Banner 1

Banner 1

quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Privatização do Rio Azuis: Nota Pública de Esclarecimento sobre cobrança de taxa de R$ 10



A AMAA (Associação de Moradores de Amigos de Azuis) fez uma reunião no dia 01-11-2017, para tratar de vários assuntos, dentre eles em relação a cobrança que está sendo feita de 10 reais na nascente. 

Por votos da grande maioria dos presentes decidimos que não compactuamos com essa cobrança, pois ela não tem caráter de preservação e conservação ambiental, nem de bem comum, apenas beneficio para o proprietário do terreno. 

Não foi planejada coletivamente e conversada anteriormente na associação, nem foi avisada previamente aos visitantes e por ser em um momento crítico de regularização do Rio Azuis. 

Estamos sofrendo ações do ministério público e Naturatins de ajustamento de conduta, e teremos que apresentar um projeto de recuperação ambiental de áreas degradadas, licença de outorgas d'água para fins comerciais, licenciamento turístico do uso do balneário, manejo dos impactos ambientais. 

Estamos fazendo em conjunto com um engenheiro ambiental e um advogado. 

Essas intervenções dos órgãos ambientais são necessárias e positivas pois o Rio Azuis já tem 70 anos de ocupação, e as construções, a pavimentação e o turismo chegaram primeiro que as normas de proteção ambiental, o que já modificou profundamente o ambiente natural, e o mais importante é garantir que o Rio Azuis continue existindo para as futuras gerações. 

Quanto a cobrança dos 5 reais por carro do estacionamento, ela foi necessária por que não tinha área pública pra fazer um estacionamento, e está proibido o tráfego de veículos em cima do Rio Azuis em cumprimento ao acordo da PTM Nº393-2017, pois o tráfego intenso e estacionamento nesse perímetro estava impactando e acarretando sérios riscos ao rio. 

E o dono do estacionamento esta doando parte do dinheiro arrecadado para a associação investir em conservação ambiental.

Vamos continuar tentando entrar em consenso para beneficiar a preservação do Rio Azuis, o bem comum dos moradores e a satisfação dos visitantes. 

É importante conciliar esses fatores para que as pessoas continuem visitando esse rio que é um patrimônio natural do Tocantins. 

Temos que unir comunidade, sociedade e estado em prol da conservação e de um planejamento de turismo sustentável.

A AMAA vai informar publicamente as demais mudanças sobre esse e outros assuntos.

10 comentários:

  1. Em relação a cobrança do estacionamento, á primeira vista é correto, em questão dos 10 reais deveria ser a multa por pessoa que deixa lixo no local ou leve consequências pro local. Já não basta o proprietário do terreno proibir a entrada de bebida no lugar (obrigando o consumo apenas no bar do mesmo) e agora contar entrada. Mas vamos lá então né. Lutar pra evitar o enriquecimento do proprietário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu TBM sou contra ... não deve aver cobrança não

      Excluir
    2. Daqui uns dias vai ficar igual a ABB ..

      Excluir
  2. Quando o Estado se omite, o particular se "organiza" a seu favor.
    A cobrança é se for em prol da conservação e não em prol do aproveitamento do local por particulares.
    Supremacia do interesse público em relação ao particular, sempre.

    ResponderExcluir
  3. Boa noite,quanto a cobrança acho correto desde que seja um valor menor tipo: cinco reais por pessoa e cinco reais para o estacionamento.Outra coisa sabemos da dificuldade logística de abastecimento de alimentação e bebidas , mas os preços não devem ser exorbitantes,disseram-me que um frango caipira chega a ser vendido a cento e cinquenta reais,esse preço poderia ser revisto para tornar acessível a todos e não só aos mais abastados financeiramente ou quem sabe a concessão de um Self service,esse dinheiro arrecadado deveria ser usado para divulgação e confecção de materiais de conscientização aos visitantes para a preservação deste patrimônio.A preservação das fontes hídricas,a fauna e a flora.

    ResponderExcluir
  4. Todos os lugares que frequentei até hoje são cobrados uma taxa de entrada e eu concordo pois é triste dizer que nem todos nós sabemos usufruir as maravilhas que temos no nosso país. E com certeza todos irão da mesma forma. Bora curtir esse lugar tão especial meu povo!!!����

    ResponderExcluir
  5. Talves para muiyos 10 reais não significa nada, mas para uma região em que o pivo tem tão pouco, se totna abusivo, se os valores fossem em prol de melhorias seria muito bom, mas sabemos que interesse próprio.
    Falam em preservação, então comecem pelos proprios da casa onde a cada dia inventam mais coisas para prejudicar a natureza e a nascente construindo e degradando.
    Prezervar é algo muito diferente em cobrar entrada. Preservar é replantar, cuidar e proteger, fica a dica.

    ResponderExcluir
  6. Cobram taxas e mais taxas, quando acontece algo que causam danos ambientais, como o fogo na chapada por exemplo, esse dinheiro nunca aparece ainda tem cara de pau de pedir contribuição dos cidadãos... Bando de abutres só vem os benefícios para o próprio bolso, os donos dos bares e restaurantes não fazem mais do que suas obrigações depois de explorarem tanto as pessoas quanto o próprio lugar!!! Tem que pagar nada a mais por isso nãooooo....

    ResponderExcluir
  7. Concordo com a taxa desde que seja para ser aplicada no local para melhorias. Se é cobrada a consumação no local, não deveria ser cobrada a entrada. Porque se torna tudo abusivo paga estacionamento, entrada e consumo. Porque cobrar de algo que foi Deus que fez.
    Não digo em cuidar e preservar. Porém se for por interesse proprio nao acho justo.;

    ResponderExcluir
  8. Já fui três vezes lá e não vou mais

    ResponderExcluir