Banner 1

Banner 1

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Projeto de extensão da UEG, em Campos Belos (GO), promove evento sobre o Dia da Consciência Negra


Por JanneKelly Alves,

O Projeto de Extensão coordenado pela docente da UEG  promove um evento que homenageia o Dia da Consciência Negra.

O evento, que conta a participação de acadêmicos do Curso de Letras e Pedagogia, ocorre nesta sexta-feira (18), às 08h, na quadra da Escola Municipal Professor José Pereira da Silva, em Campos Belos (GO).

Na oportunidade haverá uma série de atividades culturais, como dança, recitação de poemas, peças teatrais, dentre outras atrações, as quais possibilitarão ao público, uma nova concepção acerca da temática abordada.

Projeto de Extensão

O presente Projeto visa verificar a implementação de legislações para a educação das relações etnicorraciais no ensino da Escola Municipal Professor José Pereira da Silva, em Campos Belos-GO. 

A discussão das relações etnicorracionais em sala de aula é de suma importância, pois é uma forma de combater o racismo existente na sociedade brasileira. 

O negro faz parte da formação do nosso país, porém é retratado muitas vezes como uma raça inferior. Essa raça, da qual somos descendentes, luta há vários anos para que sua história seja valorizada. 

Uma das grandes vitórias, por conta dessa luta, aconteceu no ano de 2003, quando foi promulgada a Lei nº 10.639/2003, a qual torna obrigatório o ensino da História e Cultura Afro-Brasileira e Africana no âmbito de todo currículo escolar. 

Neste Projeto há o envolvimento dos acadêmicos dos Cursos de Letras e Pedagogia na inserção de atividades lúdicas relacionadas à cultura afro e afrodescendente na escola supramencionada, bem como na reflexão da temática na vida dos educandos.

A temática tem sido trabalhada na Escola Municipal José Pereira da Silva desde o início do ano, utilizando diversas atividades, como palestra, minicurso e oficinas, peças teatrais, vídeos, exposição, produção textual utilizando os (tipos de texto: narração, descrição e dissertação) abrangendo os diversos Gêneros textuais.

A culminância envolverá as produções realizadas pelos alunos, bem como a premiação no concurso de redação, com o tema “A contextualização da cultura afro e afrodescendente em Campos Belos (GO)”. 

As atividades propostas foram trabalhadas nos turnos matutino e vespertino, no entanto, utilizando níveis de abordagens diferentes para atender todas as turmas.

Com o intuito de refletir a temática, convidamos todos a participar desse evento.

Sua participação é muito importante!

7 comentários:

  1. AMIGÃO ,JA QUE NAO EXISTE DIFERENÇA ENTRE BRANCOS E NEGROS - O QUE DE FATO CONCORDO PLENAMENTE- MAS A SOCIEDADE TEM DE PARAR COM ESSA HIPOCRISIA DE ENFATIZAR DIA DO NEGRO , DIA DE DIFERENÇA NAO SEI O QUE ... GENTE DO CÉU , ASSIM COMO DIZ A LEI , DEVEMOS TRATAR DE MANEIRA IGUAL OS IGUAIS E DIFERENTE OS DIFERENTES , AO SEPARAR COTAS EM UNIVERSIDADES PRA NEGROS , ESTÃO TRATANDO-OS DE QUE MANEIRA ? IGUAL OU DIFERENTE ?

    ResponderExcluir
  2. Quando o povo começa esquecer esse negoço de diferença racial , vem uma materia como essa e faz lembrar que o negro é menos prezado por alguns

    ResponderExcluir
  3. seria muita prepotência minha perguntar se as pessoas dos comentários acima já leram algum livro de antropologia, livros que retratam a formação do povo Brasileiro: Darcy Ribeiro, Laraia, Gilberto Freyre, Eduardo Galeano entre outros. vocês conhecem o genocídio que o negro sofreu na historia da formação do Brasil? Já leram o porque existe o sistema de cotas? se interessaram em ao menos ler a lei Lei nº 12.711/2012? o sistema de cotas visa uma reparação aos danos caudados aos negros na historia marcada por uma exploração violenta e sanguenta. o sistema de cotas é só um dos mínimos mecanismos que são oferecidos a nos negros. Os números alarmantes mostram quem fica as margens das mortes, das prisões, da falta de educação e das politicas publicas. Toda essa situação é uma construção histórica e dialética das condições sociais. enfim, caso você tenha conhecimento desses fatos, tem todo direito de ser contra o sistema de cotas, a bolsa família, bolsa laranja, bolsa camisinha, bolsa ida a lua.

