domingo, 30 de setembro de 2012

Sardinha faz últimas reuniões nos bairros em busca de vencer as eleições


Na última semana antes do pleito eleitoral de 7 de outubro, candidatos intensificam a campanha.  

A principal arma neste momento são as "reuniões eleitorais" nos bairros, já que não se pode fazer comícios todos os dias. 

Veja abaixo alguns flagrantes das últimas reuniões do candidato Sardinha (PP) pela coligação Campos Belos Para Todos (PP/PTB/PMDB/PR/PHS/PSD) à prefeitura de Campos Belos: 
















Reta final: Ninha faz reuniões à procura dos últimos indecisos

Na última semana antes do pleito eleitoral de 7 de outubro, candidatos intensificam a campanha.  

A principal arma neste momento são as "reuniões eleitorais" nos bairros, já que não se pode fazer comício todos os dias. 

Veja abaixo alguns flagrantes das últimas reuniões do candidato Ninha (DEM) pela coligação Transparência  Honestidade e Trabalho para a prefeitura de Campos Belos: 









sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Em Recife, Clube Sargento Wolff é decretado instituição de “Utilidade Pública”




É com muita saisfação que publico esta notícia sobre a decretação de “utilidade pública” do Clube Sargento Wolff, este tradicionalismo e sexagenário clube de Recife.

Orgulhosamente, fui vice-presidente e membro de sua diretoria por vários anos. 

O Clube Sargento Wolff, que possui quatro sedes (central, praia, campo e rural), é histórico na capital pernambucana.

Recebeu nos anos dourados eventos e nomes importantes da música brasileira, como Roberto Carlos, Os Pholhas, Renato e Seus Blue Caps, Wanderlea, The Feveres, Roberto Miller, Reginaldo Rossi, Aguinaldo Timóteo e grandes carnavais. 

Só quem já foi gestor de uma instiutição de lazer e esporte sem fins lucrativos, como esta,  pode mensurar a importância desta decretação, que vai desonerar o clube do pagamento de IPTU com valores próximos a um milhão reais.  

Foi uma luta iniciada no ínicio dos anos 2000 e que perdurou por quase 13 anos. 

Cumprimentos ao presidente José Robson e à sua diretoria por este feito sem precedentes na história do clube.

Leia a íntegra da matéria publicada no site do Clube.

“Assumimos a gestão do CSW com inúmeros propósitos, dois dos quais, a nosso sentir, de extrema importância:
  • O primeiro era o Projeto de Acessibilidade, exigência do Ministério Público Estadual e que se arrastava desde a década de 90, tendo sido concluída a 1ª Parte, em razão do imprescindível apoio do Exmo. Sr. General de Exército AMÉRICO SALVADOR DE OLIVEIRA, então Comandante Militar do Nordeste.
  • O segundo e principal objetivo era o Projeto de Utilidade Pública, pois, há mais de uma década, o Clube não pagava o IPTU, resultando em uma dívida de quase R$ 1.000.00,00 (um milhão de reais).
Somente no ano fluente, o valor do IPTU, somente da sede principal, beira R$ 70.000,00 (setenta mil reais).

Consoante Diário Oficial Municipal nº 112, de 22 Set 12, foi aprovado o Projeto de Lei de Autoria da Vereadora MARÍLIA ARRAES, por meio do qual o Clube Sargento Wolff (CSW) passou a ostentar a qualidade de instituição de “utilidade pública”, por força da Lei Municipal nº 17.823/12, tendo sido reconhecida a função social do clube, em razão de sua finalidade beneficente, cultural e desportiva.

Em decorrência da nova condição jurídica acima, o clube passará a contar com benefícios fiscais, redundando em isenções tributárias e na consequente diminuição de seu custo total.

Com relação aos débitos tributários gerados anteriormente, estamos buscando, junto ao Setor Jurídico da Prefeitura do Recife, por meio do Dr DJAIR FARIAS, causídico a serviço do clube, a possível isenção de nossa dívida.

O CSW completa 63 anos de história, já tendo sido palco dos melhores carnavais de clubes do Recife e de shows de Roberto Carlos, Raul Gil, Os Pholhas, Renato e Seus Blue Caps, Wanderlea, The Feveres, Roberto Miller, Baltazar, Reginaldo Rossi, Aguinaldo Timóteo, dentre outros. 

Além de servir como local votação reservada pelo TRE, nas eleições dos três entes federativos (Municipal, Estadual e Federal), o clube é utilizado pelos seguintes seguimentos: equipes da Dengue e PSF da Prefeitura do Recife; e equipes de campanhas de vacinação de crianças, adultos e animais. 

Além disso, apoia diversas atividades religiosas, esportivas e sociais, sendo a principal, a Maturidade Wolffiana, que reúne centenas de pessoas da melhor idade, de diversas comunidades do Recife, sob a responsabilidade da nossa Sócia Srª. MARILUCIA.

Foi justamente em decorrência de uma das atividades acima, que o clube recebeu a honrosa visita da Deputada Federal ANA ARRAES, atual Ministra do Tribunal de Contas da União, e sua sobrinha MARÍLIA ARRAES, Vereadora da Cidade do Recife, que se comprometeram em ajudar o CSW, em face de sua finalidade beneficente, cultural, desportiva, recreativa e social, ensejando no reconhecimento legal da situação de “utilidade pública”.

Por fim - como não poderia ser diferente - venho tornar público o nosso agradecimento especial à pessoa da Vereadora da Cidade do Recife e Candidata a reeleição, MARÍLIA ARRAES, pelos sinceros e profícuos trabalhos realizados em prol da população Recifense, em especial da Família Wolffiana e da comunidade de Afogados.”

Diário da Manhã publica artigo de Joãozinho Beltrão


O jornal de Goiânia "Diário da Manhã, publicou em sua edição de hoje (28/09),  um artigo do poeta e escritor campos-belense Joãozinho Beltrão.

No artigo, Beltrão discorre sobre o quanto é importante, para o cotidiano dos cidadãos, a boa escolha nas urnas no próximo dia 7 de outubro. 

