responsabilidade e aprovar indicados para cargos importantes, como o de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), embaixadores e diretores de agências reguladoras. 

Também é responsável por aprovar empréstimos no exterior feitos por estados e municípios.

Quando escolhe um senador, o eleitor vota em uma chapa composta por ele e dois suplentes. 

Eles serão os substitutos do senador em caso de licenças e situações que impossibilitem o titular de exercer o mandato. Os nomes dos suplentes devem ser divulgados no material de campanha de cada candidato.

Fonte: Agência Senado 

quarta-feira, 29 de agosto de 2018

Em Dianópolis (TO), suspeitos de vender capim dourado ilegalmente são multados em mais de R$ 10 mil


Dois suspeitos de colher e vender capim dourado ilegalmente em Dianópolis, sudeste do Tocantins, foram multados em R$ 10,2 mil pela Polícia Militar Ambiental, nesta terça-feira (28). 


Os dois homens estavam em uma casa, no setor JK, que segundo a polícia servia como uma loja improvisada. No local foram encontrados 34 kg do produto.

A equipe da PM Ambiental foi ao local após denúncia anônima.
A lei determina que o transporte e o comércio do capim dourado no estado pode ser feito apenas por produtores e associações cadastrados no Instituto Natureza do Tocantins (Naturatins). 

A medida é para proteger o meio de sustento de artesãs que não têm outra fonte de renda na região do Jalapão.

Além do comércio ilegal, eles também são suspeitos de fazer a colheita fora do período permitido, que vai de 20 de setembro até 30 de novembro. 

Todo o produto que estava na casa foi apreendido.

Com informações da AMC

Em Alto Paraíso de Goiás, idoso está perdido à procura de parentes. Perambula há seis meses pela cidade, sem dinheiro e amparo


"Prezado Dinomar Miranda, bom dia.

Encontrei este senhor aqui em Alto Paraíso de Goiás e conversando com ele, disse-se ser de Tocantinópolis.

Veio para cá atrás de uma irmã de criação, que não se encontra mais aqui em Alto Paraíso de Goiás. 

Ele disse também que não tem nenhum documento, por isso não consegue ir embora e também não tem dinheiro.

Está aqui há seis meses. 

Vive perambulando pelas ruas, não se lembra do nome dos parentes de Tocantinópolis e nem o telefone.

É visível que tem esquecimento mental. Apenas fala que seu nome é Gonçalo Barbosa de Sales. 

Você pode divulgar a imagem e o nome dele aí, pois a família pode está a procura dele?

Corte mantém cassação de prefeito de Divinópolis de Goiás


Decisão tomada pelos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na sessão plenária desta terça-feira (28) confirmou a cassação dos mandatos e a multa aplicada a Alex Santa Cruz Oliveira (PPS), eleito prefeito de Divinópolis de Goiás (GO), e seu vice, Jofre Pereira Filho. 

Ambos foram acusados pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) por compra de votos e abuso de poder econômico na eleição de 2016. A Corte deliberou que, após publicada a decisão, o Tribunal Regional Eleitoral de Goiás (TRE-GO) seja comunicado para que tome providências para realizar nova eleição no município.

O ministro Admar Gonzaga afirmou que a Corte Regional examinou todas as provas dos autos do processo e determinou a punição do candidato eleito com a cassação do mandato e o pagamento de multa. 

Segundo o ministro, para o TSE verificar se houve conhecimento dos candidatos sobre a multiplicidade de fatos ilícitos narrados seria necessário revolver o conjunto dos fatos e provas, o que é incabível em recurso especial.

De acordo com o Ministério Público, o candidato Alex Oliveira promoveu distribuição indiscriminada de combustíveis a eleitores em troca de votos na campanha. 

Na Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije) ajuizada, o MPE afirmou também que houve a entrega de passagens rodoviárias a diversos eleitores também com o objetivo de angariar votos.

Fonte: TSE

Divinópolis de Goiás terá Presidente da Câmara como prefeito interino, após cassação



O vereador Reinaldo Araújo Guimarães (PR), presidente da Câmara Municipal de Divinópolis de Goiás, será oficialmente comunicado pela Justiça Eleitoral e será empossado como prefeito do município.

A mudança no Executivo ocorre após decisão do Tribunal Superior eleitoral que cassou os mandatos de prefeito e vice-prefeito nesta semana.

O TSE deverá informar o TRE-GO, que comunicará a Câmara de Vereadores sobre a decisão da corte.

O órgão máximo da Justiça Eleitoral também determinou a realização de nova eleição para prefeito e vice-prefeito do município, com data ainda não definida. 


Com informações de Antônio Carlos 

TSE mantém cassação de prefeito e vice e confirma novas eleições em Divinópolis de Goiás


O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) manteve a cassação do prefeito de Divinópolis de Goiás, Alex Santa Cruz Oliveira, e do vice, Jofre Pereira Cirineu Filho, ambos do PPS. 

Com isso, eles permanecem inelegíveis por 8 anos e terão que pagar multa de R$ 53,2 mil cada.

Eles foram acusados de compra de votos, além de doação de combustíveis e passagens em troca também de votos.

O TSE confirmou a realização de novas eleições, devendo o presidente do Legislativo municipal assumir a chefia do Executivo até lá.

Segundo as investigações, os crimes cometidos pelos políticos ocorreram na véspera das eleições municipais de 2016.

