Banner 1

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Faz parte da nossa história: Vendedor Juarez está há mais de meio século atendendo nossa região



Por Jefferson Victor,

Aos 76 anos de idade, o vendedor Juarez, conhecido como Juarez vendedor de chapéu de palha é um desbravador em nossa região no ramo de vendas.

Há meio século ele iniciava suas atividades, era uma época em que não existiam estradas, eram caminhos lamacentos, vários atoleiros e poucos se aventuravam a viajar por uma região tão deserta que as vezes levava semanas para se chegar à capital Goiânia.

Juarez com uma rural traçada enchia o veículo de chapéus e armarinhos e vinha se aventurando, fazendo pequenas vendas pelo caminho, fazia as entregas e recebimentos, e com isto conheceu todos os comerciantes da região que tiveram alguma atividade nos últimos 50 anos.

Ele conta que nos anos 60 em sua primeira viagem até a cidade de Dianópolis, hoje localizada no Tocantins, diante da preocupação da família com uma localidade tão distante e com tamanha precariedade, resolveu então mandar um telegrama para informar que estava tudo bem, e com isto tranquilizar seus familiares, acontece que depois de tanto tempo ainda esperam que os Correios façam a entrega do comunicado.

Juarez começou como vendedor na extinta Casa Mesquita e durante todo este tempo trabalhou para apenas quatro empresas e hoje trabalha para a Gardem Comercial e continua com o ramo de armarinho e utilidades domésticas e faz o mesmo percurso que iniciou há 50 anos.

Ele foi também o primeiro vendedor de móveis nesta região, vendia fogão, geladeira tudo a prestação, realizou o sonho de muitas pessoas que adquiriam esses artigos de luxo para a época.

Naquele tempo tudo era muito difícil, a maioria dos comerciantes, por falta de vendedores, dirigiam-se aos grandes centros para fazerem suas compras, a entrega era demorada devido às condições das estradas, e por falta de transporte adequado, muitas mercadorias chegavam avariadas, mas eram comercializadas mesmo assim, o consumidor não tinha escolha.

Juarez aposentou-se, mas como ele mesmo diz: se parar enferruja, por isto continua em atividade, sempre com carros espaçosos onde transporta parte da mercadoria que vende, muito comunicativo, é uma figura folclórica, mantem a mesma tradição dos tempos antigos, não usa celular e se orgulha de ser o mais antigo vendedor em atividade em nossa região.

Segundo ele, é comum pessoas o abordarem dizendo tê-lo conhecido quando ainda eram crianças, ele se sente muito gratificado com as lembranças, e de saber que contribuiu de alguma forma com o desenvolvimento desta região que se ainda hoje é carente, imagina há meio século, foi um desbravador neste seguimento de vendas.

Fica aqui a nossa homenagem a esse guerreiro que muitas vezes esperou as águas baixarem para poder atravessar os rios devido à falta de pontes, que dormiu por vezes em atoleiros esperando que a lama secasse para seguir em frente, que vendeu os primeiros móveis na região, que ajudou a divulgar a região para que outros vendedores iniciassem suas atividades melhorando a qualidade de vida de seus moradores.

Parabéns, Juarez pela sua dedicação, pela insistência e pela fidelidade à região, você melhor que ninguém conhece as várias gerações de comerciantes do nordeste de Goiás e sudeste do Tocantins, de uma certa forma você ajudou a escrever a história destes dois estados e terá para sempre o seu nome marcado como um dos que acreditaram na prosperidade destas localidades e é testemunha viva das várias etapas do lento desenvolvimento regional.

5 comentários:

artur fernandes disse...

A você meu irmão Juarez pois assim posso chamar pela força que nos une. Sou testemunha desta sua trajetória pois lhe conheço desde a época da Rural. Parabéns meu irmão e fica o meu fraternal abraço. ARTUR.

Odilon Nestor Pereira Sobrinho disse...

Como Ex vendedor na região, tenha a honra de te-lo como amigo e irmão de ordem .'. , iniciei minhas viagens pelo nordeste de Goiás, algum tempo antes de Juarez mais precisamente em 1.964, em 1.965 ou 1.966 chegou o querido amigo. Permaneci no labor somente ate 1.968 quando fixei residencia na região, mais precisamente em Galheiros, atual Divinópolis, transferindo-me posteriormente para Arraias onde contrai matrimônio com Zildene Cardoso, Filha de Agripino Cardoso, neta de Adelino José dos Santos. Sempre encontramos o querido amigo, do qual tive o prazer de receber em minha residencia em Combinado nesta ultima terça feira, 15/12 a cordial visita. Faltariam adjetivos para descrever o Juarez. Odilon nestor Pereira Sobrinho, conhecido na região como Nestor.

Anônimo disse...

Conheço desde muito, não sei precisar. Senhor Juarez, homem íntegro, nosso amigo e verdadeiro. Sempre que pode visita minha família. Se eu precisasse de uma testemunha dos acontecimentos das nossas vidas, dessa parte do estado de Goiás, com certeza ele poderia ser, pois há mais de 30 anos ele está presente em nosso cotidiano. Grande pessoa. Merece toda nossa admiração e respeito.

Marcos Costa Ferreira disse...

E como conheço !!!! Lembro-me que ele se hospedava naquele hotel em frente à contabilidade Canaã!! Hoje Lojao do Bras!!! Ele praticamente não mudou nada dessa época pra cá !!! Deus abençoe sempre sr. Joarez!!!

Hamilton Mendes disse...

Realmente justa homenagem, lembro do seu Juarez, que teve um laço de amizade estreita com meu pai, pessoa de fino trato, de bom papo.Com certeza um desbravador na nossa região. Fica registrado nosso apreço e admiração.