"A eleição nos dá a possibilidade de escolher aqueles que irão interferir diretamente na nossa vida e da nossa família", escreve. 

O texto original poderá ser lido na página do Diário da Manhã na internet, na página 5 da Seção Opinião Pública. 


Voto não tem preço
Vez ou outra é sempre bom visitarmos os recônditos da memória a fim de recordar fatos já passados, mas que são de grande relevância na construção de um futuro melhor.  Por ora, lembremos da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que em seu artigo 5º reza o seguinte: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade e que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa, de convicção filosófica ou política...” Ainda assim, é notório que, mesmo vivendo em um País democrático como o Brasil, esta Cláusula Pétrea da nossa tão festejada Lei Magna não é respeitada e a sua aplicabilidade não ocorre na grande maioria das contendas, onde principalmente estão os menos favorecidos, que desconhecem e ou não gozam seus direitos, sendo obrigados a ferro e fogo a cumprirem, tão somente, seus deveres.
As eleições municipais se avizinham, e o que presenciamos na maioria dos municípios brasileiros, principalmente naqueles mais pobres e mais distantes, é que os políticos que estão passando pelo poder, e que às vezes julgam ser dono dele, no afã de continuarem ou de fazerem, a todo custo, seus sucessores, usam e abusam da prática mais abominável, torpe, sórdida e covarde de fazer política, que é de pressionar, meter medo, ameaçar e perseguir servidores públicos, funcionários, correligionários, amigos e até parentes que ousam contrapor às suas ideias ou vontades.
Nesse tipo de disputa, quase sempre, o alvo principal acaba sendo a população menos favorecida, que, por infelicidade, é constituída por cidadãos mais frágeis e desprotegidos e que, desprovidos de voz e de vez, tornam-se vulneráveis. São obrigados a ceder, a pressão é muita! Ainda que na marra, fazem a vontade daqueles que negociam suas almas com o diabo para não apearem do poder, com o intuito de continuar, fazem todo e qualquer tipo de acordo por mais esdrúxulo e nocivo que ele seja para seus munícipes.
Colocam em cena uma perspectiva de futuro que nega o que passou, querem apagar, aniquilar os fatos. Sim, porque nessa época surgem os pactos. São acordos e alianças de toda ordem, geralmente feitos em benefício próprio ou para satisfazer seus egos e projetos tão somente pessoais, desprezando companheiros de antigas datas, e principalmente o eleitor.
Ganham aliados, compram um, conquistam outro. Quem perde? O povo. A população é obrigada a assistir de camarote às apresentações, e encenações, nas quais fiéis correligionários e até alguns “puxa-sacos”, agora aliados com adversários de outrora e ou “inimigos mortais”, que antes achincalhavam uns aos outros nos palanques da vida, hoje caminham de mãos dadas, hasteiam a bandeira dos seus interesses pessoais em detrimento do coletivo.
Lembram-se do país democrático do início do texto? Não há mais, perdeu-se entre um discurso e outro. Fugiu para algum lugar onde as pessoas tenham direito de escolha. Ora, pois, se não há liberdade não há democracia. Podem me perguntar: mas e a voz do povo? Essa há muito está sendo abafada. São cargos, empregos, gratificações, favores e a submissão. Não importa a qualidade do serviço que é prestado, se não é “companheiro” demitam, cortem a gratificação, mande a esposa embora, não contratem a filha.
A eleição tem importância fundamental no nosso cotidiano, pois nos dá a possibilidade de escolher aqueles que irão interferir diretamente na nossa vida e da nossa família. Escolher um péssimo político, incapaz, corrupto, inescrupuloso, perseguidor e com um passado sujo pode representar um retrocesso na nossa comunidade que levaremos gerações para reparar.  É necessário e urgente que a imprensa, o Ministério Público e as autoridades competentes interfiram nesse processo, mas, antes de tudo, é necessário que o eleitor reconheça o seu papel, é primordial que dia 7 de outubro tenha em mente a certeza de que voto não é moeda de troca e sua consciência também não.

(João Beltrão Filho, técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde-GO, licenciado em Gestão Pública pela Universidade Estadual de Goias, pós-graduado em Educação Ambiental pela Universidade Cândido Mendes-RJ, poeta, escritor e diretor de Planejamento da Prefeitura Municipal de Campos Belos-GO)

"Vez ou outra é sempre bom visitarmos os recônditos da memória a fim de recordar fatos já passados, mas que são de grande relevância na construção de um futuro melhor.  

Por ora, lembremos da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que em seu artigo 5º reza o seguinte: 

“Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade e que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa, de convicção filosófica ou política...” 

Ainda assim, é notório que, mesmo vivendo em um País democrático como o Brasil, esta Cláusula Pétrea da nossa tão festejada Lei Magna não é respeitada e a sua aplicabilidade não ocorre na grande maioria das contendas, onde principalmente estão os menos favorecidos, que desconhecem e ou não gozam seus direitos, sendo obrigados a ferro e fogo a cumprirem, tão somente, seus deveres. 


As eleições municipais se avizinham, e o que presenciamos na maioria dos municípios brasileiros, principalmente naqueles mais pobres e mais distantes, é que os políticos que estão passando pelo poder, e que às vezes julgam ser dono dele, no afã de continuarem ou de fazerem, a todo custo, seus sucessores, usam e abusam da prática mais abominável, torpe, sórdida e covarde de fazer política, que é de pressionar, meter medo, ameaçar e perseguir servidores públicos, funcionários, correligionários, amigos e até parentes que ousam contrapor às suas ideias ou vontades.


Nesse tipo de disputa, quase sempre, o alvo principal acaba sendo a população menos favorecida, que, por infelicidade, é constituída por cidadãos mais frágeis e desprotegidos e que, desprovidos de voz e de vez, tornam-se vulneráveis.