Nos autos, constam depoimento de uma eleitora que afirma ter recebido R$ 50 para votar na chapa do então candidato. 

A mulher disse que foi abordada em casa no dia do pleito. A sogra dela, testemunha no caso, confirmou a história.

Além disso, a apuração apontou que um tio de Alex adquiriu, na véspera da eleição, R$ 2,4 mil litros de gasolina em um posto de combustíveis. O montante foi dividido em vales de abastecimento de 60 e 40 litros.

A proprietária do estabelecimento, em depoimento, disse que vários veículos foram abastecer no local nos dias seguintes usando os vales.

Posteriormente, o parente do político teria ido ao posto pedindo à mulher que ela emitisse uma declaração na qual constasse que ele era cliente frequente dela. Segundo o TRE-GO, essa questão demonstra a tentativa do homem em "obstruir o andamento" da investigação.

A terceira e última situação analisada seria o repasse de cerca de 40 passagens de ônibus para eleitores de Goiânia poderem ir até a cidade para votar.

As informações são de Antônio Carlos e do TSE

Restaurante Brazólia cozinha e bar abre as portas para o público em Brasília. Jornalistas e influenciadores digitais foram convidados para abertura exclusiva






Na última sexta-feira (24), o mais novo restaurante da cidade de Brasília, o Brazólia Cozinha e Bar recebeu imprensa e convidados para a festa de inauguração que contou com a presença de cerca de 150 vips. 

O nome é uma referência ao apelido intimista da Capital Federal. Quem passou por lá, aprovou as delícias da cozinha e conheceu o estilo moderno e arrojado do lugar, que está localizado no coração da cidade (na SGON Quadra 03, atrás do Palácio do Buriti). O DJ Sergio Black animou a noite. 

O novo espaço faz parte do grupo Santa Fé e Basic e oferece música ao vivo e opções para almoço e happy hour, de segunda a segunda.

Na oportunidade jornalistas, inclusive este blogueiro, influenciadores digitais e blogueiros puderam conhecer em primeira mão o cardápio de petiscos e alguns pratos do restaurante, além de experimentar os drinksvariados e exclusivos oferecidos pela casa. 

Os convidados também se encantaram com a decoração e o alto astral do ambiente. 

Com projeto arquitetônico de Marcel Bucar, o Brazólia traz referências da cidade, como a fachada de cobogó azul, e mais de 150 fotos variadas que vão de ipês a monumentos estilizados. 

“Foi uma noite de muita alegria para nós que amamos e investimos na cidade”, afirmou Hélio Nogueira, um dos sócios da casa juntamente com o primo Éder Nogueira e o filho Caio Nogueira.

Na terça-feira (28.08), a casa abriu as portas para o público a partir de 11h30. “Vamos oferecer para os brasilienses mais uma opção de boa gastronomia e diversão, numa região nobre, com todo conforto e sofisticação, além de amplo estacionamento”, reforça Hélio. 

No almoço, a casa oferecerá um buffet (R$ 69,90 o kg, de segunda a sexta) com mais de 70 diferentes tipos de pratos, com opções para todos os gostos, incluindo peixe, carne branca e vermelha, e pratos vegetarianos. 

O grande destaque serão as carnes premium assadas na brasa, como picanha, bife ancho e bife dechorizo, entre outras, além de grande variedade de saladas.

Após o almoço, a casa se transforma e segue com o happy hour, com DJ e música ao vivo, e aquele chopinho com preço promocional (R$2,99). 

No cardápio noturno, os petiscos que já fazem sucesso no Bar Santa Fé, com outros exclusivos da casa, como o Santo Chorizo, dois medalhões de chorizo com 200g cada com fatias de tomate e cebola roxa (R$ 59,00); ou o presunto parma com fatia de melão e molho de mostarda dijon e limão siciliano (R$39,00), entre outros. 

No quesito bebidas, as estrelas da casa ficam por conta dos drinks exclusivos criados por mixologistas e preparados pelo bartender venezuelano Emílio Pulgar, como os GTs Brazólia, com quase 10 opções diferentes, inspirados na carta de bebidas do Basic, em Águas Claras. 

Há, ainda, opções de bebidas caribenhas, cervejas, energéticos, caipiroscas, caipirinhas, prossecos e shots, além de uma variada carta de vinhos.

A casa contará também com serviço à la carte, tanto no almoço quanto à noite. A Salada Brazólia, com frango empanado, mix de folhas, palmito, cenoura, brócolis, couve flor, cebola, tomate seco, azeitonas, molho pesto e molho especial da casa promete ser uma das queridinhas do público que quer manter a forma e a saúde em dia. 

No final de semana, a casa servirá os tradicionais pratos família do Santa Fé, que servem de 3 a 4 pessoas, como picanha, filé mignon grelhado ao óleo crocante, filé de tilápia, parmegiana e filé de frango, com os acompanhamentos (a partir de R$ 118,30 - preço promocional com 30% nos finais de semana, até o final de setembro).

O horário de funcionamento da casa é de 11h30 às 2h, de segunda a segunda.

Serviço:

Brazólia cozinha e bar – Inauguração
Endereço: SGON Quadra 03, atrás do Palácio do Buriti Contato: (61) 3344-7399 ou @brazoliabar (no instagram) 

Horário de Funcionamento: 11h0 às 2h, de segunda à segunda.








