sábado, 5 de maio de 2018

Feminicídio em Brasília: PM que matou ex-namorada no DF está na Papuda


O policial militar Ronan Menezes Rego, identificado por testemunhas como autor dos cinco tiros disparados conta Jessyka Lainara, ex-namorada dele, morta dentro de casa na tarde desta sexta-feira (4), em Ceilândia, no Distrito Federal, está preso na Penitenciária da Papuda.

Rego se apresentou por volta das 22h de sexta, juntamente com a advogada, no Batalhão da PM de Ceilândia. 

De acordo com a Polícia Militar, ele foi levado à delegacia da cidade onde foi preso e conduzido, em flagrante, para o 19º Batalhão que fica no Complexo da Papuda. Conhecido como "Papudinha" o local abriga policiais que cometeram crimes.

Jessyka Lainara, de 25 anos, segundo a família, foi morta por ciúmes. O soldado não aceitava o fim do relacionamento. 

O PM, que tinha acesso à casa onde a jovem morava, entrou no imóvel durante a tarde de sexta-feira, foi até o quarto da ex-namorada – ignorando a presença da mãe, da avó e dos irmãos da vítima – e atirou contra ela.

Depois, conforme testemunhas, o policial foi até a academia frequentada por Jessyka e atirou no professor Pedro Henrique Torres que foi levado em estado grave para o Hospital Regional de Ceilândia (HRC). 


Torres, que passou por uma cirurgia ainda na sexta-feira, continua internado na UTI.


O pai do rapaz, Pedro Torres, é dono da academia onde o filho foi baleado. Segundo ele, o professor conhecido como "Pedrinho" e Jessyka estavam flertando há cerca de um mês – quando ela e o PM Ronan Menezes Rego já haviam se separado.


Jessyka pediu ajuda


Jéssika era estudante e, conforme a família, havia passado recentemente em um concurso. 


Logo após o assassinato, uma amiga dela disse ao G1 que a jovem temia pela própria vida há pelo menos duas semanas.


O namoro de Jessyka e Ronan começou quando ela tinha 13 anos. A família conta que eles chegaram a ficar noivos em 2012, mas o relacionamento terminou porque o PM era "excessivamente ciumento".


Um primo da estudante, Leonardo Silva, afirmou ao G1 que as brigas eram frequentes e a família tinha medo do policial.


Elaine Maria, tia de Jessyka afirma que, no mês passado, o PM protagonizou uma briga com a sobrinha, e chegou a invadir a casa dela durante a madrugada. Segundo ela, não foi o primeiro caso de feminicídio na família.


O soldado da Polícia Militar Ronan Menezes, lotado no Grupo Tático Operacional (GTop) do 10º Batalhão de Ceilândia, matou a ex-namorada com cinco tiros, por volta das 14h, na QNO 15. Jéssyka Lainara Silva, de 25 anos, morreu ainda no local.

Após o crime, o militar seguiu para uma academia na EQNO 2/4, onde efetuou três disparos contra um professor. A vítima, identificada como Pedro Henrique da Silva Torres, de 29 anos, foi atingido no peito, na mão e na perna.

O professor foi socorrido e encaminhado ao Hospital Regional de Ceilândia.


Fonte: G1 e Jornal de Brasília

2 comentários:

  1. Como? Na mesma reportagem vc afirma que o rapaz baleado passou por cirurgia e continua internado na UTI e mais abaixo diz que ele foi levado ao hospital mas não resistiu aos ferimentos? Matéria mal feita!

    ResponderExcluir
  2. Sr anônimo acima!! Me diz onde está escrito que o jovem não resistiu aos ferimentos? Pq eu não achei!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.