São obrigados a ceder, a pressão é muita! Ainda que na marra, fazem a vontade daqueles que negociam suas almas com o diabo para não apearem do poder, com o intuito de continuar, fazem todo e qualquer tipo de acordo por mais esdrúxulo e nocivo que ele seja para seus munícipes.


Colocam em cena uma perspectiva de futuro que nega o que passou, querem apagar, aniquilar os fatos.

Sim, porque nessa época surgem os pactos.

São acordos e alianças de toda ordem, geralmente feitos em benefício próprio ou para satisfazer seus egos e projetos tão somente pessoais, desprezando companheiros de antigas datas, e principalmente o eleitor.


Ganham aliados, compram um, conquistam outro. Quem perde? O povo.

A população é obrigada a assistir de camarote às apresentações, e encenações, nas quais fiéis correligionários e até alguns “puxa-sacos”, agora aliados com adversários de outrora e ou “inimigos mortais”, que antes achincalhavam uns aos outros nos palanques da vida, hoje caminham de mãos dadas, hasteiam a bandeira dos seus interesses pessoais em detrimento do coletivo.


Lembram-se do país democrático do início do texto? Não há mais, perdeu-se entre um discurso e outro. Fugiu para algum lugar onde as pessoas tenham direito de escolha.

Ora, pois, se não há liberdade não há democracia. Podem me perguntar: mas e a voz do povo? Essa há muito está sendo abafada. São cargos, empregos, gratificações, favores e a submissão.

Não importa a qualidade do serviço que é prestado, se não é “companheiro” demitam, cortem a gratificação, mande a esposa embora, não contratem a filha.

A eleição tem importância fundamental no nosso cotidiano, pois nos dá a possibilidade de escolher aqueles que irão interferir diretamente na nossa vida e da nossa família.

Escolher um péssimo político, incapaz, corrupto, inescrupuloso, perseguidor e com um passado sujo pode representar um retrocesso na nossa comunidade que levaremos gerações para reparar.

É necessário e urgente que a imprensa, o Ministério Público e as autoridades competentes interfiram nesse processo, mas, antes de tudo, é necessário que o eleitor reconheça o seu papel, é primordial que dia 7 de outubro tenha em mente a certeza de que voto não é moeda de troca e sua consciência também não."

(João Beltrão Filho, técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde-GO, licenciado em Gestão Pública pela Universidade Estadual de Goias, pós-graduado em Educação Ambiental pela Universidade Cândido Mendes-RJ, poeta, escritor e diretor de Planejamento da Prefeitura Municipal de Campos Belos-GO)


Vez ou outra é sempre bom visitarmos os recônditos da memória a fim de recordar fatos já passados, mas que são de grande relevância na construção de um futuro melhor.  Por ora, lembremos da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, que em seu artigo 5º reza o seguinte: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade e que ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa, de convicção filosófica ou política...” Ainda assim, é notório que, mesmo vivendo em um País democrático como o Brasil, esta Cláusula Pétrea da nossa tão festejada Lei Magna não é respeitada e a sua aplicabilidade não ocorre na grande maioria das contendas, onde principalmente estão os menos favorecidos, que desconhecem e ou não gozam seus direitos, sendo obrigados a ferro e fogo a cumprirem, tão somente, seus deveres.
As eleições municipais se avizinham, e o que presenciamos na maioria dos municípios brasileiros, principalmente naqueles mais pobres e mais distantes, é que os políticos que estão passando pelo poder, e que às vezes julgam ser dono dele, no afã de continuarem ou de fazerem, a todo custo, seus sucessores, usam e abusam da prática mais abominável, torpe, sórdida e covarde de fazer política, que é de pressionar, meter medo, ameaçar e perseguir servidores públicos, funcionários, correligionários, amigos e até parentes que ousam contrapor às suas ideias ou vontades.
Nesse tipo de disputa, quase sempre, o alvo principal acaba sendo a população menos favorecida, que, por infelicidade, é constituída por cidadãos mais frágeis e desprotegidos e que, desprovidos de voz e de vez, tornam-se vulneráveis. São obrigados a ceder, a pressão é muita! Ainda que na marra, fazem a vontade daqueles que negociam suas almas com o diabo para não apearem do poder, com o intuito de continuar, fazem todo e qualquer tipo de acordo por mais esdrúxulo e nocivo que ele seja para seus munícipes.
Colocam em cena uma perspectiva de futuro que nega o que passou, querem apagar, aniquilar os fatos. Sim, porque nessa época surgem os pactos. São acordos e alianças de toda ordem, geralmente feitos em benefício próprio ou para satisfazer seus egos e projetos tão somente pessoais, desprezando companheiros de antigas datas, e principalmente o eleitor.
Ganham aliados, compram um, conquistam outro. Quem perde? O povo. A população é obrigada a assistir de camarote às apresentações, e encenações, nas quais fiéis correligionários e até alguns “puxa-sacos”, agora aliados com adversários de outrora e ou “inimigos mortais”, que antes achincalhavam uns aos outros nos palanques da vida, hoje caminham de mãos dadas, hasteiam a bandeira dos seus interesses pessoais em detrimento do coletivo.
Lembram-se do país democrático do início do texto? Não há mais, perdeu-se entre um discurso e outro. Fugiu para algum lugar onde as pessoas tenham direito de escolha. Ora, pois, se não há liberdade não há democracia. Podem me perguntar: mas e a voz do povo? Essa há muito está sendo abafada. São cargos, empregos, gratificações, favores e a submissão. Não importa a qualidade do serviço que é prestado, se não é “companheiro” demitam, cortem a gratificação, mande a esposa embora, não contratem a filha.
A eleição tem importância fundamental no nosso cotidiano, pois nos dá a possibilidade de escolher aqueles que irão interferir diretamente na nossa vida e da nossa família. Escolher um péssimo político, incapaz, corrupto, inescrupuloso, perseguidor e com um passado sujo pode representar um retrocesso na nossa comunidade que levaremos gerações para reparar.  É necessário e urgente que a imprensa, o Ministério Público e as autoridades competentes interfiram nesse processo, mas, antes de tudo, é necessário que o eleitor reconheça o seu papel, é primordial que dia 7 de outubro tenha em mente a certeza de que voto não é moeda de troca e sua consciência também não.