8º Rodeio Show de Posou Alto (GO) acontece entre 6 e 9 de setembro


O 8° Rodeio Show de Pouso Alto (GO), distrito de Campos Belos, no nordeste de Goiás, acontece nos próximos dias 06 a 09 de setembro.

Segundo os organizadores, o rodeio show de Pouso Alto GO já vai para a sua 8° edição, prometendo ser a melhor de todos os tempos.


Estão programados o show pirotécnico, rodeio em touros, praça de alimentação e shows musicais.

Na quinta feira (06) abertura do evento ficará por conta do cantor Adriano Lima.

Na sexta feira (07) feriadão, terá um show especial com a banda os Feras do Baile.

Sábado (08), a banda Pancanejo promete agitar a galera.

Domingo (09), logo de manhã, terá cavalgada, bingo a tarde e a noite o show fica por conta do cantor Thiago Jhonathan, fazendo aquele piseiro do jeito que a galera gosta.

A organização da festa é da Casa de shows Look Dance e realização Cia de rodeio Javae e locução Peuculas de Oliveira.

terça-feira, 28 de agosto de 2018

Idoso permanece desaparecido



Permanece desaparecido o idoso Alpiniano Francisco de Carvalho, 83 anos, segundo afirma o Corpo de Bombeiros de Goiás.

A família, em Monte Alegre (GO), nordeste do estado, está à procura dele desde o dia 22 de agosto, quando saiu de casa, por volta das 14h, com destino a Teresina de Goias e não foi mais visto.

A família está desesperada.

Se você puder ajudar ou trazer informação de alguma forma e ou ter visto o idoso, repasse as informações aos Bombeiros ou à Polícia Militar pelo 190.

Na oportunidade em que saiu de casa, Alpiniano Francisco trajava uma camisa de manga cumprida amarela e chapéu preto.

Radialista Zé Bettio, um dos maiores de todos os tempos, morre em São Paulo aos 92 anos





Morreu nesta segunda-feira (27) em São Paulo, aos 92 anos, o radialista Zé Bettio, um dos mais famosos comunicadores do rádio brasileiro.

Segundo informações da rádio CBN, Zé Bettio morreu enquanto dormia em casa no bairro Horto Florestal, na Zona Norte da capital.

O corpo do radialista foi enterrado às 16h da segunda no Cemitério do Horto Florestal, segundo funcionários do local.

José Bettio nasceu em Promissão, no interior de São Paulo, em 1926. Ele iniciou sua carreira artística como sanfoneiro e participou dos grupos “Sertanejos Alegres” e “Zé Bettio e seu conjunto”. 


Se tornou locutor por acaso ao assumir o microfone da rádio Difusora de Guarulhos para ler um anúncio. Agradou com seu jeito simples e coloquial e acabou sendo contratado.

Tornou-se muito conhecido em São Paulo na rádio Cometa. Na rádio Record, teve uma das maiores audiências das décadas de 1970 e 1980. 


Eternizou bordões como “acorda, joga água nele!”. Também lançou nomes importantes da música sertaneja como Milionário e José Rico.

Acampamento/Pescaria marca os 32 anos do Renascença Futebol Clube, em Campos Belos



 

Por Roberto Nabofarzan, 

E lá se vão trinta e dois anos desde que nos reunimos no Colégio Estadual Professora Ricarda para oficializar o nome do time, até então chamado de “time dos veteranos” ou “Time dos velhos”.

Na realidade, a maioria dos integrantes estavam na faixa entre os vinte e cinco a trinta anos, mas já deixávamos de participar dos campeonatos regionais pelos grandes times da época, Campos Belos, Misto e Juventude. 

A regra primeira para se integrar ao time era ter trinta anos ou oitenta quilos de peso, muitos passarão com louvo no fator peso.

Eleito o primeiro presidente, João Januário de Almeida apresentou o nome Renascença, que ele trazia de um grupo que frequentou no estado da Bahia, e foi prontamente aceito pela maioria.

Mandávamos nossos jogos no antigo campo do Mixto, no Setor Buritis, hoje tomado por residências. 

Nossas famílias assistiam as partidas e depois íamos bebemorarmos as vitórias ou derrotas, afinal o importante era mesmo a resenha.

A sede própria só veio anos depois, no início nos reuníamos na porta de uma Bar na Praça da Matriz, em frente ao Hotel Boa Sorte, que era de Dona Emília e depois passou a ser administrado pelo Cardoso, sogro de Elton Modesto. 

Mais tarde abri o Bar do Betão, que passou a ser nosso ponto de encontro e, quando mudei, ficou sendo a primeira sede oficial, na Avenida Campos Belos, na casa alugada de Seo Salatiel Assunção Costa.

Acima do nosso campo ainda era tudo mato, mas um senhor que não me recordo o nome, abriu um bar na frente de sua casa, nas proximidades de onde é hoje o Fórum. 

Havia uma enorme árvore, frondosa, sombra aconchegante. Selma Victor e a mãe de meus filhos, Sueli, levaram Cynthia e Átila, nossos primogênitos, para um passeio e descobriram o local. 

Foi ali a base para todos os acampamentos/pescarias que acontecem até hoje. A elas se juntaram outras mães e filhos, não vou citar nomes para não cometer a injustiça do esquecimento de uma ou outra.

