segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Justiça proíbe realização de vaquejadas no Distrito Federal


O Juiz da 3ª Vara da Fazenda Pública do Distrito Federal declarou ilegal a realização de vaquejadas em todo o Distrito Federal. Na decisão, divulgada na sexta-feira (16/10), o magistrado aponta que os animais usados nessa prática sofrem maus-tratos. 

A multa para quem descumprir a determinação é de R$ 100 mil por cada dia de vaquejada.

Também foi determinado que o Governo do Distrito Federal não concederá autorização ou permissão para realização de vaquejadas. Caso contrarie a decisão, GDF pagará igualmente multa de R$ 100 mil por dia de evento. Além disso, recairá sobre o governo a responsabilização civil e criminal por improbidade administrativa.

“A repercussão dessa decisão judicial fortalece ainda mais um ambiente que pode ajudar a eclodir na sociedade brasileira a percepção de que animais têm direitos e que esses direitos precisam ser preservados”, disse Bruno Pinheiro, presidente da Frente de Ações pela Libertação Animal (Fala).

Denúncia

Ativistas moveram uma ação judicial, por maus-tratos aos animais, para impedir uma disputa de vaquejada que ocorreria em Planaltina. Uma liminar, concedida em fevereiro deste ano, suspendeu o evento. Desde então, reacendeu a polêmica em torno do tema.

À época, os magistrados que analisaram o caso justificaram que a vaquejada expõe os animais a tratamento cruel. Os vaqueiros, em competição, tentam derrubar o boi dentro de uma área demarcada, puxando-o pela cauda, sujeitando o animal a lesões e mutilações.

Debate

Em maio deste ano uma audiência pública foi realizada na Câmara Legislativa para debater a regularização do evento e evitar maus-tratos aos animais. O autor da proposta, deputado Chico Vigilante (PT), argumentou que “a vaquejada é uma festa genuinamente brasileira”, e citou que mais de mil vaquejadas ocorrem durante o ano no país.

O deputado disse ainda que desde 2001 o peão de vaquejada é considerado atleta profissional pela Lei nº 10.220/2001. O parlamentar alegou que é preciso debater sobre as melhores condições de realização do evento. 

Citou como exemplo a necessidade de “pistas com condições necessárias para que o gado e o vaqueiro sofram menos”.

Fonte: Metrópoles

9 comentários:

  1. ISSO JA DEVIA TER ACABADO A MUITO TEMPO ... VAMOS PUXAAR O .... DE QUEM DEFENDE ESSA PRATICA PRA VER SE É BOM

    ResponderExcluir
  2. Muito bem penssado,demorou vaqueiros que arrumem outra profissão.

    ResponderExcluir
  3. A vaquejada e um esporte genuinamente seguido de lei e regularizado, com regras seguidas ao pé da letra. vaquejada nao e tortura vaquejada e cultura.

    aparece numa pista de vaquejada e fala que quer acabar com a festa pra ver o que vai acontecer.

    ResponderExcluir
  4. Quero ver enfrentar a justiça,ja que sao valentoes.

    ResponderExcluir
  5. nosssa!!!! fiquei triste adoro tanto esse esporte....

    ResponderExcluir
  6. Vaquejada e o esporte que corre muito dinheiro e proibir nao vai dar pq se proibir vaquejada o roubo e morte vai dobrar na vaquejada tem cavalo avaliado em 3 milhoes VAQUEJADA E CULTURA ... #EUAPOIOAVAQUEJADA

    ResponderExcluir
  7. Vaquejada e o esporte que corre muito dinheiro e proibir nao vai dar pq se proibir vaquejada o roubo e morte vai dobrar na vaquejada tem cavalo avaliado em 3 milhoes VAQUEJADA E CULTURA ... #EUAPOIOAVAQUEJADA

    ResponderExcluir
  8. #EUAPOIOAVAQUEJADA...

    ResponderExcluir
  9. Se for assim tem que liberar as drogas,movimenta muito dinheiro,sou contra maus tratos de animais,e tudo que é ilicito.Demorou já vai tarde.

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.