quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Leitor reclama... Campos Belos suja, esburacada e sem carnaval



Caro amigo Dinomar, 

Sou um de seus vários leitores de seu blog e também um cidadão camposbelese. 

Vejo todos os dias suas matérias, sei que você é uma pessoa que muitos o ouvem, então venho aqui em virtude de minha indignação sobre o que acontece em nossa cidade. 

Já não bastasse a cidade toda suja e esburacada, e sem contar que vários serviços da prefeitura estão paralisados por conta de uma tal de “auditoria” que não acaba nunca.

CANCELARAM o único divertimento democrático de Campos Belos: o carnaval.  A desculpa  é de que a prefeitura não tem dinheiro e que a cidade esta cheia de pessoas de fora. 

Ora, primeiro é muita coincidência que logo após as eleições, o atual prefeito resolva cancelar o carnaval em vista de ele ter vencido o seu adversário por terem várias rusgas.  

E segundo, que eu saiba, na Constituição Brasileira todo cidadão tem direito de ir e vir. 

Então, neste caso, Campos Belos vive em uma ditadura e que não são bem vindas as pessoa de fora, com isso que paga são os cidadãos de bem de nossa cidade. 

Fernando silva

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Coordenador de movimento chama argumentos da São José de levianos e irresponsáveis.



O coordenador do "Movimento Fora São José!", Jefferson Victor de Souza, foi duro ao contestar as respostas da empresa às reivindicações dos usuários da linha de ônibus. 
O coordenador chamou de levianas e irresponsáveis as argumentações da diretoria da Viação São José do Tocantins. Parece mesmo que a pendenga só vai ser resolvida no Poder Judiciário.
Leia a íntegra da contestação: 

"MOVIMENTO “FORA SÃO JOSÉ”- AS ALEGAÇÕES DA  EMPRESA SÃO FALSAS, LEVIANAS, INFUNDADAS E  IRRESPONSÁVEIS.


Em síntese: No nosso entendimento a São José acha que temos mais do que merecemos e que estamos chorando de barriga cheia.


Vamos fazer aqui o nosso questionamento em cada alegação da empresa e vejam quanta hipocrisia, incoerência e irresponsabilidade nas argumentações infundadas e que na nossa visão mancham ainda mais a imagem da mesma junto aos seus  usuários.


As estradas arruinaram sim nos últimos dois anos, mas o histórico de quebra dos ônibus são desde que a empresa opera, portanto mentiram. 
As estradas ruins normalmente quebram suspensão, estouram pneus, mas  no caso da São José é na maioria das vezes motor, parte elétrica, câmbio, diferencial e hidráulico. 
Aproveitaram uma matéria do blog sobre o trecho da GO 118 para justificar o injustificável


Argumentaram que estão disponíveis seis ônibus com ar condicionado para atender nossa demanda. 

Mentiram novamente, são apenas quatro. Dois que compraram por último e que rodam à noite e os dois que rodavam à noite passaram para o horário da manhã às segundas, quartas e sextas. 

Isso prova que a administração não conhece a parte operacional da empresa, não adianta mentir, estamos atentos e somos conhecedores dos problemas por ela causados.


O fato ocorrido no dia 08/01/2013 não colocaram um ônibus mais simples, como alegam. Colocaram um sucatão. 

O tumulto durou mais de uma hora e só se resolveu com a chegada da polícia. Brevemente estaremos postando as imagens gravadas na ocasião, como forma provarmos que as alegações da empresa são pura ficção. Vamos mostrar que é sucata e não um ônibus simples como argumentaram.


O código de ética das empresas de transporte de passageiros diz que o bem estar e a segurança dos passageiros estão em primeiro lugar. 

Não é porque a ANTT não obriga, que a empresa não possa prestar um serviço de qualidade. Isso evidencia que eles só se preocupam em fazer o obrigatoriamente necessário, mas nem isso eles cumprem. É um descaso total, isso chega a ser falta de humanidade, ao se transportar passageiros nas condições atuais.


Ao contrário do que alegaram, os preços das passagens de outras empresas não são promocionais e sim estimulados pela concorrência.


A São José não concorre com ninguém, por isso age de acordo com as determinações da  ANTT com relação ao preço, e  por que não cumprem as outras determinações também estabelecidas pelo órgão? 
E vai ai o nosso questionamento. Por que esse órgão libera esses ônibus em condições tão precárias? Vamos investigar este fato e haveremos de achar a resposta.


Com relação à água que dizem colocar a disposição do passageiro, é eventual, pode perguntar a qualquer pessoa quantas vezes ela é servida.  

Eventualmente essa água é colocada em um bebedouro no ônibus ao lado do banheiro, meia hora depois ela já está quente, pois não há nenhum equipamento para seu resfriamento, e mesmo assim, poucos se atrevem a tomá-la. Não se sabe a sua procedência e muito menos a qualidade de higiene desse bebedouro, a imaginar pelo odor do banheiro poucos se arriscam a consumi-la.


Com relação ao bagageiro, não acontece só em períodos eventuais como alegam. Com o fechamento da empresa Nordeste Goiano, a Uruaçu Cargas triplicou seus preços e com isso grande parte dos comerciantes migrou para a São José, a qual  pratica preços mais acessíveis.  

É comum conflitos na rodoviária de Goiânia para acomodação das bagagens dos passageiros. Sempre há intervenção dos fiscais na resolução desses desentendimentos.


Quanto à alegação de que não é fácil colocar ônibus extras, é uma demonstração clara do descaso da empresa com os usuários dos seus serviços. 

Quem tiver alguma dúvida sobre o número da procura por passagens, é só ficar na rodoviária pelo período de uma hora, que verá ao menos umas cinco pessoas a procura de vagas.


Até concordaríamos que não colocassem o ônibus extra, desde que existisse alguma outra opção para o passageiro. Ninguém em sã consciência pode firmar qualquer compromisso contando com a certeza da viagem. 

Sempre vai ouvir um... "não tem passagem, o extra ainda não foi aberto, Anápolis não autorizou", é sempre assim, ou você compra com dias de antecedência ou vai procurar outros meios.


No item que alegam ter triplicado os ônibus e que em função disto não podem manter a mesma qualidade dos veículos, indiretamente acabam confirmando as nossas alegações de que não reúnem condições adequadas para o transporte de passageiros.


Agora eu questiono. Como puderam comprar uma frota tão grande para Brasília, cerca de 300 ônibus novos?  É fácil responder!  Lá é a capital, ou colocam veículos adequados ou perdem a concessão. O povo de Brasília come o filé e sobra pra nós aqui os ossos. Essa é a sensação que temos com relação ao tratamento que recebemos dessa empresa.


Com relação à reivindicação do sistema online para venda de passagens e cartão de crédito, queremos esclarecer que o sistema operacional não tem um custo tão elevado assim, basta ver que hoje existem milhares de empresas com um patrimônio imensamente menor que a São José e que operam dentro desse sistema.


Quem frequenta feiras livres em qualquer canto deste país, depara com pequenos ambulantes vendendo seus produtos com cartão de crédito. 

Esta afirmação da São José é no mínimo irresponsável, querem confundir a opinião pública. O problema deles na verdade é a falta de concorrência. 

Já tivemos informação de que a filosofia da empresa é que se ela pode receber na hora pra que mudar o que é mais lucrativo.


Vejam que usam o termo “NÃO HÁ PREVISÃO LEGAL”. Isto mostra que não estão preocupados com o bem estar do passageiro, só procuram cumprir aquilo que for extremamente obrigatório.


Numa coisa eles não mentiram, os espaços dos guichês de Goiânia são limitados, porém as demais empresas investiram em modernidade tanto no terminal quanto nos veículos que compõem suas frotas e grande parte delas são infinitamente menores que a São José.


 Linha São Domingos e Cavalcante. Vejam só a transcrição na íntegra das alegações da São José: “NÃO TEM PREVISÃO LEGAL. Ambas as linhas são intermunicipais, com cadastro na Agência Goiana de Regulação e além de não ser obrigatória a colocação de ar condicionado/sanitários nos ônibus, sua utilização é totalmente inviável em percursos de estrada de chão.”