Inicialmente íamos para o Rio Bezerra, próximo da Ponte, acima do Balneário, depois para o Bezerra Ponte, entre Arraias e Monte Alegre, depois as excursões para a Praia do Dominguinhos, em Paranã, e tudo caminhou até os dias de hoje, onde o Rancho do Grito, agora de propriedade do Dr. Zito e família, se tornou, há aproximadamente uma década, o local oficial do acampamento/pescaria do Renascença Futebol Clube.

É preciso ressaltar que nos acampamentos/pescarias no Rancho do Grito, realizados entre agosto/setembro de cada ano, apenas os homens participam, até a esposa do caseiro viaja. 

Evita dissabores entre casais e permite liberdade de vocabulário, um verdadeiro clube do Bolinha.

Há muito o que narrar sobre a amizade fraterna de nosso grupo nesses trinta e dois anos, a saudade dos que voltaram para junto do pai eterno, dos que se mudaram e não mais voltaram ao nosso Campos Belos de açúcar, os que mudaram de cidade mais não abandonam o grupo, como Eugênio Feitosa e eu; de nossa independência financeira, pois nunca dependemos de dinheiro público. 

Fazíamos o Carnaval de Salão e de rua, nos oitenta, com banda famosa contratada, pagávamos e ainda sobrava dinheiro para nossas viagens e farras.

Participávamos das barraquinhas juninas, promovíamos bailes com gente famosa da época, como Sula Miranda e outros, sempre com nossos atletas e famílias atuando como porteiro, bilheteiro, garçom, leiloeiro e tudo que fosse necessário para sobrar o lucro que garantia nossas viagens, acomodações, bebidas e etc.

Há um movimento, já configurado, para o retorno de alguns veteranos companheiros para a direção de nosso clube, visando a integração entre o novo e o experiente, no intuito de tornar nosso grupo cada vez mais forte e unido.

Estou coletando dados para fazer uma biografia mais ampla possível de nossa história. 

Por enquanto, apenas um preâmbulo para ilustrar o que foi o 30° Acampamento/Pescaria do Renascença no Rancho do Grito em 2018. Uma história de amor, amizade e respeito.

Demanda global por alimentos devora o Cerrado brasileiro




Por Jake Spring, da Reuters

Quando o fazendeiro Julimar Pansera adquiriu terras no interior do Brasil sete anos atrás, elas tinham árvores frutíferas, arbustos retorcidos e algumas palmeiras, destoando da típica vegetação rasteira do Cerrado.

Ele desmatou a maior parte da mata nativa, botou fogo no terreno e depois disso iniciou o cultivo de soja. Na última década, Pansera e outros na região já desmataram uma área maior que a Coreia do Sul.

Políticas permissivas de uso da terra e seu preço relativamente baixo ajudaram a catapultar o Brasil ao nível de potência agrícola, o maior exportador de soja, carne bovina e frango do mundo. 


O potencial do Cerrado também ofuscou o interesse de agricultores e pecuaristas pela região amazônica, cujo aumento do desmatamento provocou um clamor mundial por sua preservação.

A contrapartida para a desaceleração da destruição da renomada floresta tropical, que já atingia os piores níveis da história, foi, segundo ambientalistas, colocar em risco outra zona ecológica vital: o Cerrado, uma vasta savana que abriga 5 por cento das espécies do planeta.

O habitat perdeu mais de 105 mil quilômetros quadrados de mata nativa desde 2008, de acordo com dados do governo. O número representa 50 por cento a mais que o desmatamento visto no mesmo período na Amazônia, um bioma pelo menos três vezes maior. 

Considerando o tamanho relativo, o Cerrado desaparece quase quatro vezes mais rápido que a floresta amazônica.

O Cerrado, a maior savana da América do Sul, é um reservatório vital de dióxido de carbono, o gás do efeito estufa cujo aumento de emissões causadas pela queima de combustíveis fósseis e pelo desmatamento contribui para o aquecimento da atmosfera terrestre.

Autoridades brasileiras citaram a proteção da vegetação nativa como uma medida crítica para o cumprimento das obrigações do Acordo de Mudanças Climáticas de Paris. Mas cientistas alertam que o bioma atingiu um ponto de inflexão que pode dificultar os esforços do governo e piorar o aquecimento global.

Ao focar na resolução de um problema, o Brasil acabou criando outro, diz Ane Alencar, diretora científica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia, o IPAM.

“Tem um risco climático alto para essa expansão”, disse Ane.

“Esse processo do limitar, de chamar atenção para o desmatamento na Amazônia, fez a indústria do agronegócio se sentir forçada a expandir para o Cerrado.”

O peso já pode ser sentido nos recursos hídricos da região. Rios e nascentes estão se enchendo de sedimentos e secando, conforme a vegetação em torno deles desaparece.

Isso por sua vez acaba enfraquecendo as cabeceiras de rios vitais que correm para o resto do país, dizem cientistas. Entre aqueles em perigo está o São Francisco, o mais longo do Brasil fora da região amazônica, onde os níveis estão atingindo mínimas históricas na temporada da seca.

“A retirada da vegetação pode levar um corpo hídrico à extinção”, disse Liliana Pena Naval, que é professora de engenharia ambiental na Universidade Federal do Tocantins.

A vida selvagem também está ameaçada, incluindo as raras araras azuis, lobos-guará e onças, que tem o Cerrado como sua casa. 

Também estão a perigo milhares de espécies de plantas, peixes, insetos e outras criaturas que não são encontradas em nenhum outro local do planeta, muitas das quais estão apenas começando a ser estudadas.