(João Beltrão Filho, técnico em Agropecuária pela Escola Agrotécnica Federal de Rio Verde-GO, licenciado em Gestão Pública pela Universidade Estadual de Goias, pós-graduado em Educação Ambiental pela Universidade Cândido Mendes-RJ, poeta, escritor e diretor de Planejamento da Prefeitura Municipal de Campos Belos-GO)

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Vídeo: Comitê de campanha de Sardinha diz que carreata reuniu cerca de mil veículos

O comitê de campanha da coligação Campos Belos Para Todos, que apoia a candidatura do principal adversário de Ninha nestas eleições, o atual prefeito de Campos Belos, Neudivaldo Sardinha, deu uma demonstração de força nesta semana. 

Divergindo dos números de uma pesquisa apresentada pelo principal candidato adversário, Ninha (DEM), um vídeo, de seis minutos, demonstra que os números parecem não dizer tudo.  

Segundo a assessoria do candidato, mais de mil carros e milhares de eleitores percorreram as pincipais vias da cidade, numa carreata em apoio ao atual prefeito.

Site na internet para reforçar campanha

A campanha do candidato criou um site na internet e um canal no Youtube para divulgar as ações de campanha. 

O principal personagem do site é o Governador Marconi Perillo, que gravou um vídeo de apoio a Sardinha. 


Assista ao vídeo da carreata:



Eleições chapa única da Universidade de Goiás



Amigos, recebi este post: 

"Dinomar, sou estudante universitário e estou indignado com as últimas eleições da reitoria ocorridas na Universidade Estadual de Goiás. 

Peço que seja feita uma investigação sobre o porquê de termos apenas chapa única em todas elas. 

Peço que seja feita uma pesquisa sobre a satisfação do universitário campos-belense. 

Após o próximo por-do-sol, estaremos em votação na UEG, e, descaradamente, o professor Rosolindo Neto nos pede para que votemos unanimemente nessa chapa única. 

Ai eu pergunto: o que Campos Belos Belos tem ganhado em tantos anos de subserviência??"

Mas será verdade mesmo?  tenho a universidade como o berço da democracia, das liberdades, do bom senso. 

Chapa única lembra pensamento único, unanimidade, ou seja, contrário à diversidade e às diferenças, como é diversa a nossa própria sociedade.

Então qual seria o motivo de chapa única? por que apenas um concorrente? 

É uma questão política de alinhamento com o governo do estado? 

Solicitamos ao professor Rosilondo Neto e também ao professor Adelino Machado ( UEG Campos Belos) o clareamento do episódio, até para que nós possamos dar uma resposta à comunidade acadêmica. 

terça-feira, 25 de setembro de 2012

Revolução silenciosa da Islândia. Uma verdade que todos querem esconder; show de democracia




A mídia controlada pelo capital  financeiro internacional tenta esconder a "revolução silenciosa" da Islândia ao não publicar nada a respeito. 

Uma prova de como você é manipulado por quem faz comunicação, no Brasil e no mundo. 


Você somente toma conhecimento daquilo que a mídia deseja. Mas uma nação disse "não" e está dando um show de democracia. 


Temos que aprender com eles.  Assista  ao vídeo e comprove




"A negativa do povo da Islândia a pagar a dívida que as elites abastadas tinham adquirido com a Grã Bretanha e a Holanda gerou muito medo no seio da União Europeia. 


Prova deste temor foi o absoluto silêncio na mídia sobre o que aconteceu. 

Nesta pequena nação de 320.000 habitantes a voz da classe política burguesa tem sido substituída pela do povo indignado perante tanto abuso de poder e roubo do dinheiro da classe trabalhadora. 

O mais admirável é que esta guinada na política sócio-económica islandesa aconteceu de um jeito pacífico e irrevogável. 

Uma autêntica revolução contra o poder que conduziu tantos outros países maiores até a crise atual. 


Este processo de democratização da vida política que já dura dois anos é um claro exemplo de como é possível que o povo não pague a crise gerada pelos ricos."



Pesquisa em Campos Belos: Ninha 50%; Sardinha 30,4%




Uma pesquisa divulgada na data de hoje dá vitória ao ex-prefeito Aurolino José dos Santos Ninha (DEM) para prefeito de Campos Belos. 

Ele é candidato pela coligação Transparência Honestidade e trabalho.

Segundo dados da pesquisa, o candidato Ninha obteve 50% das inteções de voto, contra 30,4% do seu principal adversário, o atual prefeito da cidade, Neudivaldo Xavier de Oliveira Sardinha ( PP). 

O terceiro candidato a prefeito, a ex-vereadora Elzita Caetano (PT) obteve 3% das intenções dos eleitores.

No entanto, é relevante o percentual dos eleitores indecisos: 13,9% responderam que não sabem ainda em quem votar e 2,7% dos entrevistado não opinaram.

A pesquisa, feita pelo Instituto de Pesquisa Skala (Palmas-TO), está registrada no site do Tribunal Regional Eleitoral de Goiás, sob o número de protocolo GO-00251/2012, sendo ouvidas 415 pessoas, somente na sede no município, entre os dias 14 e 15 de setembro.

Quem contratou a empresa da pesquisa foi o próprio comitê de campanha do Ex-prefeito Ninha, que pagou  4 mil reais pelo serviço estatístico.

Segundo dados publicados no site do TRE-GO, os trabalhos foram realizados através da técnica de entrevistar pessoas junto a uma amostra representativa do universo considerado. 

Considerou-se o universo da pesquisa, o conjunto da população ativa, com 16 anos ou mais de ambos os sexos e diferentes níveis sócio-economicos residentes na Cidade.

