Banner 1

sábado, 5 de dezembro de 2015

Tensão no Campo: Sem Terras reocupam fazenda em São João da Aliança (GO). Líder do movimento é expulso da FNL





Imagens do momento da reintegração (gravado pela FNL)

Continua tensa a situação no campo na região de São João da Aliança e Alto Paraíso de Goiás, no nordeste do estado.

A polícia militar, com apoio de 13 viaturas da GPT (grupo de patrulhamento tático) e homens do batalhão de choque da PM goiana conseguiram cumprir o mandado judicial de reintegração de posse na última sexta-feira (5), após muita negociação e sem confronto grave. 

As negociais foram entre oficiais da PM e o líder da Frente Nacional de Luta Campo e Cidade (FNL) em Goiás, Hugo Zainda, que lidera cerca de mil famílias que ocupavam as quatros áreas da fazenda Cerrado e Isabel. 

No entanto, segundo o sargento Elias Alves, que comanda a PM em São João da Aliança, não se passou nem um dia  do cumprimento da reintegração de posse, e o movimento de Sem Terras ocupou o local novamente. 

Hoje conversamos também com Hugo Zaidan. Ele disse que durante a desocupação, foram queimados barracos e um avião dedetizador sobrevoou a localidade e ateou veneno numa plantação de milho e feijão dos integrantes do movimento, de cerca de 700 hectares. 

“Colocaram veneno  com um avião na plantação e o povo está acampado agora na rodovia. Algumas pessoas passaram mal devido ao veneno”, disse uma integrante, via whatapp.  

Líder é expulso da FNL

A mesma integrante diz que o líder nacional da FNL, José Rainha Júnior, resolveu expulsar o líder goiano do movimento, Hugo Zaidan.

Rainha é ex-lider do MST e agora líder da FNL. Ele foi condenado em junho passado, na Justiça Federal, a 31 anos de prisão, por desvio de recursos de assentamentos do MST. Leia mais 

Hugo Zaidan disse que não recebeu a notificação oficial da FNL, mas tem conhecimento do áudio e confirma a cisão da FNL.  

“Nós hasteamos uma bandeira branca e não pertencemos mais à FNL. 

Vamos fundar outro movimento, com outro nome. Rainha queria que radicalizássemos o movimento e não aceitei. Tenho muita experiência no campo e não vou radicalizar. Por isso, resolveram me expulsar”, disse Zaidan. 

Um áudio distribuído na região e feito por Petra Magalhães, coordenadora da FNL no DF, diz que Hugo Zaidan não faz mais parte da organização e foi expulso por toda a direção da FNL. 

Petra pede desculpas pelos atos imorais e irresponsáveis do militante Zaidan. E diz que aquilo que tiver dentro das normas e princípios do movimento, toda a direção do FNL está disposta a lutar. 

O áudio, no entanto, não cita quais foram os atos imorais e irresponsáveis de Hugo Zaidan. 

Cerca de 4 mil famílias, lideradas por Zaidan, ocupam 9 áreas no nordeste de Goiás.  Duas em Alto Paraíso de Goiás, duas em Formosa e sete em São João da Aliança. 

O movimento argumenta que todas as áreas pertencem ao ex-diretor da Assembleia Legislativa do Paraná, Abib Miguel, conhecido como Bibinho, e que foram compradas com dinheiro público roubado. 

Caso Bibinho 

Em junho passado, a Justiça do Paraná aceitou uma denúncia contra Abib Miguel. Ele e outras 12 pessoas são acusadas de crimes como lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Dentre os denunciados, há sete parentes de Bibinho.

De acordo com o Ministério Público, Bibinho foi responsável por desviar mais de R$ 200 milhões dos cofres públicos usando funcionários fantasmas na Assembleia Legislativa. O caso veio à tona com a série de reportagens "Diários Secretos", publicada pela RPC e pelo jornal Gazeta do Povo.

Segundo as informações apuradas à época, Bibinho foi apontado como a figura principal do esquema de contratações irregulares no Legislativo paranaense. 

