terça-feira, 18 de junho de 2013

Histórico: jovens e a "Revolução do Vinagre" enfervecem o país



O movimento começou há duas semanas em São Paulo e ontem explodiu no Congresso Nacional, nas grandes avenidas de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Vitória e outras dezenas de cidades. 

É a “Revolução do Vinagre” fazendo história pelas mãos dos jovens brasileiros e suas mídias sociais.

Formado em sua maioria por jovens, no início, os ativistas reivindicavam o cancelamento do aumento das passagens de ônibus da capital paulista, que subiram vinte centavos.

No entanto, a cobertura factoide da grande imprensa ( TV Globo, Folha de São, Estado de São Paulo, Diário de Pernambuco, dentre outros) logo trataram de desqualificar o movimento e a tachar seus integrantes de "vândalos".

Por três dias consecutivos o Jornal Nacional da TV Globo fez questão de pautar a cobertura, mostrando “os estragos” feitos pelos "vândalos" nas estações de metrôs, nas catedrais do centro, pichações e depredações.

A parcialidade chegou a tanto, que em um dado momento a Folha de São Paulo, na mesma página principal do jornal, numa  leitura totalmente política, chamava os integrantes do movimento da Turquia de ativistas e os do Brasil de "vândalos".

Somaram-se a isso as declarações inconsequentes e intransigentes do governador do estado de São Paulo e do prefeito da capital, o que obviamente  legitimou a ação da polícia.

No dia seguinte, legitimada por seus chefes, a tropa foi extremamente agressiva e agrediu deliberadamente os manifestantes e quem mais estivesse nas ruas.





O resultado não podia ser pior.

Mas desta vez, o discurso oficial do “uso necessário da força” foi esvaziado pelas centenas de imagens e vídeos da truculência e da violência exagerada do Estado, que logo se tornaram virais na internet. 

Centenas de presos e feridos, jornalistas alvejados covardemente e ativistas  atacados sem a mínima cerimônia e respeito ao estado de direito e ao direito constitucional da livre manifestação.

Em uma das imagens que correu as mídias sociais foi sobre a prisão de um jornalista da revista Carta Capital, que carregava em sua mochila uma  garrafa de vinagre. 

Ele explicou aos policiais que era jornalista e levava o vinagre para aliviar os efeitos das bombas de gás lacrimogêneo.  

Ele foi preso mesmo assim.

Outros dois jornalistas foram alvejados nos olhos por balas de borracha. Um deles corre grande perigo de perder um dos olhos.

Tudo isso caiu como uma bomba nas redes sociais, o grande corredor e arena de debates dos novos ativistas. 

E a revolta tomou conta do país. Agora não era apenas por vinte centavos. 

Já com o nome de Revolta do Vinagre (dentre outros nomes como a Primavera Brasileira), o movimento ganhou musculatura e solidariedade nas outras capitais.

E o movimento que era contra o aumento das passagens,  ganhou outras várias bandeiras, engasgadas há tempos nas gargantas dos brasileiros:  a intromissão da FIFA nos assuntos internos do país; a corrupção desenfreada em todos os níveis de governo; a volta da inflação; a falta de investimento em áreas essenciais de serviços públicos como o transporte, a saúde, a educação.

Principalmente em contradição com os altos investimento nos estádios da Copa do Mundo, na cara, todos alvos de desenfreada corrupção. 

Só o estádio Mané Garrincha, de Brasília, que custaria inicialmente 750 milhões de reais, no final chegou a mais de um bilhão e meio.   

E a audácia da FIFA foi tão grande, que obrigou o governo do Distrito Federal a comprar dois milhões em ingressos, se quisesse agradar seus  convidados no jogo de estreia da Copa das Confederações.

Outros motivos não faltaram para o levante dos ativistas, como a tentativa do Congresso Nacional em tirar poder do Ministério Público de investigar – a chamada PEC 37 - principalmente os casos de corrupção.


E pasmem: parece que o levante “Revolução do Vinagre” pegou todos de surpresa. Tem muita gente boa por aí até agora calada sem saber o que dizer. 

E hoje deve ter mais...

3 comentários:

  1. Enquanto isso, a Glória Pires, que mora em PARIS, recebeu a bagatela de 730 MIL REAIS de cachê para mentir ao povo goiano e "vender" um GOIÁS que não existe. Ou melhor: SO EXISTE NA PROPAGANDA MENTIROSA DO GOVERNO DO ESTADO DE GOIÁS...

    ResponderExcluir
  2. Muito bom o texto, realmente existem muitas pessoas boas que estão caladas. O que está acontecendo é que as pessoas que vão as ruas pacificamente fazem um protesto maravilhoso, mas que fica marcado pela minoria (a oposição) que está "vandalizando"... Realmente é assim que a mídia está passando o movimento agora. O grande problema é que isso intimida mais as pessoas dentro de casa, botando o medo de sair e protestar. Eu acho que as pessoas que estão sendo chamadas de vândalas estão cheias dos problemas que vem de muito tempo (assim como você mencionou) e que encontram essa maneira para se expressar, novamente não concordo com esse tipo de protesto pois o Estado não irá ceder a violência... ou vai? Enfim, sou a favor da PAZ e das pessoas irem as ruas sem medo de não voltarem como foram. Sou uma menina de 16 anos com muito orgulho e vontade de gritar. VIVA A REVOLUÇÃO DO VINAGRE! VIVA LIBERDADE DE EXPRESSÃO! VIVA A DEMOCRACIA!

    ResponderExcluir
  3. Há muito tempo o Brasil é alvo de Políticos canalhas , empresários ansiosos por meter a mão nos impostos que pagamos e são totalmente deluidos nas várias instancias dos governos Municipal, estadual e Federal. Muito se sabe é nada se faz porque eles estão todos com os rabos presos. Pagamos impostos altíssimos para termos escolas, saúde e segurança porém somos obrigados a pagar escolas particulares, planos de saúde e ser vitima da policia. Sugiro em primeira instancia que a proposição de Crime inafiançável a Corrupção Ativa e Passiva nesse Pais. Só pra começar ...hoje eu vou levar um litro de vinagre as ruas. Abaixo os partidos e FORÇA BRASILEIROS! CADA DIA AUMENTA MAIS...

    ResponderExcluir

Os cometários aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores. Este Blog não se responsabiliza pelos comentários postados pelos leitores, que poderão ser responsabilizados e penalizados judicialmente por abuso do direito da livre manifestação.