Também foi adotado um plano amostral e ponderação quanto a sexo, idade, grau de instrução e nível econômico do entrevistado; intervalo de confiança e margem de erro:

Segundo o registro, o sistema utilizado foi o  da probabilidade proporcionais ao tamanho do setor, com a seleção de eleitores a serem entrevistados, utilizando-se cotas proporcionais em função das seguintes variáveis: sexo, faixa etária, nível de instrução, renda familiar, profissão ou ocupação. 

Ainda de acordo com o registro, a amostra definida pela estatística apresenta grau de confiança de 95% e intervalo de confiança de 8 dias e margem de erro de 3 pontos percentuais para mais ou para menos. 

Os trabalhos de campo foram realizados por entrevistadores do Instituo Skala, selecionados e treinados com a supervisão de campo e checagem aleatória dos entrevistados. 

A tabulação dos dados ocorreu na sede da empresa na Av. JK nº 10, no Centro de Palmas – TO.

O leitor pode acessar o registro da pesquisa no seguinte endereço eletrônico (Registro da pesquisa no TRE-GO), que também registra a realização de outras duas pesquisa anteriores que não foram divulgados os resultados. 

Lá também tem o questionário usado pelos entrevistadores e a quantidade de pessoas ouvidas por bairro.

Dica de concurso: estude bem gastando pouco



Ingressar no serviço público é um sonho de muita gente. Também pudera, há carreira que chega a pagar até 18 mil por mês para os iniciantes. E tem muitas vagas por aí. 

Ontem o Correio Braziliense publicou que há 30 mil à disposição dos candidatos em todo o Brasil. 

E não há fórmula mágica para passar em um concurso público. O candidato a uma vaga tem que estudar e estudar muito. 

Na média, um candidato só começa a se dar bem nos  certames  depois de dois anos, e com média diária de pelo menos cinco horas de dedicação, incluindo sábados e domingos.

Um outro desafio dos estudantes é o preço elevado para se preparar. Aqui em Brasília qualquer pacote nos cursinhos preparatórios não sai por menos de 2 mil reais, sem contar transporte, alimentação, livros, inscrições...

Mas há pessoas que consegue se preparar bem, gastando pouco. 

Eu sou um deles e por isso posso passar algumas dicas. Estudei em casa e consegui aprovações em concursos de alto nível.

A primeira grande dica é saber usar a internet.  

Com essa tecnologia você não precisa se deslocar até os cursinhos e das pequenas cidades do Brasil (até de uma fazenda!) você tem acesso a grandes professores e a conteúdos de primeira linha.

Vou tentar passar aos meus leitores algumas dicas de experiências que acumulei ao longo do tempo e tentar ajudar aqueles, principalmente, com falta de recursos.

A primeira grande dica é como comprar livros baratos.

Um exemplo. A grande bíblia do direito constitucional é o livro “Direito Constitucional Descomplicado”, do professor Marcelo Alexandrino. 

No mercado, este livro custa cerca de R$ 120 reais. 

Mas você pode comprar um exemplar por cerca de R$ 20 e receber em sua casa. Como?  Usando os “sebos” virtuais. 

Obviamente não é a última edição. Mas de uma edição para outra não muda muita coisa, concorda.

Então, anote aí o endereço de um site que reúne os melhores sebos dos Brasil e com livros que chega a custar nove reais: http://www.estantevirtual.com.br/

A outra dica de hoje é assistir aulas de apoio sem sair de casa.

Sempre é bom lembrar que o bom concurseiro lê muito. Só com leitura e muito exercício faz-se um bom concurseiro (depois passarei umas dicas interessantes para potencializar a leitura).

As aulas de opoio são as mesmas oferecidas pelos grandes cursinhos de Brasília e tem um site bom e barato com aula de todas as disciplinas: direito constitucional, português, lógica, inglês, matemática financeira, administração pública, contabilidade...

As  aulas têm em média 20 minutos e você pode assisti-la do seu computador de qualquer lugar, a qualquer hora, inclusive de madrugada. 

O mais interessante é que você faz o seu horário e não precisa se deslocar de sua casa: economiza muito tempo, dinheiro e tem acesso a grande professores e conteúdos aprofundados. Anote o site com aulas virtuais: http://www.euvoupassar.com.br

Nessa site aprendi satisfatoriamente contabilidade pública e comercial; lógica e Administração Financeira e Orçamentária. Foi uma "mão na roda".


É isso e por hoje basta. Em outra oportunidade, passarei mais algumas dicas.

“Não existe outra opção, a não ser o estudo.” 

domingo, 23 de setembro de 2012

Apagão: Campos Belos de volta à lamparina


Entra chuva e sai chuva, sai governo entra governo, mas o problema da distribuição de energia no nordeste goiano, notadamente em Campos Belos, persiste. 

Basta chegar o período das chuvas, com seus raios e trovoadas que a comunidade começa a amargar a falta de energia elétrica.  

Neste momento, 19h50 deste domingo, a comunidade está desligada do mundo e sentido o sopro do atraso. 

Sem luz, as pessoas são obrigadas a voltar à década de 50, onde o velho candeeiro e a lamparina de querosene eram os senhores da escuridão. 

Nada de internet, televisão, geladeiras...

As Centrais Elétricas de Goias (CELG), empresa goiana que explora o serviço,  alega sempre que o problema é estrutural, de cabeamento velho e maquinários obsoletos.  

É uma desculpa antiga e já dura décadas. 

Foi até bom acabar a energia elétrica bem no auge da campanha eleitoral, para que agente coloque em pauta a problemática. 

Quais as promessas dos candidatos a prefeito para melhorar o fornecimento da energia elétrica em Campos Belos? 

Que estratégias de parcerias eles têm para com o governo do estado? 

Com a palavra os senhores candidatos...

Ética, transparência e cidadania


A campanha eleitoral municipal está chegando ao fim. Muitos dos cidadãos já devem ter escolhidos seus candidatos Brasil a fora. 

Outros tantos devem estar indecisos e provavelmente continuarão assim até o dia 7 de outubro. 

E muitos outros já decidiram não votar em ninguém. 