As nomeações eram publicadas em Diários Oficiais, com impressão reduzida, que nunca eram distribuídos. A série intitulada “Diários Secretos” ganhou o Prêmio Esso de Reportagem, a principal premiação do jornalismo brasileiro.

Alguns dos processos aos quais Bibinho respondia chegaram a receber condenação por parte da Justiça. No entanto, em março deste ano, o Tribunal de Justiça do Paraná decidiu anular todas as condenações, cujas penas já somavam 37 anos de prisão em regime fechado. 

Dos três desembargadores que analisaram o caso, dois votaram pela anulação das condenações por apropriação de dinheiro público, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro.

O entendimento dos desembargadores foi de que houve cerceamento da defesa durante a condução do processo. 

Em um dos depoimentos prestados por Bibinho, o advogado não pode acompanha-lo, e ele afirmou que só falaria na presença do criminalista. Desta forma, os processos voltam à primeira instância.

Com informações da Folha de SP e do Portal G1



Racha: Audio da FNL comunica expulsão de líder

2 comentários:

Valmir "Crispim" Santos disse...

Situação complicada essa de São João da Aliança meu caro Dinomar Miranda. De um lado temos as áreas comprovadamente adquiridas com dinheiro fruto de roubo em órgãos públicos do Estado do Paraná. De outros milhares de famílias que de alguma forma foram expulsas da terra e enxergam nessas áreas a possibilidade de retorno à terra e reproduzir seu modo de vida com dignidade. Por várias vezes visitei o Acampamento Nelson Mandela e conheci de perto a luta dessas famílias liderados pelo militante Hugo Zaidan. Sua luta e a preocupação em garantir a posse da terra às famílias por ele lideras transparecem em sua dedicação, que, o levou inclusive a abdicar de uma vida social,tendo que mudar de cidade para garantir o mínimo de segurança a sua família. Não conheço a fundo as orientações da direção nacional da FNL, mas a expulsão de Hugo Zaidan repete o mesmo que o próprio Zé Rainha sofreu quando foi expulso do MST. Zaidan é um líder de base, da linha de frente na luta pela Reforma Agrária e de melhores condições de existência aos camponeses da Chapada dos Veadeiros.Ao levantar outra bandeira na luta pela Reforma Agrária, o líder destituído Hugo Zaidan será seguido pela maioria dessas famílias que já construíram história na Chapada dos Veadeiros. Pelo pouco que o conheço fico com as concepções de Hugo Zaidan e sua forma de luta pela Reforma Agrária. Quero também manifestar meu repúdio a reintegração de posse das propriedades em questão, tendo em vista que na origem está o roubo de recursos públicos. São fatos que precisamos acompanhar de perto.

Abraços a todos que estão na linha de frente dessa luta

Pedro Silva disse...

E vergonhoso esse comportamento da FNL haja vista que quem estava do lado da quelas famílias na hora do terror, panico atrocidade de fazendeiros e policias corruptos foi o senhor HUGO ZAIDAN, meus parabéns Hugo você e digno de está do lado desse povo sofrido que podemos observar no olhar medo e o terror dessa cidade sem lei, até quando a justiça vai se corromper e ficar do lado de bandidos, e vergonhoso estamos no seculo 21 não e necessário haver massacre e derramamento de sangue para fazer a reforma agrária nesse pais, e vergonhoso o comportamento dos policiais assistindo avião pulverizar veneno secante na plantação e nas pessoas, são seres humanos presenciando seus sonhos destruídos por uma corja sem escrúpulos, que não conhece a moral e os bons costume, vale ressaltar que a terra foi Deus que nos deu e não cobrou nada por ela, deixo aqui a minha revolta e indignação e digo ao senhor José Rainha que não é bandeira que dar terra pra trabalhador, HUGO quero lhe dizer que estou nessa luta com você para o que der e vier,
avante companheiro de cabeça erguida foi essas familiais que te escolheu, Deus e contigo amigo!