Banner 1

Banner 1

domingo, 3 de dezembro de 2017

Bombeiro do DF furta viatura do quartel para jogá-la no Congresso Nacional. Foi detido após percorrer 30 km, já na Esplanada



Um sargento do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal de 44 anos roubou uma viatura do quartel e tinha a intenção de atirá-la no Congresso Nacional. 

Ele foi preso, na madrugada deste domingo (3).

O carro foi interceptado perto da Catedral de Brasília, no início da Esplanada dos Ministérios. Ninguém ficou ferido.

No início da manhã, militares dos Bombeiros e da Polícia Militar informaram que o homem aparentava estar "em surto aparente", e gritava que "não iria parar" no rádio comunicador do carro.
Até as 10h30, as forças de segurança do DF não comentavam essas duas informações. 

"Equipe de ROTAM juntamente com Patamo, evitam atentado Terrorista, carro de Bombeiros é furtado por Bombeiros que se dizia mulçumano e desejava colidir veículo contra o Congresso Nacional e pessoas pelas Esplanada dos Ministérios, tentando causar imensa quantidade de mortes", publicou um policial militar numa rede social. 

Até as 11h, a Polícia Civil confirmava apenas que o homem era do Corpo de Bombeiros e que, após a prisão, foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para "exame clínico".

O carro foi retirado sem autorização de um quartel em Ceilância, e percorreu quase 30 quilômetros até chegar à Esplanada dos Ministérios. Segundo a PM, o bombeiro militar recusou várias ordens de parada, informadas pelo rádio do próprio veículo e por carros que acompanharam o trajeto.

Ainda de acordo com a PM, viaturas das duas corporações seguiram o carro roubado pela via Estrutural para "balizar" o trajeto e evitar acidentes, até que o carro parasse. 

Já na Esplanada, tiros foram disparados contra os pneus do veículo, até que ele não conseguisse mais continuar a fuga.

O homem foi detido e encaminhado a outro quartel do Corpo de Bombeiros, onde recebeu voz de prisão. Até as 10h30, os dados desse suspeito e a motivação dele para o roubo do carro não tinham sido divulgadas por nenhum órgão ligado ao governo do DF.

Com informações do Metrópoles 






Nenhum comentário:

Postar um comentário