Banner 1

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Operação do MP busca desmontar esquema de fraude em licitações e desvio de recursos em Iaciara (GO)



O Ministério Público de Goiás, com apoio da Polícia Militar, deflagrou na manhã desta segunda-feira (4/9) a Operação Catturandi, no município de Iaciara, no Nordeste goiano. 

Foram cumpridos três mandados de prisão temporária e nove de busca e apreensão, expedidos pelo juiz da comarca, Yvan Santana.

Os presos são o secretário de Administração do município, João Carlos Rulka; o presidente da Comissão de Licitação, Darlos de Souza, e o contador municipal, Elder Novais Sampaio. 

As buscas foram cumpridas nas Secretarias de Administração, Educação, Saúde, na prefeitura e na Comissão de Licitação, além da residência de um funcionário da prefeitura de Posse e nas casas dos detidos.

Na mesma decisão judicial, o magistrado determinou o afastamento dos cargos dos seguintes agentes públicos: vice-prefeito, Marcos Pereira de Macedo (conhecido como Marcos Bó); secretários de Administração, João Carlos Rulka; Saúde, Iévora Aparecida Pereira Lima; Educação, Cléria Neri dos Santos, e Assistência Social, Zélia Pereira dos Santos; o procurador do município Beno Dias Batista; a gestora municipal de contratos, Maria de Fátima Pereira da Silva Bragança; o contador Elder Novais Sampaio; o presidente da Comissão de Licitação, Darlos de Souza, e o diretor da Garagem Municipal, Claudionor Rodrigues da Silva.

Peculato e fraude em licitações 

A investigação conduzida pela Promotoria de Justiça de Iaciara e pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Entorno do Distrito Federal revelou a existência de organização criminosa instalada na administração pública municipal, voltada para a prática de crimes de peculato (desvio de dinheiro público), fraude a licitações, falsidade ideológica e corrupção ativa e passiva. 

Ao longo dos mais de três meses de apuração, foram descobertos desvios de combustível, de diárias e fraudes em processos licitatórios.

De acordo com o que foi constatado até agora, veículos particulares dos envolvidos, bem como de terceiros, eram abastecidos, com os lançamentos sendo feitos em placas de veículos oficiais da prefeitura. 

Conforme detectado pelo MP, o volume de abastecimentos foi tão elevado desde o início do ano que levou ao inadimplemento da prefeitura junto aos postos contratados, em Formosa, Iaciara e Alvorada do Norte.

A partir da desarticulação da organização criminosa, as investigações deverão prosseguir, com o objetivo de identificar outros possíveis envolvidos e a prática de outros delitos, bem como para fundamentar o oferecimento da denúncia criminal.

Participaram da operação os promotores Douglas Chegury, Asdear Salinas e Daniel Pessoa, além de policiais militares do Grupo de Operações de Divisas (COD) e do Grupo de Patrulhamento Tático (GPT).

O nome Catturandi refere-se a grupo especial surgido na Itália, criado para realizar a captura de integrantes da máfia.

Fonte: MPGO

3 comentários:

Anônimo disse...

Vem para Campo Belos Dr Douglas, socorro, precisamos de você.

Anônimo disse...

Parabéns a equipe de investigação!!!.. Sugiro que se estende essa investigação até Campos Belos tbém, pque aqui a gestão atual,junto com seus secretariados e chefe de gabinete, estão se sentindo os donos do mundo..Alô Ministério Público, Campos Belos, pede Socoroooooooo...

Anônimo disse...

Se a lei que vale lá fosse a mesma que valesse aqui (Campos Belos) precisava
de vir com um micro ônibus. Tudo que foi apurado lá está acontecendo em dobro aqui.
A mesma Lei que o Dr. Douglas condenou para o Ninha é usada aqui pelo atual gestor. Empresas fantasmas, contratos espúrios, nepotismo, protecionismo, perseguição, falta de merenda, falta de remédio, carros públicos prestado favores a apadrinhados e abandono total. Isso só pra começar.