“Eu comparo muito com o que representou o incêndio da biblioteca de Alexandria da antiguidade”, diz Mercedes Bustamante, ecologista da Universidade de Brasília. 

“Toda vez que você queima e destrói o Cerrado você está perdendo um acumulo de informação evolutiva de milhares de anos que não vai poder ser mais recuperada.”

Fazendeiros enxergam o desenvolvimento do Cerrado como crítico para a segurança alimentar global, e para manter a prosperidade do país. O setor agrícola cresceu impressionantes 13 por cento no ano de 2017, enquanto a economia como um todo quase não se mexeu.

A habilidade para produzir continuadamente novas terras agrícolas de maneira barata deu ao país uma vantagem sobre seus principais rivais, e consolidou seu status como um fornecedor vital de alimentos para o mundo.

“Você imaginou, se não fosse o Brasil, com essa produção que tem, quanto mais fome teria?”, disse o produtor Pansera.

REVOLUÇÃO VERDE

Do tamanho aproximado do México, cortando o meio-oeste brasileiro a partir da fronteira com o Paraguai e se esticando em direção ao litoral do Nordeste, o Cerrado já viu praticamente a metade de suas matas nativas serem convertidas em fazendas, pastos e áreas urbanas nos últimos 50 anos.

O desmatamento na região entrou em desaceleração desde os anos 2000, quando o boom da soja no Brasil ganhava embalo. Ainda assim, fazendeiros continuam a abrir novas áreas do bioma para cultivos, impulsionados em grande parte pela demanda chinesa por grãos e carnes brasileiros.

O gigante asiático é o principal comprador de soja do Brasil para a engorda de sua produção de suínos e frangos. 

A China também é uma grande compradora de carne de porco, bovina e de aves para satisfazer as exigências de um mercado consumidor cada vez mais crescente.

O aumento das tensões comerciais entre a China e os Estados Unidos apenas aprofundou essa conexão. As exportações de soja do Brasil para a China subiram 18 por cento em valor nos primeiros sete meses do ano, enquanto compradores chineses cancelaram dezenas de milhões de dólares em contratos com fornecedores norte-americanos.

A tendência é um bom presságio para os produtores na região de fronteira agrícola do Matopiba, nome que inclui as abreviações dos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, onde a terra é relativamente barata.

Terras intocadas podem ser adquiridas na região por um preço de 248 dólares por acre em média, de acordo com a consultoria de agronegócio Informa Economics IEG FNP, em comparação com a média de 3.080 dólares por acre de terra já desmatada nos Estados Unidos. O plantio de soja no Matopiba mais que dobrou na última década.

Pansera, de 50 anos, é parte de uma onda de empreendedores do Sul do Brasil que estão redesenhando a região. Sua educação formal parou no ensino fundamental, mas ele encontrou terra o bastante para atender suas grandes ambições.

Ele agora comanda cerca de 49 quilômetros quadrados de campos de soja cultivados e têm cerca de 20 funcionários fixos em sua folha de pagamento.

A soja de Pansera trará um lucro estimado de cerca de 5 milhões de reais neste ano, valor que será em grande parte reinvestido na fazenda.

Políticas governamentais impulsionaram intencionalmente a agricultura em escala industrial na região. 

Com escassez de terras para alimentar sua população crescente nos anos 1970, o Brasil focou em sua vasta savana, uma região batizada pelos primeiros exploradores como “Cerrado”, ou “fechado”, por causa de sua vegetação entrelaçada.

Pesquisadores estatais da área agrícola desenvolveram fertilizantes e outros insumos para aprimorar o solo ácido e pobre em nutrientes e criaram variedades de soja que prosperavam nos trópicos.

Assim, a oferta de terra arável explodiu. Em uma década, o Brasil passou de importador de alimentos para exportador líquido chegando à década de 1990 com um peso importante nos mercados internacionais de commodities.

“Agricultura no Cerrado para a gente tem isso, fez com que o Brasil mudasse de patamar”, afirmou o ministro Blairo Maggi à Reuters.

Chamado por um tempo de “Rei da Soja”, Maggi é um bilionário cuja família comanda uma das maiores operações privadas de soja no mundo, a maior parte dela no Cerrado.

O ministro diz que os produtores respeitam os limites permitidos legalmente no desmatamento. A ocupação “racional” do Cerrado ajudou a economia do Brasil, afirma ele.

Fazendeiros emergiram como uma poderosa força política dedicada a manter o interior do país aberto para negócio.

Parlamentares da chamada “bancada ruralista”, que compõe mais de 40 por cento do Congresso brasileiro, lideraram nos últimos anos uma reversão nas leis ambientais do país.

Entre os esforços esteve o abrandamento do Código Florestal de 2012, que estabeleceu os requisitos de preservação de vegetação nativa. A mudança reduziu a possibilidade de multas e sanções para fazendeiros, pecuaristas e madeireiros acusados de desmatamentos ilegais no passado, e facilitou que proprietários de terras pudessem desmatar mais de suas propriedades.

O desmatamento anual na Amazônia no ano passado apresentou alta de 52 por cento ante uma mínima histórica de 2012.

Ainda assim, as proteções ambientais na Amazônia permanecem sendo as mais robustas do Brasil. Fazendeiros da região devem, por lei, preservar 80 por cento de mata nativa em suas terras.