Em suas escolhas, muitos decidiriam pelo candidato baseado em vários motivos. 

No entanto, a maioria deve ter decidido por motivos éticos, o que leva em conta um conjunto de valores como honestidade, humanismo, honradez, sinceridade, probidade. 

E no fundo, é o que desejamos dos eleitos. 

O grande problema é que raramente eles, os eleitos,  atingem as nossas expectativas. 

Na campanha, muitas promessas, beija-beija, shows de humildade... todo mundo é honesto, todos são defensores do povo. 

Mas quando assumem o cargo público, a grande maioria, por quatro anos, esquece tudo o que falou, tudo o que prometeu, não mais reconhece as necessidades da comunidade, esquece o rosto e o nome de quem o apoiou. 

E mais, transforma o órgão público e o administra como se fosse um bem particular, com toda a máquina pública à disposição do seu interesse.   

E não há como negar que isso é uma herança cultural de muitos séculos, vinda ainda dos colonizadores com suas grandes propriedades de terras, nas quais se transformaram as capitanias hereditárias (lembra das aulas de história?). 

O jornalista americano Larry Rohter informa que no Brasil-colônia os donos dos feudos eram basicamente soberanos, estava acima da lei e respondiam apenas ao Rei de Portugal. 

Criou-se uma mentalidade, que  vigora ainda hoje, de que a coisa pública pertence a quem está no poder. 

Em 1890, essa cultura de "dono de tudo" pode ser vista no coronelismo, principalmente nos sertões e nos locais distantes dos centros urbanos (Rio e São Paulo).  

Mandachuvas locais  escolhiam  governadores estaduais, que por sua vez elegiam presidentes - quanto mais insignificantes melhor - com apenas uma percentagem mínima da população autorizada a ratificar tais decisões em eleições fraudulentas. 

Nessa época, a educação não era estimulada porque as famílias oligárquicas (aquelas que mandavam na cidade, na região, na província, no estado)  as viam como uma ameaça em potencial à autoridade delas. 

Como os eleitores precisavam passar por um teste de alfabetização, a elite temia que maior escolaridade para as massas pudesse aumentar o eleitorado a tal ponto que ela não mais conseguisse controlá-la. 

Hoje os tempos são outros. 

Cada vez mais as pessoas estão politizadas, sabedoras dos seus direitos de cidadania e exigem cada vez mais um posicionamento ético e transparente de quem organiza e gestiona o bem público, seja ele uma prefeitura, uma secretaria, um posto de saúde, um ministério ou um cargo de vereador.

Não querem mais apadrinhamentos, perseguições, cabides de emprego e outras mazelas criada no vácuo da má administração. 

As pessoas não querem saber apenas se o administrador público gastou. 

Querem saber em que gastou, porque gastou, como gastou. 

Querem ver as contas, querem saber se o gasto terá algum retorno social, se terá um retorno para a comunidade, para o bem comum. 

Por isso, ética e transparência são requisitos obrigatórios para o futuro prefeito e vereador.  

E você, eleitor,  é a principal peça  nessa engrenagem.  

A ética começa em nós, pessoas; em nós, eleitores. 

Não pense apenas em seus benefícios diretos e pessoais. Pense naquilo em que o conjunto da comunidade vai ganhar. 

É uma coisa lógica, se a comunidade inteira ganha, todos os indivíduos dessa comunidade também vai ganhar e não apenas aqueles apadrinhados pelo "coronel". 

Assim, caro cidadão, no dia 7 de outubro você tem uma responsabilidade gigantesca em seus ombros. Estará com você o poder de escolher entre aquele que vai fazer o bem ou aquele que vai fazer o mal para a sua comunidade.  

Deixe a paixão de lado, seja racional. 

Tire de você o individualismo e pense na comunidade. Faça um escolha inteligente. 

Mas do que isso, não seja apenas um eleitor descartável. 

Seja, principalmente,  um cidadão e cobre nos quatro anos seguintes dos novos administradores (seja ele o seu candidato ou não) estas três palavras chaves, de grande valor e significado social: ética, transparência e cidadania. 





sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Polícia diz que há quase dois anos não há homicídios em Campos Belos


O capitão Leandro Carvalho, comandante do policiamento militar em Campos Belos, nos procurou para informar os resultados do policiamento preventivo desencadeado pela instituição em Campos Belos, intensificado nos últimos dois anos.

Segundo o oficial, há pelo menos dois anos não se registra crimes graves na cidade, a exemplo de homicídios e assaltos.

Segundo ele, em 2010 a cidade registrou oito assassinatos, inclusive do padre Rubens, morto por causa de um aluguel do salão paroquial.

Desde então, foi empregada uma mudança no policiamento, com foco na prevenção.

"A todos os crimes foi dada a resposta em tempo real à sociedade, restaurando a ordem e prendendo os autores. Assim, já no ano de 2011, não tivemos nenhum assassinato e até a presente data do ano de 2012, Campos Belos está sem registrar nenhum homicídio", afirma o policial.

O comandante nos mandou uma série de dados para comprovar a queda da criminalidade na cidade.

De acordo com o oficial, inclusive a chacina do último domingo (16) não foi cometida em Campos Belos, mas em uma fazenda no município vizinho de Monte Alegre de Goiás. 

Ele diz que neste tipo de crime não há como prevenir. "Crimes passionais podem ocorrer em qualquer lugar, é nato do ser humano, e por isso é muito difícil fazer uma prevenção".

De acordo com dados da Polícia Militar, as maiores saídas da tropa no último mês de agosto foi caráter preventivo: 1.209 atendimento proativos e 51 reativos.

Cerca de 220 veículos foram abordados, 57 deles apreendidos. Foram mais de 120 visitas comunitárias; 12 solidárias e 50 escolares.

Entre as ocorrências registradas nos atendimentos reativos, a maioria delas foi de baixo poder ofensivo, como furtos a pessoa, furtos a residência, direção perigosa, danos materiais e menores ao volante.

Os destaques foram para agressão doméstica, menores ao volante e  furtos a residência.

