Banner 1

quinta-feira, 29 de junho de 2017

País das fraudes: PF apura desvios de recursos em programas de financiamento rural em Goiás


Polícia Federal deflagrou na manhã da última quarta-feira (28), em Goiás, uma ação que visa combater desvios de dinheiro público em programas de financiamento rural. 

A operação, batizada de "Fundo Falso", foi iniciada a partir da delação de um gerente do Banco do Brasil. Os crimes teriam ainda a participação de outros servidores do banco. 

O prejuízo estimado aos cofres públicos é de R$ 100 milhões.

Em nota enviada à imprensa, o Banco do Brasil informou que "adotou todas as providências administrativas e judiciais inerentes ao caso". Ainda conforme o comunicado, os desvios "foram detectados durante processo de investigação interna, imediatamente informado à autoridade policial".

O Banco disse ainda que, durante a apuração interna, "um funcionário respondeu a inquérito administrativo e foi demitido por justa causa em julho de 2016".

Conforme a PF, cerca de 80 policiais estão nas ruas para cumprir 70 mandados judiciais, sendo um de prisão preventiva e um de busca e apreensão contra um ex-gerente do banco. Outros 68 são de condução coercitiva. Eles foram expedidos pela 11ª Vara Federal de Goiânia

A operação foi solicitada pelo próprio Banco do Brasil e é coordenada na cidade de Anápolis, a 55 km de Goiânia. Além do município e da capital, os agentes também atuam em Itaberaí, Gameleira de Goiás e Silvânia.

De acordo com as investigações, os recursos foram desviados, entre 2014 e 2015, de programas do Fundo de Apoio ao Trabalhador Rural (Funrural) e do Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste (FCO).

Em nota enviada ao G1, a Superintendêcia do Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco), que cuida do FCO, disse que acompanha o caso com "vivo interesse" e que vai aguardar o final da apuração para "ter uma posição definitiva sobre providências a serem adotadas pela Sudeco no campo dos usuários do FCO".

Já a Previdência Social, responsável pelo Funrural, disse que o programa foi extinto pela Lei nº 8.213, de 1991.

O G1 entrou em contato com a PF novamente sobre a questão e aguarda retorno.

Fraudes

Segundo a PF, o crime consistia em fraudes na aprovação de financiamentos ilegais, nos quais áreas sobrepostas e terras em duplicidade eram dadas como garantia. 

A partir disso, eram obtidas liberações de dinheiro para fins ilegais.
Na residência do gerente do banco, foram encontrados 5 cheques no valor de R$ 35 mil, oriundos de beneficiários dos empréstimos.

A verba, que deveria ser utilizada no fomento à atividade agropecuária, segundo a PF, era desviada para a aquisição de produtos do próprio Banco do Brasil, como Seguro Ourocap, e pagamento de empréstimos.

Os envolvidos podem responder por estelionato qualificado. A pena prevista é de 5 anos em caso de condenação.

Fonte: G1

Nenhum comentário: