Concurso da prefeitura foi desorganizado, afirma leitora


"No último domingo foi realizado as provas do concurso público da prefeitura de Campos Belos.

Chegando no local da prova, enfrentamos uma grande fila para entrar.

No edital informava que:

9.10 - Não será permitido ao candidato entrar no local de realização de prova carregando consigo, bolsa, sacola, pochete, carteiras (exceto de bolso), brincos, armas ou aparelhos eletrônicos (bip, telefone celular, qualquer tipo de relógio, walkman, agenda eletrônica, notebook, palmtop, receptor, gravador, etc.), ou usando óculos escuros, assim como, a candidata ou candidato que tenha cabelos longos, com os mesmos soltos.

Quando chegou a minha vez, não deixaram entrar por causa do capacete. 

Pedi para me deixar entrar, pois guardaria o capacete perto do portão, no corredor do colégio, mas não aceitaram. 

Fui no lugar que estava a moto e deixei o capacete. Quando voltei ao portão me mandaram voltar pro final da fila.

Quando chegou novamente a minha vez não podia entrar porque estava com uma garrafa de água mineral na mão, a chave da moto e a da casa. 

Fiquei indignada. Reclamei bastante mas não podia entrar. Como posso deixar o capacete na moto com a chave, e a mesma coisa de pedir pra alguém me roubar. 

A minha sorte que tinha um policial educado que guardou pra mim as chaves e a garrafa de água. Consegui entrar.

Dentro do colégio tinha apenas um bebedor e 2 copos pra 200 pessoas tomar água.  

Sem contar que no colégio que fiz a prova, as cadeiras eram infantis. Teve pessoas que quase não couberam na cadeira.

Na minha sala tinha uma mulher que já trabalha como agente comunitário de saúde. 

Agora fico pensando que esse concurso e mais uma forma da prefeitura enganar a comunidade. 

Tantas dificuldades pra entrar no local da prova, fez com que algumas pessoas volta-se em casa para guardar suas coisas e não deu tempo de chegar antes que o portão fecha-se.

No edita: Prova Específica:

- Dengue;
- Febre amarela;
- Leishmaniose;
- Atribuições e atividades do ACE;

Foram cobradas: doenças de chagas, hanseníase, encefalite, malária, poliomielite, rubéola...

A prova estava em um saco plastico branco, achei o lacre muito frágil. Qualquer pessoa podia abrir e cola de novo.

O concurso foi desorganizado."