Isso chega a ser repugnante. Quanto descaso com o pessoal dessas localidades. 

Será que esses administradores esquecem que transportam pessoas para esses municípios? Será que esquecem que essas pessoas têm necessidades fisiológicas e que não podem programar a hora de fazerem suas necessidades? Será que esquecem que qualquer um pode ter um desarranjo intestinal ou uma incontinência urinária?


Essas linhas normalmente transitam pessoas humildes e que às vezes pouco se expressam e que sentem constrangimento em pedir ao motorista que pare para que possam adentrar à mata para fazerem suas necessidades, o que pode ocasionar um sério aborrecimento e até mesmo bullying por parte dos outros ocupantes.


Estou aqui convocando as pessoas destas localidades para que protestem contra essa argumentação descabida da empresa, procurem seus representantes políticos, Órgãos de defesa do Consumidor, Ministério Público e façam valer os seus direitos. 

Liguem na empresa e mostrem os seus repúdios aos seus administradores que usam de subterfúgios para argumentarem o descaso e o desrespeito não só com você passageiro, mas também como ser humano que merece respeito e consideração.


Vejam só como terminaram suas alegações: “EM SINTESE, OS FATOS OCORRERAM EM FUNÇÃO DA ESTRADA IMPRATICÁVEL, DEMANDA ATÍPICA DE PASSAGEIROS NAS FÉRIAS DE VIRADA DE ANO”.


Estão colocando como se o problema fosse atípico. Estas informações não procedem não são fatos atípicos, são corriqueiros, acontecem desde que esta empresa chegou para nossa região, não sei a quem querem enganar.


A verdade sempre dói, quem transgride não gosta de ser questionado. No encerramento das suas alegações, entendemos que eles não estão confortáveis com o movimento, inclusive falam em incitações e que as críticas construtivas são bem vindas e que se olhe o histórico da empresa.


Nosso objetivo aqui é elogiar aquilo que for certo e criticar o errado, o povo da nossa região é pacífico e ordeiro, nossa manifestação é a busca incessante dos nossos direitos.


Se houvesse boa vontade da São José do Tocantins ao longo desses anos ás críticas da comunidade já teriam mudado o cenário atual de relacionamento entre a empresa e os usuários.


Temos presenciado ao longo desse período o esforço dos funcionários dos guichês e motoristas procurando justificar e corrigir as falhas cometidas pela empresa. 

Presenciamos no dia 08 de janeiro de 2013 o motorista passando por situação de perigo, foi cercado por usuários indignados o qual só se sentiu aliviado após a chegada da polícia e a troca do veículo.


Nas argumentações da empresa, publicada hoje (30/01/2013), no blog do Dinomar Miranda, não houve sequer a promessa de resolução dos problemas citados, não atenderam nenhum item das nossas reivindicações.


Imaginamos que quem escreveu é total desconhecedor dos problemas ou então um exímio embromador que usa argumentações distorcidas e tenta desviar a atenção de quem lê com links de materiais volumosos e de difícil entendimento. 

Buscam na ANTT, todos seus fundamentos como forma de provar que quem reivindica está errado e quem transgride os direitos do usuário está certo.


Já que não estão abertos ao diálogo, procuraremos então outros meios legais de provarmos que estamos sendo sucumbidos em nossos direitos por essa empresa.


Vamos procurar ajuda jurídica para que juntos tomemos as providencias cabíveis.


Agora uma coisa fica acertada. Não vamos abrir mão de nossos direitos, a luta continua e agora mais unidos que nunca, pois sabemos que não há boa vontade  por parte dos administradores da São José.


Vou lembrar aqui a música de Raul Seixas que diz: “Vou dar o meu grito desumano, que é uma maneira de ser escutado”.


Somos sabedores dos árduos caminhos que teremos que trilhar, mexer com o poder econômico demanda tempo, paciência e acima de tudo persistência."





MOVIMENTO FORA SÃO JOSÉ.

Sesc terá programação especial de carnaval em Arraias



Unidade móvel de lazer do Serviço Social do Comércio (Sesc) irá realizar em Arraias matinês destinadas às crianças para comemorar o carnaval a partir do dia 8 de fevereiro, terminando no dia 12. A programação é gratuita.

