Clima quente na Câmara de Vereadores de Campos Belos



Por Tomás de Aquino

"Meu amigo Dinomar,

A Câmara Municipal em sua história nunca passou por tamanha turbulência como esta última semana de trabalho de 2012.

O presidente José Aires, na 1ª Sessão da Semana, tirou o projeto sem consultar o Plenário, ferindo o Regimento Interno  da Casa, alegando ser uma iniciativa inconstitucional.

Porém as comissões, tanto de Educação quanto  a de Constituição e Justiça (CCJ), deram parecer favorável e com substitutivo, tornando o projeto legal.

Como o presidente insistia em não colocar a matéria em pauta, usando  o mesmo argumento, o vereador Brasilino José apresentou um requerimento dizendo que era para o projeto voltar à pauta.

Assim fez o presidente da Casa. Porém, o vereador Tião do Crisa pediu vista do projeto.  Lembro que o Projeto de Lei é do Executivo e chegou à Casa com apreciação de urgência urgentíssima.

Em seguida, o vereador Sargento Abreu prometeu ir à justiça e até cassar o mandato do presidente se o mesmo não respeitasse o Regimento da Casa.  

Sargento Abreu também pediu vista do projeto de lei e de todos os outros que tramitavam na Casa, inclusive o projeto de leis orçamentárias do município. 

Dessa forma, o projeto 028/2012 que trata da eleição direta para diretores de escola voltou à discussão.

A pauta ficou trancada e o presidente foi obrigado a convocar sessão extra.

A pergunta que não quer calar. Se os educadores e a comunidade torcem pela aprovação do projeto 028/2012, porque os vereadores Tião do Crisa, Gilbertinho e o próprio presidente são contra?

Agora, os vereadores Brasilino, Juranda, Sargento Abreu e Pedro Cardoso receberam aplausos do auditório da Câmara,  que esteve lotado durante essa semana.

Vale destacar que o Vereador Brasilino e Pedro não foram reeleitos, mas estão encerrando a legislatura com responsabilidade.

Amigo, estarei acompanhando o desenrolar dessas últimas sessões da legislatura de 2009/2012...”

abraços