Banner 1

quinta-feira, 17 de março de 2016

Estágio precário: acadêmicos da UEG Câmpus de Campos Belos realizam passeata em protesto contra a instituição



Os acadêmicos da Universidade Estadual de Goiás do Câmpus de Campos Belos, nordeste do estado, voltaram a se manifestar nesta semana.

Eles se reuniram em frente à instituição de ensino, com o apoio de um carro de som e da Policia Militar.

Os estudantes protestam contra a decisão da direção da Universidade que fez mudanças na realização do estágio.

Eles pertencem ao curso de Licenciatura em Pedagogia e têm o apoio dos acadêmicos de Letras e Tecnologia em Agronegócio. 

As novas regras de realização do estágio do curso de Pedagogia começaram a serem seguidas neste ano. Entre as mudanças estão a delimitação do campo de estágio, que, a partir de agora, só poderá ser realizado no município onde esta situado o câmpus, ou seja, em Campos Belos. 

Outro ponto é a não liberação das aulas.

Segundo o Diretório Acadêmico, a paralisação foi um ato mais radical para tentar mudar o atual quadro que se encontra o estágio, pois, após duas longas reuniões com a coordenadora de estágio, professores, coordenadora de curso e diretor do câmpus, os estudantes não foram ouvidos. 

"Grande parte dos acadêmicos que estudam ali moram em outros municípios como Aurora-TO, Arraias-TO, Monte Alegre-GO, Novo Alegre-TO, Combinado-TO e povoados da Prata e Barreirão e não possuem as condições necessárias para se deslocar ate Campos Belos para a realização do estágio", informam.

Efeitos     

Após passeatas, paralisações e muitos gritos de ordem, coros pedindo o direito a opinar e muito barulho, a administração do câmpus decidiu ouvir o lado dos estudantes.

Foi feita uma reunião com representantes de todos os cursos, do Diretório Acadêmico e coordenação, onde foi decidido que o estágio seria suspenso por 15 dias, até que fosse resolvido os problemas.

Segundo os estudantes, o estágio é um problema que se arrasta há muito tempo na UEG. 

Eles não recebem auxílio financeiro durante o período de estágio, e em alguns cursos não são liberados das aulas.

"Grande parte dos acadêmicos moram em outros municípios e não possuem condições financeiras para a realização desse período fundamental para qualquer profissional. 

Já está na hora de se olhar para o estudante e analisar suas condições para que a Universidade se fortaleça e forme profissionais cada vez mais qualificados e pessoas cada vez mais humanas", reclamam.

Ontem, com a proposta do diretor os acadêmicos, os estudantes concordaram em voltar às aulas, porém, à tarde, eles foram surpreendidos com o adiamento do colegiado, o que os deixou enfurecidos.

O movimento voltou para as ruas, ganhou mais força, um carro de som foi chamado e os estudante pediram novamente mudanças no estágio, valorização da educação, melhoria das UEG, autonomia do câmpus, entre outras reivindicações. 




15 comentários:

Anônimo disse...

O estágio sempre foi um problema, principalmente no ensino fundamental na segunda fase e ensino médio, no caso de Letras, a realidade de uma sala de aula não condiz com o real. Alunos que desrespeitam o estagiário porque não é titular da turma, professores que aproveitam para "dar uma escapada", tem o ajeitamento com os " camaradas", e isso não ocorre somente em outros municípios, é aqui mesmo. A orientação de estágio não consegue( humanamente impossível) acompanhar todos. O ideal são os projetos de intervenção e projetos de reforço, isso sim é prática de ensino.

Anônimo disse...

Acadêmicos, está na hora de vcs se colocarem na posição de vcs!! A instituição tem sim o poder de impor normas e regras... A universidade esta situada em campos belos, então o campo de estágio devera sim beneficiar este município... Quanto a liberação das aulas noturnas na universidade pelo fato do estágio, quem de vcs conhece uma escola que atenda nivel infantil e fundamental no periodo noturno?! Os acadêmicos que protestam estão querendo fugir das responsabilidades, e depois querem jogar a culpa dola má formação na instituição... Pessoal, se vcs entraram na universidade pra estudar.. Se profissionalizar, que cumpram as normas, que cumpram a carga horaria de vcs. Eu fui acadêmico na unidade, e cumpri todas as minhas obrigações... Mas percibia que sempre tinha akeles que burlavam... E pelo visto, isso ate hj acontece

Anônimo disse...

