Banner 1

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

Mais de 130 dias sem chuva: prefeitura de Dianópolis (TO) decreta estado de situação de emergência


Sem chuva a 130 dias na região, a prefeitura de Dianópolis decretou situação de emergência na Zona Rural do município na manhã desta quarta-feira, através do Decreto n 342/2017.

Preocupado com a situação, o prefeito Padre Gleibson Moreira, na companhia de sua vice-prefeita, Francisca Ribeiro e do secretário de obras, transportes e agricultura, Paulo Roberto Rosa, percorreram a Zona Rural do município na manhã de ontem, visitando propriedades, ouvindo os moradores sobre a situação.

A emergência foi decretada para um período de 60 dias apenas para a Zona Rural. 

No documento, a prefeitura esclarece que a necessidade de decretar emergência se dá por causa dos prejuízos que estão sendo causados aos produtores, principalmente com a morte de animais devido à falta d’água e falta de pastagens devido às queimadas registradas na região.

Mesmo tendo antecipado o abastecimento com caminhões pipas na região, colocando os veículos para transportar água para as comunidades entre início de maio e junho deste ano, em parceria com a Agência Tocantinense de Saneamento (ATS), o município tem enfreando dificuldades para conseguir atender as demandas no sertão. 

“A situação é critica. Os moradores estão sofrendo para ter água para consumo próprio, imagina para os animais. A nossa decisão em decretar situação de emergência vem de encontro atender as necessidades básicas desse povo que está sofrendo dia após dia sem água”, disse o prefeito.

De acordo com o meteorologista do Núcleo Estadual de Meteorologia e Recursos Hídricos (NEMET) da Universidade Estadual do Tocantins (Unitins), José Luiz Carlos Cabral, a última chuva registrada em Dianópolis foi em 19 de maio deste ano.

Ainda segundo o meteorologista, a situação é preocupante, pois o período chuvoso deve atrasar. 

“Estas chuvas que estão caindo no Tocantins, de forma isolada, ainda não podem ser consideradas como início do período chuvoso, este período geralmente chega durante a segunda quinzena de outubro, porém as chuvas regulares podem atrasar esse ano”, avaliou.

O prefeito percorreu os assentamentos, visitando moradores, acompanhando a dificuldade e a luta de quem vive no sertão e tem sofrido com a falta d'água. 

No Assentamento Vitória III, famílias que já perderam animais de seus rebanhos, tentam recuperar outros que já caíram e não conseguem mais levantar sozinhos por falta de pastagem e água.

A mesma situação acontece com os moradores da região do Varjão, onde em uma única propriedade, o morador informou que perdeu três cabeças de gado. "Morreu por falta d'água. 

E cada ano que passa estamos vendo a situação se agravar. A chuva sumiu e temos consciência que muito disso é culpa da ganância do próprio homem", afirmou o produtor Adalton Rodrigues da Silva.

Com informações do ATM

Nenhum comentário: