Banner 1

Banner 1

sábado, 21 de novembro de 2015

Cavalcante: Na Chapada dos Veadeiros, Kalunga, terra livre



A cidade de Cavalcante, 320 quilômetros ao norte de Goiânia, teve suas origens na atividade do garimpo de ouro. O trabalho duro era feito pelos negros escravizados. 

Os fugitivos do Arraial de Cavalcante se esconderam nos vãos de serra do Rio Paranã. E ali esse povo tem sobrevivido por muitos anos como um verdadeiro território de liberdade conquistada arduamente. 

O território Kalunga se estende para os municípios de Monte Alegre e Teresina e é banhado pela bacia do Rio das Almas.

O Sítio Histórico e Patrimônio Cultural Kalunga tem 230 mil hectares de cerrado, e cerca de 5 mil pessoas moram lá ou trabalham no entorno. É o maior território remanescente de quilombolas do Brasil.

Sempre em agosto é realizada a Romaria de Nossa Senhora da Abadia. 

A tradição tem mais de 200 anos, de cunho original religioso e que retoma traços da história brasileira, do ponto de vista dos negros, que construíram um arraial com capela e casas de adobe, usado apenas para esse festejo. O evento recebe cada vez mais turistas e pesquisadores de todo o país.

A impressão do forasteiro é de estar num cenário dos pintores Jean-Baptiste Debret ou Johann Moritz Rugendas, ao qual vão se incorporando elementos contemporâneos.

Nos últimos tempos, a religiosidade se mistura ao profano. Geradores de energia a gasolina iluminam o arraial, que vai sendo ocupado por bares e restaurantes abertos para receber forasteiros, e multiplicam-se mascates de miudezas, como óculos escuros, e outros exotismos. 

Existe a tensão entre o som da sanfona, das cirandas, cânticos, do pandeiro quadrado e das violas e o som dos automóveis, que reproduz as músicas mais tocadas nos centros urbanos. Esses conflitos são resolvidos pelo Imperador, que é o organizador da festa.

Mas nem tudo está ao alcance desse mediador, num território que mistura a tradicionalidade de seus fundadores com a cultura rude das sociedades que se desenvolveram sem senso de civilidade. 

Ali o Estado se apresenta para de alguma maneira intervir onde o poder do Imperador não chega. A maioria das famílias é beneficiária do Bolsa Família, há uma pequena escola, mantida de manhã pela prefeitura de Cavalcante e à tarde, pelo governo de Goiás.

O Ministério Público no estado desenvolve campanhas para combater violências como a doméstica e a prostituição de meninas quilombolas. Na edição de agosto da festa de Nossa Senhora da Abadia, houve um mutirão organizado pelo órgão para discutir o assunto com moradores e visitantes. 

A região, integrante da Chapada dos Veadeiros, tem rios e o cerrado ameaçados pelo agronegócio e pela construção de hidrelétricas.

A reportagem visitou Vão de Almas e seus quilombolas em duas oportunidades. A primeira em maio de 2014 para conhecer alguns aspectos do cotidiano dos kalungas e seus fazeres ancestrais. 

Retornou para a romaria em agosto deste ano para presenciar a festa. Na documentação fotográfica, são destacados os aspectos ancestrais desse patrimônio da resistência e consciência negra.

Fonte: Rede Brasil Atual 






Nenhum comentário:

Postar um comentário