Banner 1

quarta-feira, 5 de abril de 2017

Corrupção: STJ pede autorização da Assembleia para iniciar ação contra governador Perillo


O Superior Tribunal de Justiça (STJ) enviou à Assembleia Legislativa de Goiás um pedido para que os deputados autorizem a instauração de procedimento penal contra o governado Marconi Perillo (PSDB) pelo crime de corrupção passiva. 

Segundo a denúncia do Ministério Público Federal, o político obteve vantagem indevida para viabilizar contratos com a Construtora Delta.

Segundo o STJ, não é possível notificar um governador de estado denunciado por crime comum sem a autorização da Assembleia Legislativa. 

"A Constituição do Estado de Goiás prevê, em seu artigo 39, a necessidade de autorização, por voto de dois terços dos deputados da Assembleia Legislativa, para que o governador seja processado por crime comum", diz o pedido assinado pelo ministro Humberto Martins.

O presidente da Casa, José Vitti (PSDB), informou que ainda não foi notificado sobre o pedido. Assim que o pedido chegar, será lido em plenário e concedido o prazo de 15 dias para a manifestação do governador.

Depois disso, será criada uma comissão especial para analisar a defesa de Perillo e também será nomeado um relator para o caso.

Defesa

Em nota, o advogado de defesa do governador Marconi Perillo, Antônio Carlos de Almeida Castro, informou que acredita que a denúncia “não será sequer recebida tão logo a defesa técnica seja apresentada”. 

Além disso, afirma que, para o governador, é melhor que a Assembleia libere a instauração do processo penal para que, no menor tempo, a situação seja esclarecida.

Denúncia

Segundo a denúncia do MPF, a suspeita é que o governador recebeu vantagens indevidas para viabilizar contratos do poder público com a Construtora Delta durante seu 3º mandato, entre 2011 e 2012.

Além de Perillo, também foram denunciados o contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, Fernando Cavendish, presidente do Conselho de Administração da empresa, e Cláudio Abreu, ex-diretor regional da Delta, todos por elo com o esquema investigado pela Operação Monte Carlo.

A denúncia é assinada pelo vice-Procurador-Geral da República, José Bonifácio Borges de Andrada. Segundo o documento, Cachoeira, Abreu e Cavendish pagaram, em duas parcelas, uma dívida de R$ 90 mil do governador com o marqueteiro Luiz Carlos Bordoni.

Os dois depósitos, de R$ 45 mil cada, foram realizados em abril e maio de 2011, conforme o MPF. Em troca, de acordo com o órgão, Marconi Perillo garantiu o aumento de valores dos contratos da Delta com o governo, mesmo os acordos não sendo financeiramente benéficos à administração estadual.

Os valores foram pagos, conforme a denúncia, por meio de depósitos de duas das 18 empresas fantasmas constituídas por Cavendish e Abreu para fazer o repasse de verbas ilícitas e lesar os cofres públicos. Ficou constatado, conforme a investigação, que estas instituições movimentavam milhões mesmo sem ter um único funcionário.

Com a quitação dos débitos, o governador Marconi Perillo, segundo a ação, pôs em prática aditivo de contrato com a Delta em serviços para a Segurança Pública. O trato aumentou o valor do acordo de R$ 66 milhões para R$ 75 milhões. A medida fez com que o número de veículos cedidos pela empresa subisse para quase 2 mil.

Para o MPF, a forma como os carros foram locados foi desvantajosa em termos de economia. Se os bens fossem adquiridos, ao invés de alugados, o estado gastaria pouco mais de R$ 39 milhões, quase a metade do montante acordado.

Fonte: O Globo

3 comentários:

Anônimo disse...

PARECE QUE O SENHOR CACHOEIRA DESSA VEZ CAI. A JUSTIÇA DEMORA MAS CHEGA.ESSE E LISO...

gregorio de matos guerra disse...

Esse aí jamais será alcançado, enquanto tiver mandato. Hoje tem foro privilegiado no STJ; depois, senador, seu foro será no STF. A Assembleia VEGETATIVA de Goiás JAMAIS permitirá processo contra o DITADOR. Eu disse JAMAIS. ..

Anônimo disse...

Está passando da hora de mudar este país, infelizmente temos muito que aprender, os políticos roubam e nada é feito, quando fica preso logo e solto e vai viver sua vida de magnata.
Passou da hora de cortar a mordomia destes malandros, vamos reduzir a quantidade de vereadores, senadores deputados.
Com certeza o Brasil estaria melhor se acabar com todas as mordomias dos políticos, já imaginaram o quanto o Brasil iria economizar, vamos pensar, vamos as ruas mostrar quem paga a conta.
Se dependermos dos políticos o único aumento que teremos e o da previdência, enquanto os deles é ao contrário diminui a previdência e aumenta os salários.

olho vivo BRASIL