    Ps. A universidade trabalha no tripe: ensino-pesquisa-extensão, sair da cerca da universidade requer estudo, requer pesquisa, requer capacitação. deixem de serem seres contemplativos e comecem a agir sob a sociedade a qual vocês vivem.

    ResponderExcluir
  4. caro anonimo , então voce deixa subentendido que o negro realmente é diferente dos brancos , pois merecem outro tratamento , seria isso ?

    ResponderExcluir
  5. Primeiramente, gostaria de agradecer ao nobre e competente jornalista, Dinomar Miranda, por publicar em seu renomado Blog, O evento em comemoração ao dia 20 de novembro- Dia da Consciência Negra,no qual foi a temática abordada, bem como, as apresendizagens lúdicas na cultura afro e afrodescente, no contexto escolar, da escola Mul. Profº José Pereira da Silva, em Campos Belos-GO.
    Dia 20 de novembro se instituiu o Dia da Consciência Negra, em memória ao grande líder do quilombo dos Palmares, conhecido como Zumbi dos Palmares. Neste, além de ser comemorado, nos traz uma grande reflexão, acerca das relações etnicorraciais no Brasil, bem como da valorização do SER HUMANO, no contexto social, independentemente de cor de pele, religião, classe social, nível de escolaridade, etc. Como Darcy Ribeiro ressalta, somos todos (as) uma "ninguenzada''. Ou seja, somos o resultado de uma miscigenação,visto que para o povo brasileiro é o reflexo de uma história que sempre se fará presente: A história do Brasil. Viva o povo brasileiro! Viva o respeito!Viva as diversidades culturais. Este Projeto foi um fruto de um trabalho lindo,como ressaltou o Profº no comentário acima e que aliás, demonstrou ter muito conhecimento.Obrigada pelo belo e reflexivo comentário! O mesmo ressalta: "A universidade trabalha no tripé: Ensino-Pesquisa-Extensão, sair da cerca da universidade requer estudo, requer pesquisa, requer capacitação." Esse tem sido o meu trabalho, no qual reforço a participação dos cidadãos em refletir a sociedade, no qual estão inseridos.Aproveito o ensejo e agradeço a participação de todos os acadêmicos do curso de Letras e Pedagogia, da UEG de Campos Belos, bem como os funcionários da Escola Mul.Profº José Pereira da Silva, bem como os alunos e pais. Foi um lindo e inesquecível trabalho. Grata, Profª JanneKElly Franco.

    ResponderExcluir
  6. OK PROFESSORA JANNEKELLY , VOCE TEM MEU IMENSO E SINCERO RESPEITO , NÃO TE CONHEÇO , NEN SEI QUEM É VOCE , PORÉM A RESPEITO DA SUA PESSOA SÓ ESCULTO FALAREM ELOGIOS E QUALIDADES .. COM BASE NA SUA QUALIFICAÇÃO -QUE É IMENSA- ME RESPONDA UMA COISA COM NO MÁXIMO UMA DUZIA DE PALAVRAS , SEM LITERATURISMO , POR QUE O NEGRO TEM QUE SER SERVIDO DE SISTEMAS DE COTAS SE NÓS SOMOS TODOS IGUAIS ? OQUE IMPEDEM OS NEGROS DE CONCORRER DE IGUAL PRA IGUAL COM OS DEMAIS ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael Costa, você é fantástico. Parabéns cara. Você deu um show de gramática normativa a uma professora universitária na área de letras. Não há um erro de ortografia e concordância no seu texto. Filho, você deveria dar aulas de direito constitucional. Você sabe discernir a essência do conceito constitucional de igualdade de direitos. Com exemplos reais, voce demonstrou que nao ha racismo no Brasil. Na minha vida de acadêmica, nunca vi alguém nos ensinar algo que ninguém vê: no Brasil todos são iguais. Você, mano, detonou com argumentos semânticos, "casa grande e senzala". Cara, sou seu fã.

      Excluir