segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Câmara de Vereadores de Campos Belos (GO) aprecia veto no dia 5 de fevereiro



Os onze vereadores de Campos Belos, nordeste de Goiás, têm uma grande responsabilidade, assim que terminar o recesso parlamentar, no início de fevereiro. 

O presidente da Casa, vereador Juranda, marcou para o próximo dia 5 de fevereiro, às 20h, a sessão legislativa que vai apreciar o veto do prefeito Eduardo Terra ao PL 04/2017, que dispõe sobre a proibição do nepotismo no município. 

Terra vetou o PL arguindo inconstitucionalidade; que ele deveria ter saído da prefeitura (Poder Executivo) e não por iniciativa de um membro do parlamento (Poder Legislativo). 

O PL foi aprovado na Câmara por maioria. 

Se essa mesma maioria manter posição, o veto será derrubado e a lei entra em vigor imediatamente, após promulgação obrigatória do prefeito. 

A regra está no parágrafo 4º, do artigo 40, da Lei Orgânica do Município (Acesse a íntegra da Lei)

"§ 4º - O veto será apreciado dentro de trinta dias a contar de seu
recebimento, só podendo ser rejeitado pelo voto da maioria absoluta dos Vereadores, em escrutínio secreto.N.R

§ 5º - Esgotado, sem deliberação, o prazo estabelecido no § 4º, o veto será colocado na ordem do dia da sessão imediata, sobrestadas as demais proposições até sua votação final. N.R.

§ 6º - Se o veto não for mantido, o projeto será enviado ao Prefeito para promulgação. N.R."

Até o dia 5, muitas águas vão rolar. 

No dia, vereador pode estar viajando; justificar ausência, estar de licença de saúde, se ausentar de qualquer forma. 

O quorum para derrubar o veto é maioria absoluta, ou seja, metade dos vereadores + um. 

É aguardar.  

Um comentário:

  1. Já é hora de saber se esses vereadores estão nos representando ou buscando interesses próprios. Campos Belos precisa avançar.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.