Realmente, o estágio e de fato uma fase principal na formação do acadêmico. No entanto, os alunos da ueg de campos belos não tem levado a serio esta etapa, e vão a escola e ou creche estagiar, porém não desenvolve os papeis que deveriam. O erro inicia realmente quando os professores da rede publica recebem os estagiários, onde os mesmos assinam fichas, sem especificar de fato o q o aluno fez de verdade. Agora que a UEG esta de fato fazendo exigências, alunos e alunas ficaram de pés e maos atadas, pois na verdade não faziam o que deveriam durante o período de estágio. Para que uma universidade funcione de maneira correta, não tem que modificar e moldar as atividades conforme as particularidades de cada aluno não... O aluno sim, tem que se organizar pra cumprir o q e exigido. Sou ex aluno da UEG, formado em 2013. E as atitudes desses alunos que reivindicam acabam que diminuindo os cursos e a universidade. Pense bem pessoal, que Tipo de profissional Vc quer ser?!

Anônimo disse...

Onde não há normas, há desordem! A UEG e o seu atual gestor só busca por melhorias, e quem fala aqui não é e nunca foi beneficiado, e apenas um conhecer de várias fases errôneas que aconteceram no passado da UEG. A CRISE COMEÇA DO POVO MESMO!!! Que cobra por algo errado, e deixa o correto de lado.

Anônimo disse...

Alunos muito reclamam e pouco fazem. A universidade quem faz e o aluno, no entanto deve seguir as normas. Que são indispensáveis para o bom funcionamento.

Anônimo disse...

Pq os alunos querem ser liberados das aulas, sendo que o estagio supervisionado acontece durante o dia e as aulas durante a noite?! Penso que deveriam repensar nos erros de vocês caros alunos.

Anônimo disse...

Meu nome é Lucas, sou estudante no 4° ano do curso Letras e moro aqui na cidade de Campos Belos. Ano passado, cursando o 3° ano, passamos pelo estágio e "sentimos na pele" a realidade da educação escolar pública Camposbelense, isto é, suas fragilidades - que, aliás, Parece-me não ser diferente do nível educacional do país. Neste sentido, concluir-se-á que há diversas questões a serem (re)pensadas em relação a(s) finalidade(s) desse Câmpus da Universidade Estadual de Goiás, aqui em Campos Belos, tendo em vista à falta de prestígio atribuída à própria instituição na formação daqueles que irão atuar, de fato, na educação. Em especial, neste "movimento" desencadeado pelos estudantes da Universidade situada em Campos Belos algo tem sido fulcral: a postura inflexível e, portanto, inaceitável do Sr. diretor Adelino Machado frente às dificuldades apresentadas pelos discentes. Enfim, acima de qualquer coisa, o que se quer é uma gestão mais democrática, pois assim a evolução será conjunta.

Anônimo disse...

Boa noite

Até hoje não entendo o porque nada e feito sobre as denuncias feitas contra o diretor de nossa instituição, varias reclamações foram feitas na ouvidoria, em sites como do blog como o seu e nenhuma providência e tomada.

Hoje vai para o terceiro dia de paralisação e nada e feito, reclamamos até sobre como e contratado os funcionários da instituição, a ultima funcionária a coordenadora administrativa Alessandra não sei como passou, conheço ela de outros serviços e sei muito bem quem ela é, inclusive deveria saber o porque ela saiu da outra empresa, antes de contratá-la, se soubesse o que ela fez com certeza não estaria aqui, somos persistentes principalmente porque desde que entramos aqui a primeira coisa que nossos professores ensinam e a luta por nossos direitos.

Se preciso for vamos continuar a paralisação, por favor mande algum fiscal para avaliar as denuncias, o nosso diretor já falou que não vai atender nós alunos, ou seja não tem conversa.

Anônimo disse...

Caro blogueiro, é visível que parte dos alunos que insistem "reivindicar" são meramente pessoas instruidas por uma terceira pessoa. É visivel também que, tais pessoas influenciadoras reivindicam por não poder assumir um cargo a altura da direção da Universidade Estadual de Goiás. O que me é sabido, é que tal paralisação diz respeito a educação básica oferecida pelo Estado de Goiás, e não para a Universidade Estadual de Goiás - UEG. Percebe-se ainda, que os alunos e outras pessoas que andam apoiando tal paralisação", não conhece de fato as normas e regras adotadas por uma Universidade. Os alunos que estão a frente disso, estão envolvendo o nomes de muitos outros, o que de fato é incorreto. O organizador da "paralisação" de fato nem sabe o que reivindica, uma hora é estágio, outrora é com relação a coisas que esta claro nítido no site da Universidade, e por um motivo de "desatenção" pode não ter lido, ou melhor compreendido do que se trata todo e qualquer documento presente no site. Participei de todos os processos seletivos pelo qual o aluno acima menciona, NÃO CONSEGUI CLASSIFICAÇÃO, mas nem por isso vou levantar falso para falar que funcionários entram na universidade sem a devida competência.
Para os alunos que por um motivo ou outro nao compreende o significado, segue abaixo:

O que é Edital:

Edital é um ato escrito em que são apresentadas determinações, avisos, citações e demais comunicados de ordem oficial.

www.ueg.br

obs: caros alunos, antes de qualquer falsa acusação, procure conhecer mais as normas da UEG, consulte o site da instituição, citado logo acima


Peço por gentiçeza sr. blogueiro, que o sr. compartilhe este comentário, pois algumas pessoas de fato estão postando e levantando questoes inválidas por aki

Unknown disse...

