Banner 1

Banner 1

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Polícias Federal e Civil cumprem primeiros mandados na Operação Oeste Legal, contra a grilhagem de terras



A Operação Oeste Legal, realizada no último dia 25, em Barreiras, Formosa do Rio Preto e em Santa Rita de Cássia, municípios do oeste baiano, por determinação da Vara do Crime Organizada do Tribunal de Justiça do Estado da Bahia (TJBA), cumpriu medidas cautelares para ouvir os acusados.

Foram expedidos 30 mandados de busca e apreensão em três municípios: Barreiras, Formosa do Rio Preto e Santa Rita de Cássia. Não houve, ainda, até o início da tarde desta quinta (25), a expedição de mandados de prisão.

A operação tem o objetivo de combater grupos organizados de ‘grilagem de terras’, que já aplicaram golpes com prejuízo superior a R$ 30 bilhões na região.

Os investigados usavam documentos fraudulentos e, após transferir a propriedade das terras para os nomes de pessoas e empresas ligadas ao grupo, faziam operações bancárias e financeiras, dando os documentos como garantia.

Conduzido por agentes do Departamento de Combate ao Crime Organizado (Draco) da Polícia Civil, com o apoio da Polícia Federal, o investigado Getúlio Vargas Gomes da Fonseca, foi preso em flagrante, em Barreiras, por portar ilegalmente duas pistolas.

Também foi preso, em Formosa do Rio Preto, o filho dele, Mário Eduardo Mignot, por portar ilegalmente duas espingardas, uma pistola e um revólver.

Outro filho de Getúlio Vargas, Getúlio da Fonseca Filho, em Barreiras, Luis Rosas Filho e Getúlio Cardoso Reis, em Salvador, foram conduzidos para antecipação de oitivas.

A operação cumpriu 12 mandados de busca e apreensão – oito em Barreiras, três em Formosa do Rio Preto e um em Santa Rita de Cássia – nos endereços dos investigados.

O cartório do 2º Ofício de Notas de Barreiras, os cartórios de Títulos e de Registro de Imóveis de Santa Rita de Cassia, Formosa e Barreiras, e o cartório de Títulos de Formosa do Rio Preto também foram objetos de diligências.

Os agentes do Draco cumpriram mandados nas secretarias de meio ambiente de Formosa do Rio Preto, Santa Rita de Cássia e de Barreiras, no Inema, nos conselhos regionais de engenharia e de agronomia, todos em Barreiras, e no Incra de Salvador.

Estão sendo investigados os crimes de falsidade ideológica, tráfico de influência, estelionato qualificado, falsificação de documento, corrupção, grilagem e crime contra o sistema nacional e ordem tributária.

Além de mandar cumprir os mandados, por meio da Vara de Crime Organizado, o Poder Judiciário também atua com a Corregedoria das Comarcas do Interior. 

O juiz corregedor Márcio Braga, acompanhado de dois servidores, está prestando apoio nos cartórios, com a inspeção das unidades extrajudiciais.

Fonte: AgoraBahia

Nenhum comentário:

Postar um comentário