Pular para o conteúdo principal

Revista Carta Capital: Para as meninas quilombolas a hashtag não chega


Em abril deste ano, foi noticiada a denúncia de trabalho infantil e exploração sexual contra crianças e jovens negras da comunidade quilombola Kalunga, em Cavalcante (GO), cidade localizada na Chapada dos Veadeiros, a 310 km de Brasília.

Os relatos dos abusos, investigados pela Polícia Civil, foram à época transmitidos à Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (hoje Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos) pelo presidente da Associação do Quilombo Kalunga de Cavalcante (GO), Vilmar Souza Costa.

O assunto veio à tona numa reportagem da TV Record e denunciava o possível envolvimento de vereadores e ex-vereadores do município em casos de assédio sexual cometidos contra crianças e adolescentes negras.

Segundo informações da Record, o inquérito dessas denúncias surgiu no final de 2014, a partir de apontamento do Ministério Público de Goiás e mostra que Cavalcante registra, em média, cinco inquéritos similares por ano.

Após o caso de Valentina, a menina de 12 anos participante do programa Masterchef Júnior, que foi vítima de comentários criminosos por pedófilos nas redes sociais, me lembrei desse caso das meninas kalungas. Como será que o caso está?

Houve uma grande repercussão à época da denúncia, mas nada parecido com o que ocorreu com Valentina. Com isso, não estou afirmando de modo algum que a violência contra Valentina não deveria ser denunciada e apurada, estou tão somente externando um incômodo por não ter visto grandes sites feministas criarem campanhas de apoio às meninas kalungas ou maior comoção das pessoas.

A realidade dessas meninas é bem diferente da de Valentina. Tratam-se de meninas pobres que desde muito cedo vão trabalhar e ser exploradas em casas de famílias onde trabalhariam em troca de alimentos. Nesses locais, sofreriam os abusos sexuais pelos patrões. Na comunidade onde vivem não há escolas e, ao viverem longe dos pais, vivenciam maior vulnerabilidade.

Meninas negras, por sofrerem machismo e racismo, estão muito mais vulneráveis a esse tipo de abuso. Segundo dados da Unicef na pesquisa Violência Sexual, o perfil das mulheres e meninas exploradas sexualmente aponta para a exclusão social desse grupo.

A maioria é de afrodescendentes, vem de classes populares, tem baixa escolaridade, habita em espaços urbanos periféricos ou em municípios de baixo desenvolvimento socioeconômico. Muitas dessas adolescentes já sofreram inclusive algum tipo de violência (intrafamiliar ou extrafamiliar).

Ainda segundo essa pesquisa, no Centro-Oeste, o estado de Goiás é o que apresenta a situação mais grave – exatamente onde as meninas kalungas vivem.

Toda campanha criada no sentido de denunciar esse tipo violência é válida e necessária, mas é urgente pensarmos a partir de um olhar interseccional para que seja possível contemplar meninas com maior vulnerabilidade, sobretudo negras.

Pesquisei sobre a situação dessas meninas e não encontrei nenhuma informação que falasse sobre o andamento do caso. No mundo delas, onde campanhas com hashtag não as alcançam, quem não vai deixá-las cair no esquecimento?

Postagens mais visitadas deste blog

Urgente: Polícia frusta assalto a banco, em Campos Belos (GO). Há bandidos mortos. Gerente do Banco do Brasil foi sequestrado

Uma mega operação da Polícia Militar de Goiás, da Polícia Civil e da Polícia Militar do Tocantins frustou o que seria um dos maiores assaltos a banco de Campos Belos, no nordeste de Goiás. 
Ação da polícia ocorreu ainda há pouco. 

Ao menos oito homens fortemente armados se preparavam para assaltar e tocar o terror na cidade, quando foram interceptados e trocaram tiros com a Polícia. 

Há muitas viaturas da polícia nas ruas da cidade, parte do comércio fechou e há até um helicóptero da polícia civil dando apoio às operações da PM. 
As informações ainda são desencontradas.

Nos veículos dos bandidos foram encontrados fuzis e várias armas de fogo. 

Segundo informações, há mortos entre os bandidos.  

De  acordo com o major Carvalho, Comandante da PM em Campos Belos, os bandidos chegaram a sequestrar o gerente do Banco do Brasil e a família.

Ainda de acordo com o oficial, o gerente e a família foram libertados, sem ferimentos e confirmou que dois bandidos foram mortos. 

Seis estão foragidos. Ousados,…

Feminicídio brutal: Homem mata esposa e filho, em Campos Belos (GO)

Uma noite terrivelmente trágica abateu a cidade de Campos Belos, neste sábado (2). 

Um homem armado no setor Bom Retiro, identificado como Joecilio Pereira da Silva, de 38 anos, um pedreiro atuante em Campos Belos, voltou para a residência e iniciou uma forte discussão com a mulher dele, Catiane da Silva Dias, de 37 anos, uma cabeleireira da cidade.

As primeiras informações dão de conta que a mulher pediu a separação do casal.

Atordoado e sem aceitar a separação, ele teria passado o sábado bebendo em um bar próximo e no início da noite voltou para casa com a intenção de cometer o crime de feminicídio.

Um dos filhos do casal, Diemerson Pereira Dias, um estudante de 18 anos, partiu em defesa da mãe, quando o homem sacou uma arma e atirou duas vezes contra a mulher e depois deu outros dois tiros contra o filho.

Ambas as vítimas foram atingidas e morreram no local.

O segundo filho do casal, uma adolescente de 15 anos, fugiu da cena criminosa, temendo também ser assassinada pelo pai.

Os …

Milagre: em Novo Alegre (TO), carro capota, criança é arremessada e fica pendurada em árvore

Um verdadeiro milagre. É assim que pode ser descrito o fato que ocorreu nesta sexta-feira (15), numa rodovia estadual, no sudeste do Tocantins. 

Era por volta das 6h da manhã, quando um veículo Fiat Uno preto, placas JDU-3158, de Brasília (DF), capotou na rodovia TO-110, entre as cidades de Novo Alegre e Combinado (TO). 
No carro, seguiam duas mulheres e uma criança numa cadeirinha de bebê. 
Em determinado momento, a motorista do Fiat perdeu o controle do carro, que capotou diversas vezes, saiu da pista e foi parar em um barranco próximo ao leito da rodovia, totalmente destruído.  
O acidente ocorreu após dois km da cidade de Novo Alegre, sentido Combinado, na entrada de uma fazenda, de propriedade de "Dona Florinda".

No momento do capotamento, a criança, que estava na cadeirinha de bebê mas sem o cinto de segurança, foi arremessada violentamente para fora do veículo e jogada para cima de uma árvore.
Ela não caiu e ficou pendurada nas galhas de um cajueiro, numa altura de cerca de…