Compradores mundiais de grãos em 2006 também concordaram em parar de comprar soja colhida de novos territórios desmatados nas áreas do bioma amazônico. Como parte de suas obrigações sob o Acordo de Paris, o governo prometeu eliminar o desmatamento ilegal na Amazônia até 2030.

O Brasil não teve a mesma iniciativa para preservar o Cerrado, que há muito é visto como um recurso a ser desenvolvido.

É exigido que produtores do Cerrado preservem 20 por cento de mata nativa, chegando a 35 por cento em áreas próximas à Amazônia.

Os que não maximizarem o uso de suas extensões correm o risco de terem suas terras declaradas ociosas e sujeitas à redistribuição sob o programa de reforma agrária lançado em 1980, iniciativa destinada a assistir as populações rurais de baixa renda, afirma Evilson Nunes Ramos, coordenador de sustentabilidade do Ministério da Agricultura.

“A ideia que passa para o produtor é que ele não deveria ter preservado, que ele deveria ter desmatado”, diz Ramos sobre a diretriz.

Um porta-voz do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, o Incra, que verifica o uso das terras rurais, diz que o trabalho da agência é garantir “o cumprimento da função social da propriedade”.

ÁGUA E VIDA SELVAGEM AMEAÇADAS

Ambientalistas dizem que as planícies cobertas de mata do Cerrado não capturam a atenção do público da mesma maneira que a exuberante floresta amazônica o faz.

As pessoas veem o Cerrado “como só um mato, só uma vegetação torta e arbustiva”, lamenta Ane, do IPAM.

O que muitos não veem, diz, é a conexão entre a carne presente em seus pratos, alimentada pela soja cultivada também aqui, e o declínio de um dos maiores depósitos de carbono do mundo, um baluarte contra o aquecimento global.

As plantas aqui enviam suas raízes para o fundo da terra, para sobreviver às secas sazonais e incêndios florestais, criando uma vasta rede subterrânea que alguns classificam como uma floresta de cabeça para baixo.

A destruição da vegetação da superfície e a consequente morte da vida abaixo da terra liberaram 248 milhões de toneladas de gases de efeito estufa para a atmosfera em 2016, de acordo com estimativas do Observatório do Clima, um grupo ambientalista brasileiro. Isso corresponde a duas vezes e meia a quantidade anual de gases emitidos por todos os carros no país.

As bacias hidrográficas também estão sentindo o efeito.

Em Palmeirante, uma municipalidade rural no Estado do Tocantins, Ronivon Matias de Andrade, que cultiva apenas para sua subsistência, culpa os mega produtores por danificarem uma fonte de água da comunidade.

Vestido com bermudas desbotadas e chinelos, ele mostrava a um visitante os restos do que até recentemente era uma mata cheia de sombra: árvores desenraizadas e terra marcada por trilhos formados por maquinário pesado.

Despida de sua vegetação, o solo arenoso da superfície está invadindo um riacho e adentrando um poço de água doce que abastecia a sua e outras famílias de região. Ele encheu uma mão com a água escura e suja para mostrar.

“Quantos estão acabando desta maneira só neste Estado aqui?”, disse Andrade, de 43 anos.

Ambientalistas dizem que riachos desaparecendo como em Palmeirante ameaçam o abastecimento do país. Nascentes aparentemente insignificantes —pequenos córregos, riachos sem nome— são vitais para afluentes que alimentam alguns dos maiores rios brasileiros.

De doze dos maiores sistemas hídricos do país, oito nascem no Cerrado. Eles incluem o São Francisco, o quarto maior rio do país, uma vez famoso pela navegação de barcos com rodas de pás, conhecidos como gaiolas.

Ambientalistas dizem que desvios artificiais, incluindo represas agrícolas e hidrelétricas, ajudaram a alterar os níveis de água a tal ponto que grandes partes do rio são agora inavegáveis durante a temporada de seca.

A perda de vegetação nativa também está alterando o microclima da região, dizem ambientalistas. A vegetação reduzida leva a maiores temperaturas terrestres e à perda de umidade, uma receita perfeita para a diminuição da chuva em consequência.

Um estudo conduzido pela Universidade de Brasília associa o desmatamento a uma queda de 8,4 por cento nas precipitações entre 1977 e 2010 no Cerrado.

A vida selvagem do Cerrado também é pressionada enquanto seu habitat encolhe. Mais de 300 espécies que vivem nele são consideradas ameaçadas de extinção, de acordo com o governo.

Entre elas há 44 tipos de “peixes anuais” exclusivos ao Cerrado, cujas vidas curtas se iniciam com as chuvas da primavera e terminam com o calor do verão. Cientistas suspeitam que a predominância das estações de seca poderiam estar interrompendo seus delicados ciclos de reprodução.

Outras criaturas, incluindo as emas, entrarão em breve na lista de espécies ameaçadas se nada for feito para reverter este quadro, diz Ricardo Machado, um professor de zoologia na Universidade de Brasília.

Ele diz que os números de pássaros despencaram devido à perda de mata nativa necessária para o acasalamento e o aninhamento das espécies.

Machado teme que plantas únicas do Cerrado, insetos e outros animais possam desaparecer antes que cientistas tenham a oportunidade de sequer identificá-los, quanto mais estudá-los.

“É um universo a ser descoberto”, diz Machado. “Toda atenção é voltada à Amazônia, ninguém fala pelo Cerrado.”

