sexta-feira, 30 de junho de 2017

Mãe matou próprio filho de 2 anos em fogueira


Suspeita de matar o próprio filho de apenas dois anos, Adriana Coutrim Moreira confessou, em depoimento na manhã desta sexta-feira (30/6) à Polícia Civil do Estado de Goiás, que jogou a criança viva em uma fogueira.

Segundo o delegado responsável pelo caso, Ronaldo Pinto Leite, a mulher contou que estava limpando o quintal no fundo da fazenda em que mora, em Piranhas (a 310 km da capital), quando o garoto começou a chorar e “pirraçá-la”.

Ao tentar controlar a situação, ela alega ter visto o rosto do pai biológico do menino e, por isso, ficou transtornada. 

Colocou o garoto sentado em um tronco de árvore próximo ao local onde havia juntado o monte de folhas. Jogou álcool e ateou fogo no entulho.

A criança continuou dando birra e, segundo ela, começou a lhe bater, dando tapas. Neste momento, a mulher diz ter ficado “cega de raiva” e atirou o menino na fogueira. 

Queimando, ele começou a gritar e saiu correndo. A mãe, então, o agarrou e jogou novamente no fogo; Dessa vez, para garantir que ali ficasse, pressionou um cabo de vassoura contra o pescoço da vítima, que logo veio a óbito.

Adriana Coutrim Moreira teve a prisão temporária decretada por 30 dias e será indiciada por homicídio duplamente qualificado.

Com informações do Jornal Opção 

3 comentários:

  1. Vaca Espírito do coisa ruim mae d verdade não mata um filho mae cuida da amor ela nunca foi nem vai ser mãe qual criança não da birra só por isso ela se acha no direito d matar q ela pague pq a justiça d Deus nunca falha

    ResponderExcluir
  2. “Ai daqueles que fizerem mal a um dos meus pequeninos, melhor lhe fora que se lhe pendurasse ao pescoço uma pedra de moinho, e se submergisse na profundeza do mar

    ResponderExcluir
  3. JESUS ESTA VOLTANDO,E TEMPO DE REFLETIMOS,

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.