sexta-feira, 28 de julho de 2017

Alunos de arquitetura de universidade federal se recusam a projetar casa com área para empregados


Alunos do curso de arquitetura e urbanismo da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) criticaram nesta quinta-feira um trabalho da disciplina Casa grande que consistia em projetar um imóvel de alto padrão com espaço separado para empregados – com quartos e banheiros incluídos.

Em nota coletiva de repúdio postada em uma rede social pelo diretório acadêmico da Escola de Arquitetura (EAD) da UFMG, os estudantes consideram que o projeto “incorpora a senzala e reforça os moldes de dominação em pleno século 21”. 

O trabalho foi proposto pelo professor Otávio Curtiss. 

Segundo a postagem, o trabalho previa que os alunos deveriam se reunir em duplas para fazer estudo preliminar e anteprojeto de uma residência de 800 metros quadrados em um terreno de 4 mil metros quadrados no condomínio no Vale dos Cristais, em Nova Lima (Grande BH). 

O projeto do imóvel, com cinco suítes, incluía área de serviço com cozinha, lavanderia, despensa, depósito, cômodos técnicos e quartos e banheiros para oito empregados. Para estudantes, o caso ilustra como “a estrutura escravocrata ainda segue presente no cotidiano brasileiro.” 

“Como discutido em diversas disciplinas na EAD-UFMG, o quarto de empregada, por exemplo, tem como origem a segregação escravista. 

Ele surge como uma solução para separar empregados e patrões que permaneceram vivendo juntos após a abolição, em 1888”, diz trecho da nota de repúdio. 

 “Com o crescimento das cidades e a verticalização urbana, as novas soluções de moradia mantiveram soluções arquitetônicas que perpetuam a separação entre patrões e empregados", prossegue o texto. 

Na nota, os alunos pedem o cancelamento da proposta da disciplina por considerar que perpetua o racismo. 

Contatado pelo Estado de Minhas, o professor Otávio Curtiss se manifestou por e-mail. “Não tenho interesse em entrar nessa questão. Os alunos não são obrigados a cursar essa disciplina para obterem o grau de arquitetos.”

Procurada, a assessoria de imprensa da UFMG informou que a Escola de Arquitetura deveria falar sobre o caso. A diretoria da escola, por sua vez, informou que aguarda o departamento e o colegiado se manifestarem para se posicionar sobre o caso.

Fonte: Diário de Pernambuco 

4 comentários:

  1. PARABÉNS A ESSES ALUNOS. CONCORDO PLENAMENTE. PORQUE TEM QUE TER ESPAÇO SEPARADOS? A ÚNICA DIFERENÇA É DE PODER AQUISITIVO, MAS SOMOS IGUAIS. LEMBRANDO QUE O MUNDO DAR MUITAS VOLTAS. PORTANTO VAMOS TER A EMPATIA (SE COLOCAR NO LUGAR DO OUTRO); COMO GOSTARÍAMOS DE SER TRATADOS?

    ResponderExcluir
  2. Só não entendi uma coisa... Aonde era para ficar o quarto dos funcionários da casa então?

    ResponderExcluir
  3. Jesus, cada coisa desnecessária, escravidão é fazer um funcionário levantar as 4 hs, chegar ao trabalho as 7 hs, trabalhar ate as 18hs chegar novamente em casa as 21 hs e recomeçar tudo de novo, não ter tempo pra nada. Ahhhhh alunos assumam a preguiça de fazer o trabalho. Vão recusar quando forem contratados para executar um projeto semelhante?

    ResponderExcluir
  4. Simplesmente hilário!
    Lúcia, concordo com você.
    Qual o emprego que te oferece moradia? E pelo visto, com condições minímas de saneamento, livre de água, energia e até de ter todas as refeições diárias. Será que eles já ouviram falar sobre "PRIVACIDADE", condutas, cultura e afinidade, tanto para o empregado, quanto para o empregador? O projeto era de uma casa/residência num condomínio e não uma pensão! O maior racista é aquele que cita, volta a histórias passadas, que está sempre vendo racismo em tudo. O que mais encontramos, são arquitetos que projetam casas "a seus gostos", deixando os clientes insatisfeitos. Queriam mídia? Conseguiram!

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.