Banner 1

Banner 1

segunda-feira, 29 de agosto de 2016

Cadeia pública de Natividade (TO) inicia projeto de ressocialização com responsabilidade socioambiental


Os detentos da Cadeia Pública de Natividade iniciaram o projeto Rodas da Liberdade, que promove a ressocialização social por meio de uma atividade laboral. 

Eles fabricam cadeiras de rodas utilizando sucatas, que posteriormente são doadas a pessoas com deficiência motora. 

A responsabilidade socioambiental do projeto é a utilização das sucatas expostas na natureza, dando a elas uma destinação eficaz por meio da reciclagem.

O chefe da cadeia, Wedson Rodrigues Figueira, conta que a iniciativa partiu de um dos detentos que veio transferido de uma das unidades penitenciárias de Florianópolis, em Santa Catarina. 

“O preso M.L.M. nos contou que os veículos e os materiais apreendidos acumulados, que viram sucata no pátio de cadeias, eram reutilizados como forma de incentivo à produção profissional, e nós adotamos a ideia”, disse. 

A partir de então, M.L.M. começou a ensinar a atividade aos outros detentos da cadeia de Natividade.

A Diretoria de Políticas e Projetos de Educação do Sistema Prisional se juntou à proposta e oficializou o projeto Rodas da Liberdade. 

Segundo o diretor Valcelir Borges, a intenção é de oportunizar a ressocialização ao detento por meio da fabricação das cadeiras de rodas e que “eles possam, a partir de uma atividade prática, exercer a cidadania, contribuir com a melhoria da qualidade de vida daqueles que precisam e aprender lições práticas de Direitos Humanos”.

Em muitos municípios do Estado, a cadeia pública divide espaço com unidades prisionais, e todos os materiais e veículos apreendidos são depositados no pátio. 

O diretor do Sistema Penitenciário, Darlan Rodrigues, também aprovou a iniciativa do detento e o apoio da equipe da cadeia de Natividade. 

“Com o projeto em funcionamento, nós ressocializamos os presos, devolvemos a produção à sociedade com responsabilidade social e ainda oferecemos manutenção ao pátio para evitar acúmulo de água parada que pode servir de foco de doenças para a comunidade local”, disse o diretor.

Com as devidas autorizações judiciais e o envolvimento das entidades responsáveis pela assistência ao preso, o projeto segue em busca de parceiros. 

O gerente de Políticas e Proteção da Pessoa com Deficiência, da Secretaria de Estado da Cidadania e Justiça (Seciju), Willyma de Jesus já está articulado com o chefe da unidade prisional para estender a parceria e a produção, além de beneficiar com cadeiras de rodas as entidades que trabalham com pessoas que precisam desta assistência. 

Além disso, o projeto almeja sensibilizar os empresários para incluir os detentos no mercado de trabalho.

Fonte: Governo TO

Nenhum comentário:

Postar um comentário