Dos crimes mais graves, foram registradas apenas dois de tráfico de entorpecentes e um de tentativa de homicídio.

Para o comandante da Polícia Militar, a chacina numa fazenda no município vizinho de Monte Alegre de Goiás não diminui, em nada, a sensação de segurança vivida pelos moradores de Campos Belos há pelo menos dois anos, graças ao trabalho preventivo diuturnamente feito pela Polícia Militar.

Segurança Pública : bons ares repousam sobre Campos Belos



Por Capitão Leandro Ferreira de Carvalho*

A certeza da punição tem efeito sobremaneira na prevenção ao crime, já que o meliante pensa duas vezes, antes de cometer o crime.

No ano de 2010, na cidade de Campos Belos ocorreram oito homicídios, inclusive o assassinato do Padre Rubens, fato bastante noticiado na imprensa estadual e nacional.

No entanto, a todos eles foi dada a resposta em tempo real à sociedade, restaurando a ordem, prendendo os autores do homicídio.

Assim já no ano de 2011, não tivemos nenhum homicídio e até a presente data do ano de 2012, Campos Belos está sem registrar nenhum homicídio, estando aí mais de um ano e sete meses sem acontecer homicídio na cidade.

Acredito que fato nunca vivenciado pela população da cidade.

Isso se deu pela mudança de cultura policial e principalmente o desejo de zelar pela segurança da cidade onde o policial também reside.

Ocorrendo uma motivação impar pela certeza do reconhecimento pelo comando e também pela sociedade que passou a acreditar na força policial que estava ao seu dispor, pois foi mudada a imagem da cidade por ações especificas, visando atingir locais mais propícios ao acontecimento de crime, afastando meliantes oriundo de outras regiões e ainda o receio por parte deles de cometer o crime e ser preso, pois a certeza do esforço por parte da polícia eles já tinha, já que ninguém ficou imune à responsabilidade do crime que havia cometido.

A confiança da sociedade despertou a colaboração para segurança, através de denúncias de pontos de drogas, sendo feito neste ano, vários flagrantes de tráfico de drogas, com apreensões de cocaína, crak, maconha e outras.

Diminui, assim, a circulação de drogas na região e fazendo com que os meliantes adotasse condutas mais veladas, deixando que o cidadão circule sem receio de ser importunado, passando a frequentar os centros esportivos em grande número, costume que não existia até o ano de 200,  pois até o centro da cidade estava infestado de pontos de drogas e prostituição, demonstrando um total descaso com a segurança e imagem da cidade.

No entanto, através de parcerias com a administração pública municipal, atacou-se esta problemática, resultado numa diminuição de furto a pessoas, roubo e furto em estabelecimentos comerciais, fazendo com que várias pessoas de práticas ilegais procurassem outro ambiente.

Neste ínterim, parcerias com escolas estaduais e municipais, com palestras de cultura de segurança e resistência ao uso de drogas, o que veio de encontro com a filosofia do Alto Comando, com a adoção da filosofia do policiamento comunitário, que esta sendo absorvido de bom grado pelos policiais e também pela comunidade local.

A cidade de Campos Belos passa hoje por um processo de crescimento populacional não esperado, pois com a instalação da empresa canadense Itafos, no município de Arraias-TO, a apenas sete quilômetros de Campos Belos, gerou-se mais dois mil empregos direto, trouxe muitas outras pessoas de diversos locais do país e mais de 90% deles preferiram residir na cidade de Campos Belos.


Chegaram-se também outras pessoas com o fim de praticar comércio para abastecer a nova demanda, trazendo, em consequência, uma movimentação de veículos e pessoas nunca antes vista na cidade, que agora frequentemente vivencia acidente de trânsito, numa cidade que não estava preparada para receber esta demanda.

Vimos uma necessidade premente de dinamizar a operacionalidade, acreditando que seria viável a descentralização do comando da cidade de Posse (GO), já que óbices impede o emprego de esforço direcionados a fortalecer a fronteira do Estado de Goiás com o Tocantins e Bahia.

* Comandante da 3ª Companhia de Polícia Militar, em Campos Belos

Capitão do Exército preso por peculato. Ouça conosco na Voz do Brasil


quarta-feira, 19 de setembro de 2012

No últimos anos, crimes graves têm mexido com a rotina de Campos Belos


A chacina ocorrida no último domingo, na fazenda Lages, município de Campos Belos, aumenta um número que vem inquietando os moradores dessa "pacata" cidade de Goiás. 

Delitos de grande repercussão têm mexido, inclusive com a autoestima do campos-belense, a exemplo do chocante e inacreditável assassinato do padre da cidade. 

Além disso, a repercussão imediata de outros crimes ocorridos nos municípios vizinhos, como os homicídios dos prefeitos de Monte Alegre de Goiás e de Alto Paraíso, a morte de vereadores e candidatos e o atentando contra o promotor de São Domingos, refletem diretamente na comunidade. 

É hora da sociedade civil se organizar e ajudar os órgãos oficiais da segurança pública a combater e, principalmente, prevenir as ocorrências dos delitos.

Leia sobre os outros crimes 


Chacina em Campos Belos

Homem mata padre de Campos Belos por aluguel 

Morte de padre causa consternação 

Mataram o prefeito de Alto Paraíso de Goiás 

Mulheres viram assassinato de prefeito

Sepultamento do prefeito de Alto Paraíso reúne cerca de 2 mil pessoas 

Crimes de autoridades têm ligado cidades em torno da Chapada dos Veadeiros

Sete homens armados assaltam banco em São Domingos de Goiás 


Padres, prefeitos e vereadores estão sendo assassinados na Chapada

Ladrão de gado preso dentro do Bradesco em Campos Belos

Campos Belos registra recorde de assassinato 

Campos Belos faz caminhada pela paz

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Internautas acham que post sobre eleição foi tendencioso

  

Comentários sobre o  post:

Não se sabe quem vai ganhar as eleições em Campos Belos

"Nossa Dinomar essa matéria me pareceu um pouco tendenciosa! Vale ressaltar que nas reuniões de Sardinha não existe xingamentos, baixaria e muito menos showzinho particular com "artistas" chorando e soltando uma mentira atrás da outra como é o caso das reuniões de Ninha. 