RÉDEAS NO ‘BOOM’ DA SOJA

Mas isso está começando a mudar.

Dezenas de grupos, incluindo o Greenpeace, a World Wildlife Foundation (WWF) e o grupo de pesquisas brasileiro IPAM começaram a promover a proteção do bioma para grandes multinacionais.

Em um documento chamado de Cerrado Manifesto, eles pediram ações imediatas para impedir o desmatamento na região.

Mais de 60 empresas, incluindo McDonalds, Unilever e Walmart, já assinaram o documento até agora. As companhias concordaram em apoiar medidas que eliminariam a perda de vegetação nativa no Cerrado de suas cadeias produtivas.

Mas, em contraste com a moratória de soja da Amazônia de 2006, o Cerrado Manifesto não exigiu o comprometimento de seus signatários na suspensão das compras de produtos agrícolas egressos de áreas recentemente desmatadas.

O Walmart e a Unilever dizem estar comprometidos a atingirem zero de desmatamento líquido em suas cadeias produtivas até 2020, o que significa que qualquer destruição em uma região seria compensada por reflorestamento de mata similar em algum outro lugar.

O Walmart diz que todos os seus fornecedores de carne bovina no Cerrado são monitorados para garantir que não contribuam com o desmatamento na região. O McDonalds não respondeu ao questionamento.

Separadamente, Louis Dreyfus Company, com sede na Holanda, tornou-se em junho a primeira grande trading de commodities a se comprometer a não comprar mais soja de novas terras desmatadas especificamente no Cerrado.

A companhia não ofereceu nenhum cronograma, mas disse que trabalharia para estabelecer “uma data limite realista” para eliminar tais produtos de sua cadeia.

O ex-ministro do Meio-Ambiente brasileiro José Sarney Filho, que recentemente deixou o cargo para concorrer ao Senado, propôs um esforço internacional para compensar proprietários de terras pela preservação de seu habitat natural.

Ele levantou a questão na última Conferência do Clima na Alemanha, em novembro passado, mas a iniciativa ainda não atraiu grandes apoiadores.

Enquanto isso, o fazendeiro Pansera enxerga um grande caminho à frente para seu pedaço de terra no Cerrado.

Supervisionando sua colheita no início do ano, Pansera assistiu a duas colheitadeiras passando por fileiras e fileiras de soja. As máquinas retiravam os grãos, cuspindo-os em caminhões vazios que as acompanhavam para receber o produto.

Ele diz que não há futuro sem o crescimento, e que a região fronteiriça de Matopiba está apenas começando. O agricultor tem o plano de plantar um total adicional de 180 hectares de soja na próxima safra, em terras recentemente limpas de mata nativa.

“As áreas que têm ainda potencial para abrir são grandes”, diz Pansera. “Vai ser um dos grandes polos do Brasil na Agricultura.”


Fonte e texto: Reuters

segunda-feira, 27 de agosto de 2018

A primeira Miss Goiás: A beleza de Lina, que casou-se com um fazendeiro de Arraias (TO)




Pesquisas históricas do confra­de Pedro Nolasco de Araújo, no Instituto Histórico e Geo­gráfico de Goiás apontam que a pri­meira miss Goiás foi Celina dos Reis Gonçalves, vencedora de um “Con­curso de Belleza, graça e elegância”, realizado na Cidade de Goiás, em 21 de março de 1909. 

A nossa primeira miss era irmã do exímio intelectual e parlamentar, Vasco dos Reis Gonçal­ves e do farmacêutico, Pardal do Reis Gonçalves, primeiro a abrir uma far­mácia na nascente Goiânia e cunha­da do poeta Léo Lynce.

Que a beleza da mulher goiana tem passado, presente e futuro as­segurado não resta nenhuma dú­vida. 

De volta esse passado, dois anos após Zezé Leone ser eleita em São Paulo, a senhorinha mais bela do país, nascia Cirilina de Car­valho (conhecida como Lina), em Barro Preto, atual cidade de Trin­dade, na sua zona rural, na fazen­da Buena, no dia 2 de outubro de 1922, filha de Aleixo Antônio Alves e Narcisa Maria de Jesus.

Era considerada, na sua época, uma das moças mais bonitas da re­gião, ainda portadora de farta mei­guice e muita serenidade. Seu genitor foi um dos pioneiros da introdução da raça Gir, no estado de Goiás, trazendo exemplares de Minas Gerais.

O livro Alameda dos Buritis, Moradores pioneiros, décadas de 1940 e 1950, escrito a quatro mãos, pela filha de Lina e pelo desembargador-escritor, Rogério Arédio Ferreira conta que

Lina descende das famílias Cân­dido de Queiroz e Alves de Carvalho, de tradicionais troncos mineiros, da região de São Gotardo e Carmo do Paranaíba, vieram para Goiás de car­ro de boi, motivados pela fé no Divi­no Pai Eterno, e na notícia da desco­berta do medalhão encontrado pelo casal Constantino Xavier e Ana Rosa. 

Ambos de São Gotardo, e com vín­culos familiares com Cirilina.

Antônio Cândido de Queiroz, avô materno de Lina, foi um dos fundadores de Aragoiânia (GO), localizada na grande Goiânia, na região dos Dourados. 

Dono da ser­raria, nos Dourados, onde ainda existe um casarão e vestígios da iluminação elétrica utilizada para funcionamento da mesma, a qual forneceu toras de madeira, através de carros de boi, para a construção do Palácio das Esmeraldas.