A festa, voltada para jovens e adultos, terá uma roupagem mais tradicional no projeto do Sesc, com canções carnavalescas. 


As crianças vão participar de concurso de fantasia, marchinha e cirandas.

Lazer


O Sesc institui em seus programas o aproveitamento adequado das horas de lazer por intermédio do equilíbrio físico e mental, bem como a integração social e promoção da educação.

Além dos comerciários, o Sesc oferece às famílias de baixa renda atividades esportivas relacionadas às áreas de cultura, educação e saúde.

Informações pelo telefone: (63) 3219-9123, acessando o site do Sesc, ou pelas redes sociais,FacebookTwitter e Youtube.

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Empresa São José do Tocantins responde reivindicações de "Movimento"




A empresa São José do Tocantins rebateu item por item todas as reivindicações do "Movimento Fora São José!". Lei abaixo a íntegra da resposta: 


"Sintetizamos as perguntas e respostas de forma a dar resposta homogênea a todos os questionamentos e reclamações:

01 - Quanto aos ônibus – quebras, reivindicação de ônibus novos e em número suficiente para que os passageiros possam viajar com segurança e conforto, colocação de  ônibus extra automaticamente para que nenhum passageiro deixe de viajar. Ônibus com melhores condições de higiene e fornecimento gratuito de água:


As quebras ocorridas nos ônibus não são por falta de vistoria e manutenção, mas em função das condições das estradas. 


O próprio blog postado com o título Rodovia GO-118: pedimos informações ao Secretário da Casa Civil, Vilmar Rocha, demonstrou através de fotos as  condições das estradas por onde desenvolve o itinerário da linha, fazendo destaque para a GO-118, no trecho de 120 km, entre Teresina e Campos Belos “...que mais parece um queijo suíço, de tantos buracos e crateras...”.  E esse não é o único trecho em condições precárias.


Para realizar os dois horários está disponibilizado até 6 ônibus com ar condicionado e sanitário e existe 2 reservas emergenciais com sanitário, mas sem ar condicionado.   

O fato ocorrido que está sendo muito explorado, relativo ao dia 08/01, , o que aconteceu foi que o ônibus que saiu de Goiânia e que iria retornar de extra, chegou em Campos Belos com a suspensão quebrada, em decorrência das condições das estradas e acabou sendo preciso colocar um ônibus mais simples para voltar, para não atrasar o horário previsto, mas nem realizou a viagem, outro ônibus que tinha saído de Goiânia às 12:00h chegou e realizou o horário.  

Vale esclarecer que o cadastro das linhas junto à ANTT não exige a utilização de ônibus semi-leito ou executivo (ar, água, etc), pois ambas são serviços convencionais

Apesar disso, a empresa utiliza esse tipo de veículo para oferecer maior comodidade aos usuários, sem cobrar tarifa adicional (existe coeficiente diferente para esses  serviços).

O preço praticado pela empresa está de acordo com os coeficientes autorizados pela ANTT, de acordo com o cadastro km da linha, se outras empresas estão cobrando preços mais baratos em outras cidades é porque estão fazendo promoção, em função de situação específica, como por exemplo, lugares sobrando de ônibus em trânsito.   

Os fatos mencionados nas postagens de problema com excesso de bagagens e quebra de ônibus ocorreram no final/inicio de ano, em período de festas natalinas e férias, em que ocorre um aumento muito grande de demanda. 

Entre Goiânia/Taguatinga praticamente quintuplica (5x) o número de usuários/horário (de 30 para 150).

Em relação à água, não entendemos o pedido porque já é colocado água para os passageiros, embora para o serviço convencional não seja obrigatório (serviço executivo é mais caro).   

O que aconteceu com o banheiro com cheiro de produto muito forte, foi na verdade excesso de zelo e um fato isolado, porque duas pessoas colocaram produto no banheiro. 

Infelizmente algumas pessoas possuem maior sensibilidade ao produto e quanto à limpeza dos sanitários e dos ônibus em geral já houve uma nova orientação aos lavadores. 

