Banner 1

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Agosto, um mês de suicídio, renúncia e mortes na história da política brasileira




Este 31 de agosto pode entrar para a história da política brasileira como mais um evento de afastamento de um presidente da República. 

O oitavo mês dos calendários juliano e gregoriano poderia ser pulado na política brasileira. Com os seus longos 31 dias, agosto entrou para a História do Brasil marcado por tragédias. 

O mês viu de tudo: de suicídio e renúncia de presidentes da República até mortes de ícones da política nacional. 

Entre eles, o ex-presidente Juscelino Kubitschek e Miguel Arraes, ex-governador de Pernambuco e símbolo da esquerda no país, morto no mesmo dia 13 de agosto do seu neto, Eduardo Campos, vítima de acidente de avião em 2014.

Há seis décadas, no dia 24 de agosto de 1954, o presidente Getúlio Vargas se matou, no Palácio do Catete, com um tiro desferido no próprio coração. 

O líder da Revolução de 30, pai dos pobres e fiador da modernização do país, virou mito e adiou, por dez anos, a chegada dos militares ao poder. 

Uma comoção nacional tomou o Brasil inteiro pela morte de Getúlio, então presidente eleito. 

Ele voltara nos braços do povo, vitorioso nas urnas em 1950 — embalado pela marchinha “bota o retrato do velho outra vez/ bota no mesmo lugar” —, cinco anos após o fim do seu período de ditador no Estado Novo (1937-1945). Somente em 1964, com o golpe que depôs João Goulart, começaria o regime militar, que se prolongou até 1985.

Por sinal, Arraes, um mito nas ruas de um dos mais politizados estados do país, também voltaria ao poder, numa eleição histórica para governador, em 1986. Após anos de exílio, na verdade, a população estava devolvendo ao avô de Eduardo Campos o que os militares haviam tomado em 1964, quando, governador, fora deposto. Ocupante por três vezes o Palácio do Campo das Princesas (sede do governo estadual), Arraes morreria em 13 de agosto de 2005.

Três anos antes do golpe de 64, uma crise política sem precedentes sacudiu o Brasil. Eleito com o discurso de que varreria a corrupção, Jânio Quadros renunciou à Presidência, em 25 de agosto de 1961, por considerar inviável governar sob a Constituição de 1946. Ele não tinha apoio das esquerdas, do PSD e, muitas vezes, até da UDN. 

Alguns historiadores defendem a tese de que, ao deixar o governo, Jânio planejava voltar com o apoio do povo, num golpe branco que não vingou. Em meio a pressões dos militares e à campanha legalista comandada pelo governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, Jango assumiu. 

A solução foi o parlamentarismo, negociado para garantir a sua posse, e com Tancredo Neves como primeiro-ministro. 

Com poderes reduzidos, Jango trabalhou pela volta do presidencialismo. Um amplo apoio também se firmava pelo “não” ao parlamentarismo no plebiscito: Carlos Lacerda, JK, Arraes e Brizola, por exemplo. Todos interessados em uma eleição em 1965, que não ocorreu devido ao golpe militar.

Não foi em agosto, mas quase. Um dos líderes do regime militar e seu primeiro presidente, o marechal Humberto de Alencar Castello Branco morreu em 18 de julho de 1967, também num desastre aéreo. 

Na época ex-presidente (Costa e Silva o sucedera em março no Palácio do Planalto), Castello Branco estava no avião que se chocou com um jato de treinamento da FAB, em Fortaleza. 

O acidente ocorreu às 9h45m, quando o avião do governo do Ceará fora buscar o ex-presidente em Quixadá, na fazenda da escritora Rachel de Queiroz.

Durante os anos de chumbo, um novo desastre abalou o país. No dia 22 de agosto de 1976, o ex-presidente Juscelino Kubitschek morreu num acidente de carro na Via Dutra. No quilômetro 165 da rodovia, o Opala que o levava de São Paulo para o Rio ultrapassou a mureta divisória e bateu de frente num caminhão. 

Na época, a polícia chegou a investigar a hipótese de um ônibus ter batido de propósito na traseira do carro, dirigido por Geraldo Ribeiro. Porém, o motorista do coletivo acabou absolvido por falta de provas. Em 1996, o corpo de JK foi exumado, e o laudo oficial concluiu que ele morrera num acidente.

Dois anos antes de morrer, JK recuperara seus direitos políticos, cassados após o golpe de 64, e pretendia voltar à vida pública. Para desgosto de multidões que choraram a sua morte pelo país, o sonho havia acabado. Em seu funeral, em Brasília, 300 mil pessoas se despediram do líder mineiro, cantando a música que marcara a sua vida: o “Peixe vivo”.

Com texto da Agência Globo

Nenhum comentário: