Banner 1

Banner 1

sábado, 4 de março de 2017

MP define com lideranças quilombolas prioridade para melhorar infraestrutura na região calunga


O Ministério Público de Goiás (MP-GO), por meio da Promotoria de Justiça de Cavalcante, realizou na tarde da última quinta-feira (2/3), no Fórum da comarca, uma reunião com as lideranças das comunidades quilombolas da região. 

O objetivo do encontro foi discutir as melhorias mais urgentes e necessárias para a comunidade.

Além da promotora de Cavalcante, Úrsula Catarina Fernandes, e das lideranças calungas, participaram também o juiz Pedro Cesário Pereira, o prefeito municipal Josemar Saraiva, secretários municipais da Educação e da Assistência Social, professores e conselheiros tutelares.

Entre as prioridades de infraestrutura a serem buscadas para melhoria da qualidade de vida nas comunidades calungas, ficou definida que a principal, escolhida pelos participantes, é a construção de uma ponte sobre o Rio Branco, na região de Vão das Almas, e outra ponte sobre o Rio Corrente, na região de Maiadinha.

Foi relatado que a prefeitura tem realizado a conservação de algumas estradas, mas a falta de pontes não permite o acesso das máquinas a muitos locais. Assim, estradas mais distantes têm ficado sem os devidos reparos.

As condições das estradas foram levantadas como um ponto muito importante, pois permite o acesso às escolas e aos postos de saúde.

O transporte escolar foi também alvo de queixas de algumas comunidades, que pediram mais ônibus, para aumentar o número de linhas disponíveis. 

Outra questão levantada é o problema de energia em diferentes comunidades, em razão de falta de baterias das placas de energia solar.

Foi relatada ainda a necessidade de melhoria da qualidade de ensino, com mais capacitação para os professores, e uma reflexão acerca das salas multisseriadas, em que alunos de diferentes níveis escolares no mesmo local têm o aprendizado prejudicado.

Outro ponto abordado foi a falta de regularidade na entrega das merendas escolares e falta de botijão de gás. 

Segundo os quilombolas, existe um acordo entre as escolas municipais e estaduais para se resolver esta questão, mas não está funcionando adequadamente.

Apesar da escolha de uma ação prioritária, todas as falas e intervenções das lideranças quilombolas foram registradas pelo MP-GO para serem encaminhadas à prefeitura e à Secretaria Estadual de Educação. 

Com relação à construção das pontes, foi criado um grupo de trabalho com dez integrantes para, juntamente com o Ministério Público e a prefeitura, atuar nas ações e articulações de viabilização das obras junto aos poderes Executivo e Legislativo do Estado.

Fonte: MPGO

Nenhum comentário:

Postar um comentário