Banner 1

Banner 1

domingo, 22 de abril de 2018

Operação Caifás: Ministério Público investiga mais um imóvel de padre




Dois dias após o Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO) conceder liberdade aos cinco religiosos acusados de participar de um suposto esquema de desvios da Dioceses de Formosa (GO), o Ministério Público de Goiás (MPGO) encontrou mais um imóvel vinculado a um dos padres alvo da Operação Caifás, deflagrada em 19 de março. 

Uma escritura no nome de Waldson José de Melo, pároco da Paróquia Sagrada Família, em Posse (GO), mostra a compra de um apartamento de R$ 218 mil em Goiânia, em 2012.

A escritura em poder do MPGO foi emitida no Cartório Francisco Taveira, em Goiânia, que confirmou ao Correio a veracidade do documento. 

Esse imóvel se juntará à lista dos itens sob investigação. Promotores e policiais civis comprovaram a aquisição de uma fazenda, em Formosa, e de uma agência lotérica, em Posse, por dois dos religiosos acusados de participação no desvio de dinheiro das doações e das taxas pagas por fiéis. 

Os investigadores ainda não analisaram a procedência dos 160 veículos vinculados à Diocese de Formosa, responsável por 33 paróquias do Entorno do DF. 

Os promotores afirmam terem sido desviados mais de R$ 2 milhões nos últimos dois anos.

Na casa do monsenhor Epitácio Cardozo Pereira, vigário-geral da Diocese de Formosa, os investigadores encontraram um fundo falso com dinheiro. 

Os agentes apreenderam R$ 156 mil em espécie, sendo R$ 8 mil em moeda estrangeira. Ainda no imóvel, os policiais recolheram aparelhos eletrônicos e uma coleção de relógios de grife. 

Os promotores dizem ter encontrado notas promissórias no nome do padre Moacyr Santana, que o ligariam à lotérica de Posse, avaliada em R$ 500 mil. 

O estabelecimento estava no nome de dois laranjas, Pedro Henrique Costa Augusto e Antônio Rubens Ribeiro, mas a documentação estava no nome do padre, segundo o MPGO. 

Os promotores também encontraram um relatório contábil de 2015. O livro contábil fechou com deficit de R$ 200 mil.

Onze são os acusadas: o bispo, o vigário-geral, os padres Moacyr, Waldson, Mário Vieira de Brito e Tiago Wenceslau; os empresários Antônio e Pedro; o secretário da Cúria de Formosa, Guilherme Frederico Magalhães; um funcionário da Diocese de Formosa, Darcivan da Conceição Sarracena; e o advogado da Diocese, Edimundo da Silva Borges Junior.

Investigação

Um dos promotores à frente do caso, Douglas Chegury diz que os próximos passos são identificar se os automóveis foram vendidos, quem os comprou e para onde foi o dinheiro. 

Os investigadores aguardam a análise técnica dos aparelhos apreendidos e encaminhados à Goiânia. “Foram encontrados 52 equipamentos, entre computadores, pendrives e outros dispositivos de armazenamento. Eles, com certeza, esclarecerão muitas questões”, reforça Chegury.

A reportagem entrou em contato com a advogada do padre Waldson, Bruna Opa, que afirmou não ter conversado com o sacerdote sobre o assunto. Ela não deu retorno até a noite de ontem. 

Douglas Chegury diz não ter sido oficialmente notificado sobre a concessão do habeas corpus dos acusados. “Quando tivermos a decisão em mão, vamos analisar e verificar os termos, avaliar se cabe recurso e se vamos acatar a decisão da forma que está”, afirmou.

Fonte: CorreioWeb


Nenhum comentário:

Postar um comentário