As reuniões de Sardinha falam um pouco do que ele já fez e é claro ele tem que se defender também das acusações mentirosas que o adversário e sua corja ficam inventando com o nome dele e mostra também algumas verdades que o povo precisa saber, afinal de contas não dar para ser caluniado e não se defender. 

Além das cartilhas sobre propostas de governo que estão sendo distribuidas por toda a cidade, Sardinha tem propostas e sabe respeitar as pessoas, enquanto o outro".... Cristina 

"Nossa, mas essa postagem só falou bem de Ninha. E olha que é o candidato mais difamador dessas eleições, só não difamou na frente do vice governador, para não ficar feio, mas nas demais reuniões e um show de baixaria".

"É amigo, faltou se informar melhor! Sardinha, tem uma cartilha de propostas e levado ela no corpo a corpo junto com seus eleitores. 

NInha sim, tem feito uma politica de difamação ou de arrogancia, como se nada tivesse existido na cidade a não ser ele. 

Esquece que muitos homens de bem ja fizeram e muito pela cidade.todos os prefeitos tiveram a sua importancia, mas para Ninha e seu cordão de puxa saco, so existe ele o "deus"."

"A Comunidade de Campos Belos perdeu uma grande oportunidade de cobrar do Sr. Jose Eliton De Figueiredo Jr, sobre a suposta barração da recuperação da GO-118 hem!!! Se a verdade é que foi ele mesmo que barrou é muita cara de pau subir no palanque em nossa cidade e pedir voto!! e ainda dizem que querem um Campos Belos melhor!!!!"

"É, quem está prometendo trazer a água do mosquito para cá é ninha, o que sardinha fala em suas reunioes é que melhorou a água de Campos Belos.Sardinha também mostra o que ele fez que foram mais de 100 obras em apenas 3 anos e 6 meses, porque os adversários falam que sardinha não fez nada.

Agora amigo,Sardinha e Toninho em suas reuniões tem que mostra a verdade para o povo de Campos Belos, por que já pensou só os adversários falando mentiras sobre ele e ele sem responder nada.

Sardinha e Toninho Tem cartilha espalhada nos quatro cantos de Campos Belos onde mostra os planos de governo é so as pessoas pegar e ler que vai ficar ciente das propostas de governo de Sardinha, isso foi feito justamente porque nas reuniões de bairro não dá tempo de falar tudo que tem que ser falado. 

As cartilhas tambem estão disponíveis no comitê ao lado da casa de Sardinha. "

Chacina em Campos Belos: vaqueiro mata enteada, ajudante, esfaqueia esposa e suicida-se


Mais uma tragédia abate a cidade de Campos Belos, município do nordeste goiano, a 400 km de Brasília.

Por volta das 11 horas da noite do último domingo (16), o vaqueiro Vanderley Rodrigues de Torres, 35 anos, matou a enteada Jéssica Laurentino de Jesus, 18 anos; assassinou o ajudante Gilvan Ferreira Fachi, 19 anos, e esfaqueou a esposa, Deuselina Laurentino de Jesus Araújo, 39 anos. Depois, se matou enforcado. 

Os homicídios ocorreram na fazenda Lages, a cerca de 30 km da sede do município. Uma criança de nove anos sobreviveu à chacina. 

Ela foi levada de trator para outra fazenda vizinha, por um ajudante da fazenda, que também sobreviveu à fúria de Vanderley.

Segundo o delegado de Campos Belos, Thiago Alexandre Martimiano da Silva, o crime já foi solucionado e tem característica de ser passional. 

De acordo com o delegado, Varderely Rodrigues, a esposa Deuselina Laurentino e a enteada Jéssica Laurentino passaram o domingo em uma festa no povoado “Touro”, também em Campos Belos.

O vaqueiro, que tinha um ciúme exagerado da enteada, não gostou de vê-la dançando e namorando com um jovem da localidade.

Possesso e chateado, começou a beber, atitude que não era de seu costume. 


Ainda na festa, também ficou chateado com a sua mulher, Deuselina, que segundo ele estaria “dando mole” para um policial que fazia a segurança do evento.

Segundo o delegado Thiago Alexandre, tudo indica que Vanderley era apaixonado pela enteada. 

Ao retornarem para a residência da família, na fazenda Lages, o vaqueiro começou a brigar com a enteada e a esfaqueou. Ela saiu correndo e pediu ajuda a dois ajudantes da fazenda, que moravam ao lado.

O ajudante Gilvan Ferreira Fachi saiu em  socorro da adolescente, mas também foi golpeado. Os dois morreram no local.   

A mulher do vaqueiro também não escapou à fúria.

Ela foi golpeada nas costas, mas conseguiu fugir para uma mata adjacente. 

O assassino pegou o corpo da jovem, colocou dentro de um automóvel, um fiat uno que pertencia ao próprio vaqueiro, ateou fogo e entrou no veículo na intenção de se matar também.

Como não suportou o calor, saiu do carro e se enforcou no curral da fazenda.

O outro ajudante, conhecido como Pablo, fugiu do local e de uma elevação, avisou a polícia por telefone celular.  

Ao retornar, pegou a criança que visitava o casal e a tirou da fazenda.

Ao chegar ao local da chacina, a polícia encontrou os corpos dos dois homens e o da adolescente, que estava carbonizado dentro do fiat uno.  

A esposa do caseiro, Deuselina Laurentino, foi socorrida ao hospital de Campos Belos e depois transferida para uma emergência em Brasília. 

De Campos Belos (GO): Escolinha K10 mede forças com o Goiás e Atlético Goianiense

Por Morgana Tavares, A Escolinha de Futebol K10, presidida pelo ex-jogador de futebol profissional Kássio Fernandes, compareceu pe...