José Cândido de Queiroz, tio-avô materno, foi fundador de Aparecida de Goiânia. Lucindo José Ribeiro, seu bisavô paterno, foi um dos fundado­res de Campinas, doando a primeira Igreja Matriz para os padres, e a área para a construção do Colégio San­ta Clara para as freiras franciscanas.

Aos 20 anos, os olhos cor de mel e toda a beleza esparramada pelo cor­po e alma de Lina motivaram o Sr. Cori, dentista de Trindade que, agin­do como cupido apresentou Lina e sua família ao seu colega dentista, An­tero Batista de Abreu Cordeiro (Doca), fazendeiro, de Arraias, antigo Norte­-Goiano, atual estado do Tocantins.

Deu certo o intento. Casaram-se em cerimônia realizada pelo padre Pelágio, na Igreja Matriz de Trinda­de, no dia 15 de setembro de 1943.

Residiram na Alameda dos Bu­ritis, Goiânia, entre as ruas 12 e 26, casaconstruídaporAntero, em1944.

Viveram juntos por 67 anos, fi­cando viúva de Doca, em 2010, pres­tes a completar 103 anos. 

Uma vida longa, que muito se deve aos cui­dados de Lina. Hoje, aos 95 anos, mantenedora de sua especial bele­za, desfruta de uma vida saudável e tranquila com seus familiares.

A beleza de Lina foi generosa­mente cedida as suas gerações, mantendo-se viva na sua neta, Ana Carolina D`Abreu Carvalho Pires e na sua bisneta, Vanessa Ferreira Pires, portadoras incontestes dos seus genes formosos que moldu­ram a mulher goiana.

Fonte: Uma publicação do Diário da Manhã

Polícia de Natividade (TO) endurece contra adolescentes envolvidos com tráfico



A Polícia Civil do Estado Tocantins, por intermédio da Delegacia de Chapada da Natividade, em conjunto com a Polícia Militar sob o Comando de Dianópolis e juntamente com a equipe da Delegacia de Polícia de Conceição do Tocantins, sob o comando da Delegada Melicia Resende Rocha Ganzaroli de Ávila, desencadeou na tarde da sexta-feira (24) a Operação Cronos "Turistano", em repressão ao tráfico de drogas em Natividade-TO, nos principais pontos turísticos do município. 

Durante a Operação, a equipe da Polícia Militar localizou um grupo de cerca de quatro pessoas, sendo três adolescentes, com idades entre 13 e 16 anos, e um adulto, em atitude suspeita nas proximidades da praça da Igreja em Ruínas, no centro histórico e turístico de Natividade-TO.

Durante as abordagens, as equipes constaram que os adolescentes e o adulto estavam consumindo bebidas alcoólicas, enquanto os policiais realizavam buscas pessoais nos suspeitos.

Na busca, o homem adulto tentou fugir, correndo por uma residência.

Nesta mesma casa, os policiais encontraram, dentro de um dos quartos da residência, seis papelotes maconha, dinheiro, caderno com anotações de contabilidade quatro aparelhos celulares. 

Após o flagrante, todos foram levados para a delegacia e autuados. 

Nota de Esclarecimento: Cobrança proibida


"Em relação à matéria veiculada pelo Blog Dinomar Miranda sobre prisão de presidente da Associação Quilombola suspeito de cobrar valores indevidos por benefícios sociais, a Agência Goiana de Habitação (Agehab) esclarece que a cobrança de taxas de filiações e mensalidades por parte de entidades sociais conveniadas, em hipótese alguma, está vinculada à concessão de benefício habitacional pela Agência. 

Os cadastros feitos pela Agência e entidades conveniadas são gratuitos, sendo expressamente proibida a cobrança de qualquer tipo de taxa. 

No caso de Niquelândia, assim que a denúncia chegou à Ouvidoria da Agehab foi instaurado processo para apuração e determinada a suspensão imediata de repasse de recursos do convênio à referida entidade. 

A Agehab alerta e orienta a população a denunciar qualquer caso suspeito à sua Ouvidoria pelo telefone (62) 3096-5049, pelo e-mail ouvidoria@agehab.go.gov.br ou diretamente na sede da Agência, situada na Rua 18-A, nº 541, Setor Aeroporto (esquina com a Avenida República do Líbano), em Goiânia, além do Ministério Público."

domingo, 26 de agosto de 2018

Urgente: família e Bombeiros procuram idoso desaparecido após viagem entre Monte Alegre e Teresina de Goiás



O Corpo de Bombeiros de Goiás, em Campos Belos, nordeste do estado, está à procura de um idoso, morador da cidade Monte Alegre de Goiás.

Alpiniano Francisco de Carvalho, 83 anos, saiu de casa no último dia 22 de agosto (quarta), por volta das 14h, com destino a Teresina de Goias e não foi mais visto.

A família está desesperada e à procura do idoso.

Militares do Corpo de Bombeiros do canil de Luziânia (GO) está indo à região também para ajudar nas buscas.

Se você puder ajudar ou trazer informação de alguma forma e ou ter visto o idoso, repasse as informações aos Bombeiros ou à Polícia Militar pelo 190.

Na oportunidade em que saiu de casa, Alpiniano Francisco trajava uma camisa de manga cumprida amarela e chapéu preto.