segunda-feira, 16 de abril de 2018

Comunidade Canabrava pede socorro, afirma leitor





"Senhor Dinomar Miranda, tendo conhecimento da credibilidade que tem seu blog com relação à fidedignidade das noticias veiculadas, pedimos a gentileza de postar em seu blog a nossa solicitação :

Comunidade Canabrava e regiões pedem socorro!

As comunidades da região de Cana Brava têm enfrentado dificuldade em transitar para a cidade devido ao trecho da Ladeira do Santana, por estar intransitável devido às erosões, que ocasionaram muitos buracos e pedras expostas, correndo o risco de causar sérios acidentes, além do desgaste nos carros. 


Em virtude de já termos comunicado às autoridades municipais a necessidade de manutenção no trecho e não termos obtido retorno, buscamos esse veiculo de comunicação como forma de pedir socorro para este problema. 

Sabemos que o trecho faz parte da responsabilidade do estado, mas contamos com o bom senso dos nossos representantes da região em tomar a iniciativa de providenciar a manutenção do trecho supra citado.

Observando que os trechos mais perigosos estão numa curva."

3 comentários:

  1. situação si encontra critica ,si os representantes deste município dependesse de trafegarem por está via logo eles arrumariam , como não si passa pela situação perecemos , eita Brasil.

    ResponderExcluir
  2. O meu filho estuda na cana brava,mais ja faz um mês que não vai a escola por causa das estradas que está em péssima condições por causa da chuva e a van escolar não está vindo buscar.São 6 crianças das fazendas Alves e Guarani que pedem ajuda.

    ResponderExcluir
  3. Se os pais não manda os filhos para escola o Conselho Tutelar, MP e juiz caí em cima com ameaça de prisão. E quando os filhos não vão por omissão de um prefeito? Poderia entes citado acima ameaçarem o prefeito de prisão. Isso acontece há tempos nessa região.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.