Quanto aos bagageiros, o transporte de mercadorias nos bagageiros dos ônibus é autorizado pelo Regulamento e a empresa disponibiliza espaço para as bagagens dos passageiros, mas acontece nesses períodos atípicos que as bagagens dos passageiros aumentam, pois muitos vêm à Goiânia fazer compras, e os bagageiros ficam lotados. 

O que a empresa faz nesses casos é retirar mercadorias para colocar as bagagens pessoais.  

Embora possa parecer simples aumentar um horário ou mais de acordo com a demanda, obviamente é preciso considerar que não se trata apenas de “vender a passagem”, mas precisa do equipamento adequado (ônibus)  e do operador (motorista) para conduzi-lo.

Nenhuma empresa possui um ônibus reserva para cada ônibus efetivo da linha parado apenas aguardando para reforçar determinada linha, o que acontece em períodos atípicos, por isso não é tão simples deixar disponível ônibus com motorista descansado para realizar uma possível viagem de longa distância à qualquer momento.

Pela experiência adquirida ao longo dos anos, a empresa faz uma previsão de extras e tem se esforçado em atender a demanda nesses períodos, que é muito variável e acontece de ser necessário colocar ônibus que embora sejam cadastrados e aprovados pela ANTT não oferecem o mesmo conforto daqueles que operam os horários efetivos durante todo o ano, ou então, deixar de atender. 

Nós triplicamos a operação no lugar de 1 mandamos 3 ônibus, não há como manter a mesma qualidade de ônibus.

É bom que se diga que muitas alterações estão por acontecer porque a ANTT, através do Projeto da Rede Nacional de Transporte Rodoviário Interestadual e Internacional de Passageiros - ProPass Brasil, também irá realizar reestruturação dos serviços de transporte rodoviário interestadual e internacional de passageiros. 

O Edital está pronto e aprovado.

Como pode ser constatado na internet (link abaixo)  a previsão desse novo sistema  é que a  reserva vai ser de apenas 10%, vai reduzir muito a possibilidade de realização de extras. 

Não mais existirão pequenas empresas regionais, só empresas nacionais. As linhas interestaduais da região de Campos Belos para Goiânia estão inseridas em um grande lote da Belém-Brasília - grupo 6, veja no link: http://propass.antt.gov.br/upd_blob/0001/1401.pdf

O relatório da Audiência Pública nº 120/2011, aprovado pela Diretoria da ANTT, está disponível para consulta no link http://www.antt.gov.br/index.php/content/view/6358/120_2011.html.

Para saber mais sobre a licitação dos serviços interestaduais operados por ônibus do tipo rodoviário acesse o link do transporte interestadual rodoviário do hotsite do ProPass, no link http://propass.antt.gov.br/


2)      Quanto ao programa online, para que o passageiro escolha a poltrona e sistema na internet para a compra de passagens, através do uso de cartão.

NÃO TEM PREVISÃO LEGAL. Para efeito de comparação entre serviços prestados por outras operadoras é preciso levar em consideração a quantidade de linhas e serviços ofertados por cada uma. No nosso caso, o nosso volume de linhas é muito pequeno e não justificou maiores investimentos.  

Algumas mudanças e adaptações que estavam em estudo pela empresa ficaram inviabilizadas, haja vista o  processo de licitação em andamento, o próprio Governo criou um impasse, de modo que não temos previsão para atender ao pedido de implantação de sistema on line para venda de passagens.   

Embora a tecnologia esteja avançada, esse tipo de site não é  simples como um abrir um blog. 

É necessária a implantação de um software complexo, com autorização do órgão gestor, homologação da Receita Federal, estadual, etc..

Quanto à escolha de poltronas, na linha Goiânia/Taguatinga existe uma particularidade, que é a quantidade de cidades ao longo do seu itinerário, ao todo, na volta,  são 8 (oito) agências que vendem passagens: Taguatinga, Novo Alegre, Combinado, Aurora, Campos Belos, Monte Alegre, Alto Paraíso, Terezina, além das agências de Goiânia e Anápolis, mas embora sejam muitas agências e apenas a agência de Campos Belos não ser terceirizada, elas não tem volume e nem infra-estrutura que justifique e permita a implantação de um sistema online entre elas (tem agências que vendem 2 passagens por dia), para a reserva de poltronas,  mesmo porque um “sistema” não é apenas colocar um computador, conforme comentado acima.

