sexta-feira, 21 de agosto de 2015

Comandante da PM em Alto Paraíso (GO) é afastado do cargo depois de Audiência Pública e muita pressão



O sargento Elias Alves confirmou que o major da PM goiana Carlos Eduardo Belelli, comandante da 14ª Companhia Independente de Polícia Militar, que abrange as cidades de Alto Paraíso de Goiás e São João D'Aliança, foi mesmo afastado do cargo hoje. 

O comando da PM afastou o oficial devido à forte pressão de integrantes da FNL e do Ouvidor Nacional Agrário, desembargador Gercino José da Silva Filho

Nesta quinta-feira (21), durante uma audiência pública entre integrantes dos movimentos sociais, autoridades federais, estaduais, municipais e militares, o comando da FNL na localidade reclamou bastante da ação dos policiais em desocupações de terras na Chapada dos Veadeiros. 

Na Audiência Pública, o Major Belelli foi obrigado a encurtar a sua fala, a pedido Ouvidor Nacional. Ele também foi vaiado pelos integrantes do grupo Sem Terra que lotaram o Ginásio de Esporte de São João da Aliança. 

Ontem, o Ouvidor Agrário Nacional afirmou que o major Carlos Eduardo Belelli, agora ex-comandante da 14ª Companhia, "tinha problemas" e que iria solicitar junto ao Governo do Estado de Goiás a sua imediata transferência para outra localidade. 


Hoje pela manhã, em conversa informal, o major Belelli chegou a afirmar que entrará com mandado de segurança junto à justiça para manter seu cargo e posteriormente com uma ação de "danos morais" em desfavor do Ouvidor Agrário Nacional. 

Segundo Elias Alves, um novo comandante já foi designado para a 14ª Companhia Independente de Polícia Militar Polícia. É o major Isaías Inácio (foto).

O major Isaías Inácio atualmente é comandante do 21º BPM em Planaltina GO, sendo que há cerca de 7 anos comandou a PM de Alto Paraíso de Goiás.

Com informações Elias Alves 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.