Banner 1

Banner 1

terça-feira, 14 de novembro de 2017

ONG diz que leishmaniose chegou de vez em Campos Belos (GO)



A Organização Não-Governamental OPA (Organização Protetora de Animais) divulgou nesta terça-feira (14) uma informação muito preocupante: a leishmaniose chegou de vez em Campos Belos. 

De acordo com a OPA, foi resgatado hoje, no setor Buritis, uma cãozinho doente e magérrimo, que tem todas as característica de estar com a doença, 

"Será feito exame para confirmar, mas ao que tudo indica, está com Leishmaniose, o que nos faz mais uma vez alertar a população: se o seu cãozinho ou um cãozinho que você conhece, emagreceu de uma hora pra outra, tem feridas ao redor dos olhos e no focinho, feridas pelo corpo que nunca saram, não ignore, avise a vigilância sanitária", orienta a ONG. 

A leishmaniose é transmitida pelo mosquito palha, que pica o animal doente e leva a doença a animais sadios e aos humanos. "A cidade está tomada pelo mosquito palha, precisamos ficar todos em alerta. Onde há um cachorro doente, há foco do mosquito", avisa a OPA.

Janaina Nunes, que comentou sobre a doença, disse que no setor Buritis ela teve que sacrificar dois cães dela porque estavam com a leishmaniose. 

"A situação está complicada pessoal. O que a gente pode fazer para ajudar é comunicar a vigilância sanitária (e insistir até que atendam) sempre que encontrar um cão com os sintomas. 

Lembrando sempre que a doença é transmitida também aos humanos. Não no contato com o cão doente, mas através da picada do mosquito que é hospedeiro do vírus", orienta.

"Geralmente o cachorro fica "feio" com a doença e a reação dos donos é soltar. Mal sabem que assim, além da vida do animal, estão pondo em risco a própria vida. Leishmaniose mata. Tem que ser tratada com mais seriedade pela Administração Pública.

Edna Dinha Terra, ativista das mais atuantes em defesa dos animais e dirigente da OPA,  diz que de dez cachorros que resgatam nas ruas de Campos Belos, no mínimo três dão positivo, ou seja, 30% estão com a grave doença. 

Passa da hora das autoridades de saúde pública e da vigilância sanitária estadual e municipal agirem, no sentido de frear o crescimento da leishmaniose. 

Alguma coisa tem que ser feita e não podem agir sozinhos. 

Os cidadãos da comunidade têm que ser chamados a participarem. As responsabilidade é de todos, inclusive daqueles que não são criadores de animais. 

Já Publicamos:


Doença da leishmaniose tem matado em Monte Alegre de Goiás, inclusive na comunidade Kalunga. Prefeitura está negligenciado a situação, diz leitor.


Nenhum comentário:

Postar um comentário