A cota de poltronas para cada agência foi a melhor forma de atender a todas as cidades. 

Essa cota é alterada, de acordo com a demanda. O número maior de cotas é em Campos Belos, que também atende as outras agências, que negociam entre si por telefone e fazem troca de poltronas quando o passageiro queira determinada poltrona que pertença à outra cidade.

Abrimos aqui um parênteses a respeito do comentário quanto à simplicidade do guichê de venda de passagens no Terminal Rodoviário de Goiânia, não foi possível compreender, porque os guichês do referido terminal são todos padronizados pela administração do referido terminal e inclusive há um estudo em andamento para a adequação de todos eles para melhor atendimento de pessoas com acessibilidade.  


3)      Que sejam colocados dois motoristas para viagem

Embora não haja excesso na jornada dos motoristas, pois trabalham dois dias e descansam 2, estamos estudando juntamente com os motoristas, uma nova escala para implantação, de acordo com a nova legislação.

4)      Que os guichês também apresentem a opção de pagamento com cartão de crédito e débito.

Foi enviado o assunto para análise do Departamento Financeiro. NÃO TEM PREVISÃO LEGAL. Existe a possibilidade de atendimento para as agências maiores. Precisa consultar funcionamento desse sistema e estudar viabilidade para implantação nas agências, mesmo aquelas com atendimento por agentes comissionários.


5)      Quanto às paradas na garagem da empresa em Anápolis

Foi determinada fiscalização desse procedimento e adoção de novas alternativas.

6)      Que a linha de São Domingos e Cavalcante sejam feitas com ônibus com banheiro e ar condicionado, possibilitando aos mesmos viajarem com os vidros fechados.  

NÃO TEM PREVISÃO LEGAL. Ambas as linhas são intermunicipais, com cadastro na Agência Goiana de Regulação e além de não ser obrigatória a colocação de ar condicionado/sanitários nos ônibus, sua utilização é totalmente inviável em percursos de estrada de chão.

Importante ressaltar que embora não se tenha o reconhecimento do esforço para continuar a prestar os serviços que são oferecidos na região, outras empresas que operavam na cidade se anteciparam às licitações previstas e por não suportaram a situação, simplesmente abandonaram as linhas.

Também informamos que existe projeto de licitação para as linhas de todo Estado de Goiás. Como pode ser verificado, a Agência Goiana de Regulação está promovendo consulta pública para receber contribuições da sociedade a respeito do edital de licitação do transporte intermunicipal de passageiros de Goiás: 

http://www.agr.go.gov.br/post/ver/149873/consulta-publica-edital-trip-go

 

Já foi publicado o modelo do edital, que prevê a licitação de 218 linhas divididas em 7 lotes, que correspondem a 7 eixos estruturais. Inclusive a mesma está acolhendo contribuições de todos que queiram colaborar no processo, podendo acessar a minuta do edital e seus anexos no site da AGR (www.agr.go.gov.br) e enviar suas críticas e sugestões para o e-mail consultaeditaltrip@agr.go.gov.br,  cujo prazo foi prorrogado para o qual estava previsto e termina no dia 21 de fevereiro/2013.

 

EM SINTESE, OS FATOS OCORRERAM EM FUNÇÃO DA ESTRADA IMPRATICÁVEL, DEMANDA ATÍPICA DE PASSAGEIROS NAS FÉRIAS DE VIRADA DE ANO.

MUDANÇAS ESTRUTURAIS NO MOMENTO NÃO SE JUSTIFICAM, POIS TODO O SISTEMA (REDE DE LINHAS) E EMPRESAS SERÃO MUDADOS, OS DOIS SISTEMAS (INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL) ESTÃO SENDO LICITADOS (EM CONCORRÊNCIA PÚBLICA).

Respeitamos o direito de expressão. 

Todas as sugestões dos usuários que nos chegam são bem-vindas e repassadas aos devidos departamentos e, na medida do possível serão atendidas.  