É muito fácil querer criticar a realidade dos outros, quando estamos fora dela, você que escreve anonimamente criticando nos acadêmicos da UEG se tem uma formação lamento dizer, tomara que você nunca precise de ninguém vim aqui chamar nos de incompetentes é fácil, vá conhecer a realidade dos alunos antes de abri a boca para falar mal de nos. Fabricy Araújo

Fabricy Mileny disse...

É muito fácil querer criticar a realidade dos outros, quando estamos fora dela, você que escreve anonimamente criticando nos acadêmicos da UEG se tem uma formação lamento dizer, tomara que você nunca precise de ninguém vim aqui chamar nos de incompetentes é fácil, vá conhecer a realidade dos alunos antes de abri a boca para falar mal de nos. Fabricy Araújo

Anônimo disse...

Está na hora de você conhecer a realidade desses alunos que estão falando, além do que não vivemos em um estado absoluto!!! Que eu saiba não vivemos no estado de Hobbes, o absoluto e incontestável, sendo assim dê subsídios para que os alunos possam largar tudo e fazer o estagio, e por favor não se refira de modo hipócrita sobre horário de funcionamento da educação infantil e ensino fundamentam, uma vez que a liberação é pedida para que seja realizado um estágio de qualidade, sendo inviavel estagiar, trabalhar e estudar... Enfim irá ser uma bagunça e sem aprendizagem!!! Ainda mais para os alunos de outros municipios!!! E por fim você não participou do estágio de todos alunos para afirmar que burlavam as obrigações!

Fabricy Araújo disse...

Chega a ser incrédulo os comentários aqui postado criticando nos acadêmicos da UEG,me sinto frustrada e desestimulada com a atitude de certas pessoas que abrem a boca para nos chamar de incompetentes ,preguiçosos,quantos aqui saem de casa todos os dias largando filhos as vezes ate doentes ,maridos para estar aqui cumprindo seu papel de estudante,e quando resolvemos reivindicar algo que esta nos prejudicando somos tratados como baderneiros ,que universidade é essa que tenta inibir e ate mesmo coagir seus alunos para que não proteste e demonstre sua indignação,sinto que tudo que vi ate hoje sobre os estudos de filósofos que devemos lutar por aquilo que acreditamos, não passa de mera hipocrisia e aquele falso discurso de não nos alienarmos que triste balela, me sinto sem chão e nesse momento começo a mim questionar a real importância de alguns discursos escutados ate aqui na minha formação. Fabricy Araújo

Anônimo disse...

olha eu quero informar a estes anônimos que nos alunos estamos amparados pelas leis e normas do estágio, por favor não nos subestime desta forma, somos acadêmicos formadores de opiniões, críticos e pesquisadores. Ressalto que segundo as normas do estágio supervisionado é responsabilidade da UEG custear o deslocamento do professor orientador do estágio até o câmpus em que ele está sendo realizado. Também na mesma não diz que temos a obrigação de estagiar somente no Câmpus onde está localizada a UEG, outro ponto é que a liberação para estagiar não prejudica nossa carga horaria, assim sendo a não liberação vai exceder a carga horaria do curso.
Agora para estes que nos chamam de "folgados", eu moro no Distrito Prata, à 37km de distância do polos de Campos Belos onde curso o 3º ano de Pedagogia, saio de casa as 16hs para estudar, e retorno só as 23hs30min, ainda não mencionei a precariedade de transporte e da estrada que não é asfaltada, o Sr. Dinomar inclusive já relatou algumas noticias da luta dos universitários montealegresse para continuar sua formação. Caro anônimo que não tem coragem de colocar seu nome, não fale o que você não sabe.
Atenciosamente: Tamires

Anônimo disse...

Eu só acho que antes de qualquer mudanças o diretor deveria conhecer melhor as leis e normas de estágio, alem disso ele não consultou ninguém para fazer tais mudanças, nem mesmo os professores de estágio. Entretanto isto parece bem com ele, pois ele nunca se importou com a opinião dos professores veja lá dos alunos. Desde que o Adelino assumiu a direção a ueg está abandonada, dificilmente vemos ele na universidade. Fato é que o a UEG de Campos Belos de Goiás é a primeira universidade que funciona sem diretor.