segunda-feira, 5 de junho de 2017

"As ilusões da corrupção". Um artigo que você tem que ler


A corrupção vende ilusões. No espelho, o Brasil se enxergava mais bonito do que era, mas a Lava Jato revelou uma dura realidade.

A cada mês, pencas de novos políticos e empresas são implicados, de diferentes partidos e setores. Grande parte da elite política e boa parte da elite econômica se uniram para lucrar e manter o poder por meio da corrupção.

Fazer política e ser amigo do "rei" se tornou um excelente negócio no país. Além de enriquecerem juntos, os grandes corruptos sempre se protegeram, desde que o Brasil é Brasil, e não se deixaram punir.

A explicação é simples: o mecanismo da punição é a lei. Os donos do poder garantem sua própria impunidade porque influenciam tanto o conteúdo da lei como quem a aplica.

Olhando para além do espelho, observam-se distorções na percepção de níveis de igualdade, democracia e estabilidade política no Brasil.

A República evoca a ideia do governo "entre iguais". Igualdade perante a lei existe no papel, mas na realidade estamos presos à máxima de Maquiavel: "Aos amigos os favores, aos inimigos a lei".

Quando circunstâncias históricas excepcionais violam a proibição de prender criminosos da elite, os Poderes são conclamados a restabelecê-la. O Supremo é demandado a rever posições -alguém altera seu voto-, pois é preciso mudar para que tudo fique igual.

O governo então se move para drenar a equipe policial, até que ela se torne infrutífera. O Congresso avança projetos para "estancar a sangria". É necessário sufocar a rebelião da lei contra o establishment.

Outra ilusão é a de que há, no Brasil, uma democracia substancial. O povo escolhe seus representantes, mas, no mar de candidatos, desponta quem aparece mais. Aparece mais quem gasta mais. Gasta mais, frequentemente, quem desvia mais.

A "seleção natural" faz com que os corruptos tendam a sobreviver na política. A Lava Jato revelou que partidos receberam mais em propinas do que em verbas do fundo partidário. A sociedade se tornou prisioneira de um sistema corrupto.

Como consequência, aqueles que deveriam representar a população se ocupam de agradar as grandes empresas em troca de leis, subsídios e contratos públicos.

Por fim, a estabilidade política, necessária para a economia prosperar, revelou-se precária. Em troca dela, o país é chantageado a aceitar a corrupção dos donos do poder.

A chave para a recuperação econômica é usada como moeda de troca, para garantir a impunidade dos grandes corruptos e a continuidade dos esquemas.

Vende-se uma dupla ilusão. A estabilidade é falsa. Seus pilares estão corroídos, apodrecidos, prontos a desmoronar a cada próximo escândalo. Além disso, estudos internacionais mostram que a corrupção sistêmica é incompatível com o desenvolvimento econômico e social.

A corrupção suga, por meio de mais e mais impostos, a energia da produção brasileira e, por meio de mais e mais desvios, a qualidade do serviço público.

O país está desiludido, mas o problema não está na descoberta da ilusão. É a realidade que está distorcida. Ao mesmo tempo, o Brasil vive uma grande chance de se reconstruir sobre novas bases.

A lei não precisa se ajoelhar diante dos barões; o país não tem que caminhar sobre uma ponte instável; a população não está condenada a ser governada pela cleptocracia.

Este é o momento para ir além da mera alternância no poder dos corruptos de estimação -ou dos menos rejeitados.

É preciso coragem e perseverança, insistindo em reformas que, em meio a indesejáveis dores do parto, possam nos trazer um novo Brasil.

Podemos e desejamos eliminar a grande corrupção e alcançar mais igualdade, estabilidade e democracia. É essa a bela imagem que desejamos ver no espelho, mas não na forma de uma ilusão.

DELTAN DALLAGNOL, mestre em direito pela Harvard Law School (EUA), é procurador da República e coordenador da força-tarefa da Lava Jato

Publicado originalmente na Folha de SP 

2 comentários:

  1. Criado o verbo "delanhar", que significa membro do MP agir como o procurador Dallagnol, ou seja, denunciar o desafeto apenas com convicções, mas SEM PROVAS. Agora, os "amigos", mesmo que abundem provas, NAO HÁ DENÚNCIA.

    ResponderExcluir
  2. Partindo desse senhor não tem nenhuma credibilidade. É mais um partidário a serviço da justiça. Hoje mesmo foram divulgadas fotos dele com Deputado do Democrátas que é alvo de investigação. É um anonimo em busca de notoriedade, tenta aparecer de toda forma. Tem quase dois mil políticos a serem investigados por propina com o dinheiro público, porém a esse cidadão só serve Lula, é uma maneira dele aparecer. Apresenta um PowerPoint indicando o ex presidente como chefe de quadrilha, isso mesmo, usou esse termo fajuto, ao qual deveria ter usado o termo jurídico ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, numa demostração de ódio e parcialidade. Indagado sobre provas disse ter convicção, ou seja achismo. Pra justiça não deve haver meio termo, ou tem prova ou não tem. Segundo a literatura jurídica, em caso de dúvidas deve haver favorecimento ao réu. Querem empurrar como prova um triplex com documento sem assinatura, outro com rasuras e depoimento de delatores desesperados que são capazes de dizer até que a mãe é virgem pra poder se safar da cadeia. Léo Pinheiro disse que o tal triplex é de Lula, porém a OAS declarou o apartamento no imposto de renda e até mesmo usa o triplex para garantias de operações financeiras, mas isto não serve. Esse moço não tem credibilidade nenhuma.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.