As reclamações e críticas, se forem ponderadas e construtivas também são bem vindas, no entanto, nesse caso,  alguns comentários não foram objetivos e aparentemente alguns deles foram postados de forma genérica, com o fim de gerar polêmica, acusar e instigar, sem levar em consideração os fatos atípicos, o esforço e o histórico da empresa." 

Brasília recebe prefeitos e prefeitas dos municípios brasileiros






Desde ontem (28), Brasília recebe mais de três mil prefeitos e prefeitas eleitos ou reeleitos em outubro passado.  

O encontro está sendo realizado no Centro de Convenções Ulisses Guimarães e acontece até amanhã, 30 de janeiro. 

Este blogueiro foi ao Centro de Convenções acompanhar o encontro, mas não conseguiu conversar com nenhum prefeito de cidades do nordeste de Goiás. 

Como há um "mar de prefeitos", na quarta-feira creio que consigo "bater um papo" com alguns dos representantes da região ou do sudeste do Tocantins e saber quais as prioridades de suas cidades e o que eles pretendem levar do governo federal. 

O encontro é organizado pelo Governo Federal e tem o objetivo de subsidiar os gestores municipais de informações  sobre programas e ações federais que ajudarão a iniciar ou a dar continuidade  à gestão local. 

O encontro tem foco no desenvolvimento sustentável, porém está dividido em quatro eixos:  desenvolvimento econômico, desenvolvimento social, desenvolvimento urbano-ambiental e participação social e cidadania. 

Onze ministérios do governo federal montaram salas de atendimento para receber os prefeitos.  

O prefeito que souber apresentar projetos interessantes, viáveis e em sintonia com as ações do governo federal pode sair de Brasília com o bolso cheio de verba para sua cidade. 

Presença de Dilma Rousself

Ontem, a presidente Dilma Rousself fez a abertura oficial. “Queremos que vocês se apropriem de todas as informações que o governo federal pode colaborar para seu município”, afirmou a presidente ao discursar na cerimônia.  

Ao tratar da área da saúde, Dilma Rousseff ressaltou a abertura de seleção para financiar a ampliação de 5.629 Unidades Básicas de Saúde (UBS) e para a construção de mais 1.253 novas unidades. 

“Além disso, nós vamos investir R$ 1,2 bilhão para melhorar os equipamentos destes postos de saúde, porque isso permitirá um melhor atendimento para a população e diminuirá, também, a pressão sobre os hospitais”, explicou a presidenta. 

Outro ponto abordado em seu discurso foi o repasse de R$ 12 bilhões para investimentos em saneamento, principalmente em municípios com menos de 50 mil habitantes.

A presidenta mobilizou os prefeitos presentes na cerimônia a assumirem o compromisso de oferecer atendimento digno à saúde de todos os brasileiros e brasileiras. 

Para isso, solicitou que os estados invistam em equipamentos, postos de saúde, Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e hospitais. 

Ela ressaltou ter conhecimento da ausência de médicos e outros profissionais de saúde, mas enfatizou que as providências para resolver este problema já estão sendo tomadas. 

“Eu quero assegurar aos senhores que o meu governo não vai se furtar a dialogar com os senhores. É um diálogo complexo, que é a fixação de médicos no interior do nosso país e nas periferias das grandes cidades”, assegurou a presidenta.

Com informações do Blog Ministério da Saúde 

domingo, 27 de janeiro de 2013

"Movimento Fora São José!" - Empresa prometeu e mais uma vez não cumpriu




Por Jefferson Victor de Souza,

"O descaso desta empresa com seus usuários chega a níveis insuportáveis. 

Desta vez ao ser questionada pelo jornalista Dinomar Miranda, um de seus diretores prometeu dar uma resposta sobre as reivindicações do movimento até o dia 23 de janeiro e como é de praxe não cumpriu.

Após a divulgação da matéria sobre o contato do diretor com o blog do Dinomar, o movimento deu crédito ao referido senhor, deixando de publicar novos fatos envolvendo a empresa, mas pelo visto há necessidade de intensificar a cobrança das melhorias ora almejadas.

