Banner 1

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Sebastião Salgado: Que a Vale pague pela recuperação do rio que lhe deu o nome


“O rio levou uma punhalada, mas nós vamos recuperá-lo”. O fotógrafo se reuniu com a presidente Dilma Rousseff, em Brasília, para apresentar um projeto para tentar salvar a região onde nasceu e cresceu

Por Luiz Muller, 

“Nós temos o Vale mais degradado do Brasil, com só 0,5% de cobertura florestal. Por onde passa, essa lama tem provocado a esterilização do rio. É o maior acidente ecológico que já houve nesse rio. Talvez o maior do Brasil”

O fotógrafo Sebastião Salgado presenciou e denunciou para o mundo, ao logo de sua vida, uma infinidade de tragédias através das lentes de suas câmeras. Desta vez, o maior fotógrafo brasileiro tem dedicado total atenção a uma tragédia que aconteceu “no quintal da sua casa”, na bacia Hidrográfica do Rio Doce.

Desde que as Barragens da Samarco se romperam, no último dia 5, Salgado não parou quieto. Na manhã da última sexta-feira, ele se reuniu em Brasília com a presidente Dilma Rousseff, onde apresentou um grande projeto de recuperação do Rio Doce.

Como você avalia a situação do Doce hoje?

Esse desastre foi terrível, mas a morte do Vale começou muito antes disso. Eu venho presenciando, há décadas, essa situação. Mas estamos lutando, com projetos de recuperação ambientalpara reverter isso. A maioria dos pequenos e médios rios da Bacia, com a seca deste ano, já não correram. Nós temos o Vale mais degradado do Brasil, com só 0,5% de cobertura florestal. Está morrendo numa velocidade incrível.

O desastre em Mariana agravou o problema…

O que está acontecendo agora, com o rio, é o que acontece com um corpo que levou uma punhalada. A mancha que vem descendo e cobrindo o fundo do rio está esterilizando toda sua vida biológica. 

Os ovos dos peixes estão sendo soterrados. Não vão nascer mais tartarugas, rãs, sapos e todas as plantas aquáticas vão deixar de existir. Por onde passa, essa lama esteriliza tudo. É o maior acidente ecológico que já aconteceu nesse rio. Talvez o maior do Brasil.

Que propostas você levou para a presidente?

A nossa proposta é que as empresas donas da Samarco, a BHP e a Vale, constituam um megafundo com todos os recursos necessários para recuperar todas as nascentes do Vale Rio Doce. 

Esse fundo vai fazer com que o rio passe de um desastre terrível a um Vale que, a médio e longo prazo, seja um modelo para o Brasil. E que seja um projeto piloto. Então, hoje, o Governo Federal está constituindo um pequeno comitê que vai negociar com as empresas na direção da constituição desse fundo. 

Melhor seria se houvesse um acordo, pois os presidentes dessas empresas também têm plena consciência do desastre.
E a Dilma?

A presidente achou a ideia fantástica. A gente acomodou a reunião de uma forma curta, mas profundamente intensa.

Qual será o custo da recuperação do rio?

O custo da recuperação das nascentes fica em torno de R$ 3 bilhões. Outros custos vão ter que ser calculados. A proposta é de se criar um endowment (patrimônio perpétuo) para, com o fundo, termos recursos para recuperar o vale.

O Instituto Terra tem um projeto travado no BNDES. O que muda com essa tragédia?

O que muda é que agora vamos ter os fundos reais para fazer o que deve ser feito. O projeto entrou no BNDES e nós estávamos dependentes de um investimento a fundo perdido. Mas, com um contingenciamento de verba, o que era para Cultura e Meio Ambiente foi reduzido. 

E, apesar do projeto aprovado, nós não conseguimos dinheiro para sua constituição. Com a criação desse fundo, vamos ter recursos suficientes para recuperar todas as nascentes do Rio Doce. Vamos refazer o rio.

Como vai funcionar o fundo?

Nós temos que recuperar todas as nascentes, que é o projeto básico do Instituto Terra. Tem que estar incluído nesse fundo a recuperação de todas as matas ciliares do Vale e toda sua reserva legal. 

Como o rio foi destruído ecologicamente, nós não podemos permitir que ele receba mais detritos e mais resíduos. 

Temos que criar um filtro, e o filtro só se cria com a reconstituição da reserva legal e das matas ciliares. 

Nesse fundo também seria apreciada toda uma agricultura sustentável no Vale. Nossa proposta, levada à presidente, é que seja um fundo público-privado.

O que te move nessa luta para salvar o Rio Doce?

O Rio Doce é minha vida. Nasci e cresci nas suas margens, e acompanhei a degradação desse ecossistema. 

Eu estou dedicando uma parte da minha vida, a minha esposa está dedicando uma parte da vida dela, o conselho diretor do Instituto Terra está dedicando uma parte da vida deles para salvar o rio. 

Nós criamos uma instituição responsável e que está trabalhando na base, com as prefeituras e com os governos, e nós vamos recuperar o rio. Não tenho dúvida disso.

Fonte: Blog Luiz Muller

Nenhum comentário: