Banner 1

sábado, 1 de abril de 2017

Nepotismo escancarado: MPE pede afastamento de prefeito por contratar, mulher, nora, filha e cunhada



O Ministério Público pediu o afastamento do prefeito de Nova Olinda (TO), José Pedro Sobrinho (PTB), por nepotismo. 

Ele está sendo investigado por empregar esposa, filha, nora e cunhada em cargos públicos do primeiro escalão. O prefeito também é investigado em outro inquérito por outras irregularidades.

Ao todo, o MPE pediu o afastamento do prefeito e mais seis funcionários. Isso porque, além dos parentes de Pedro José, a Prefeitura de Goiatins também emprega a esposa do secretário de administração como assistente administrativa e o sobrinho do vice-prefeito como secretário de infraestrutura.

Para o promotor de Justiça Airton Amilcar, responsável pelo inquérito, o prefeito instalou na administração pública um verdadeiro "feudo familiar", ao beneficiar parentes com nomeações e contratações ilícitas.

Em entrevista, o prefeito disse que contratou os parentes porque precisa de pessoas em que confie. 

"É verdade, são parentes, sim. Não tenho nada a esconder. Não é cargo só para ganhar o dinheiro, porque eles estão trabalhando. Tem que ter alguém que tem confiança para trabalhar, coloquei pela confiança que tenho no trabalho deles."A investigação do MPE começou ainda em 2016, mas os documentos sobre pessoal só foram enviados no início de março. 

O inquérito civil apontou que a esposa do prefeito é secretária de assistência social; da filha é secretaria finanças; da cunhada chefe de gabinete e nora secretária adjunta de assistência social.

Segundo o Promotor, as contratações violam os princípios da moralidade e impessoalidade da administração pública.

Ainda conforme o MPE, o prefeito Pedro José Sobrinho também é investigado, em outro inquérito, por fraude em licitação, desvio de recursos no aluguel de veículos, construção de obras, entre outras suspeitas.

Outro lado

Nesta sexta-feira (31), o secretário de administração Adailton Feitosa disse que as denúncias feitas sobre as contratações se tratam de perseguição política. Segundo ele, os cargos não se enquadram como nepotismo por serem políticos e que há decisões do Superior Tribunal Federal que permitem isso.

Sobre a esposa dele, que foi nomeada como assistente administrativa, que não é cargo político, o secretário disse que ela não tem qualquer grau de parentesco com o prefeito.

Fonte: G1

6 comentários:

Anônimo disse...

Nossa poderia investigar em monte alegre de Goiás. Praticamente a mesma situação . Mas interior de Goiás é terra sem lei infelizmente

Anônimo disse...

Aloo MPE, de uma olhadinha na prefeitura de Monte Alegre. Por lá a farra anda solta.

Anônimo disse...

E Campos Belos? Como vai ficar?
R: VEREMOS.

Anônimo disse...

MP faça uma visitinha em Lavandeira TO, lá está os parentes todos.E o pior que quem manda lá é o irmão do prefeito

Anônimo disse...

Ve esse exemplo ai ministério público aqui em monte alegre e muito pior. .

Anônimo disse...

Senhor blogueiro ajuda esse povo sofrido do interior. Denuncie. Seu blog é bem visto por todos faça uma matéria chama a atenção para o nepotismo em monte Alegre e região. Parabéns pelo seu trabalho