Uma nova informação a que tivemos acesso dá conta que o senhor Junior, diretor da empresa, foi quem fez a proposta indecente de oferecer 30% de desconto nas passagens no dia 08 de janeiro, ocasião do tumulto envolvendo passageiros e funcionários da empresa, para que passageiros topassem viajar no sucatão, necessitando-se assim da intervenção da policia militar para acalmar os ânimos daqueles mais exaltados que exigiam melhores condições de viagem.

É inconcebível que o usuário coloque sua vida em risco viajando em uma sucata por míseros R$ 28,50. 

Este foi o desconto proposto, já que a passagem custa R$ 95,00, numa demonstração clara do desrespeito com o qual sempre o passageiro é tratado pela São José.

Segundo uma doutrina do direito, todos são inocentes até que se prove a sua culpa. Mas nesse caso específico, não há inocência no comportamento desse diretor. 

Não há um só usuário desta empresa que não tenha passado por algum tipo de constrangimento no uso dos serviços prestados pela São José.


Diante do descaso da empresa através de sua direção , seremos daqui pra frente intolerantes com as suas atitudes, vamos acionar o Ministério Público, inclusive pediremos que sejam investigados os agentes da ANTT que liberaram essas sucatas para trafegarem livremente pelas nossas rodovias. 


Pediremos que sejam quebrados os sigilos telefônicos e bancários de tais servidores, pois suspeitamos que possa estar havendo algum tipo de compensação a esses senhores, em virtude do ato da irresponsabilidade dos mesmos na liberação dos veículos em condições tão precárias.

Além disso, estaremos promovendo manifestações na chegada e saídas desses ônibus, estaremos orientando todos os passageiros a procurarem órgãos competentes para denunciarem os maus tratos a que estão constantemente submetidos pela São José.

Quanto mais divulgamos nosso movimento no facebook e outros meios de comunicação , novos fatos nos chegam a todo momento.

Recentemente tivemos acesso a informações de passageiros que já sofreram constrangimento nas viagens de ônibus sem banheiros, pessoas que fizeram necessidades dentro do ônibus, principalmente crianças e idosos, os quais sofreram uma espécie de bullying por parte dos outros ocupantes.

Estaremos atentos a todos os atos e atitudes da empresa, orientaremos através de departamentos jurídicos que já se dispuseram a colaborar com o movimento, que todo passageiro descontente com a São José, que entre na justiça pedindo indenizações e punições aos atos desumanos a que são submetidos pela irresponsabilidade de seus administradores.

Alguns políticos já se dispuseram a colaborarem com o movimento na busca de uma solução dos problemas existentes.  

Vamos cobrar inclusive do governo do estado, a intervenção do mesmo na resolução de tal problema, pois trata-se de questão de serviço de utilidade pública, o qual tem obrigatoriamente um alvará do estado liberando tal concessão.

Vamos usar todos os meios de fazer valer os nossos direitos."


                               MOVIMENTO “FORA SÃO JOSÉ”

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Ano começa triste em Campos Belos: mais dois assassinatos são registrados


O ano começa triste em Campos Belos, cidade no nordeste de Goiás, a 600 km de Goiânia, capital do estado.

Nesta semana, mais duas pessoas foram assassinadas no município.   

As mortes ocorreram no último final de semana e os dois homens foram mortos a facadas, em dois bairros distintos.

Um deles, um funcionário de uma mineradora, foi esfaqueado quando tentava conter um homem que agredia a companheira.  

O homicídio foi praticado no setor industrial, próximo à empresa de telhas Cerâmica Campos Belos.  

O outro assassinato também tem característica passional. Um jovem matou um outro rapaz por, segundos testemunhas, estar “mexendo” com a mulher dele.

O crime aconteceu do “outro lado do morro”, próximo ao setor Brejinho.

Este é o terceiro homicídio registrado na cidade de Campos Belos neste mês de janeiro.

O primeiro assassinato ocorreu logo no dia 6 de janeiro. O trabalhador Danilo Fernandes de França, 27 anos, foi morto no Balneário Rio Bezerra, localizado a 7 km da cidade.

O assassinato aconteceu no final da tarde do domingo e segundo testemunhas, a vítima foi morta a golpes de garrafa estilhaçada, durante um briga dentro do bar.