Jornal Correio Braziliense some das bancas em Formosa



Os moradores de Formosa (GO), a cerca de 60 km de Brasília, foram surpreendidos neste domingo, segundo o jornal local Tribuna News. 

Ao tentarem comprar exemplares do Correio Braziliense, os leitores descobriram que o jornal não tinha sido distribuído como de costume nas bancas do município. 

Curiosamente, na edição do dia havia uma reportagem, como o título "Fábrica de Promessas", de autoria da jornalista Adriana Caitano, que levantou informações sobre a compra de "propostas de governo" por candidatos a cargos eletivos (prefeito e vereadores). 

As propostas são vendidas por sites especializados que chegam a custar R$ 5 mil. 

As propostas são uma obrigação de cada candidato exigidas pela Justiça Eleitoral no ato do registro da candidatura. 

A matéria do Correio informa que em Goiás, candidatos do PDT, PSB e PMDB de nove cidades apresentaram planos de governo praticamente iguais, tanto no conteúdo quanto visual. 

Mesmo com problemas, condições e número de habitantes distintos, Formosa, Trindade, Senador Canedo, São João d’Aliança, Quirinópolis, Petrolina de Goiás, Iaciara, Inaciolândia e Alto Paraíso correm o risco de terem gestões semelhantes, caso os programas sejam aplicados.


Os planos de governo mais parecidos são os de Ernesto Roller (PMDB, de Formosa) e Flávia Morais (PDT, de Trindade). 

O sumário, a apresentação, os gráficos, os eixos estratégicos, os compromissos, as políticas públicas e até o local em que aparece o símbolo do partido são idênticos, variando apenas as referências ao nome e aos dados socioeconômicos das cidades. 

Segundo o prefeito de Formosa, Ernesto Roller, seu programa foi elaborado por uma equipe exclusiva, ouvindo sugestões de eleitores e com a orientação de dois ex-secretários do governo de Goiás: João Valter Correia e Paulo de Souza Neto. 

“Eu não conheço o plano dos outros candidatos, não sei o que pode ter acontecido, mas os dois secretários podem ter contribuído com outras pessoas”, afirmou o peemedebista ao Correio.

Os moradores de Formosa exigiram esclarecimentos pelas redes sociais. 

A moradora Arlete De Freitas Botelho que estranhou o fato de uma cidade com mais de 100 mil habitantes não ter recebido o jornal de maior circulação do DF e Entorno. “ Sou leitora assídua do referido jornal, até porque as notícias do DF não nos chegam via TV e hoje, estou indignada. Isto é revoltante!”. 

O leitor Mauro Portella, afirma que não conseguiu comprar nenhum exemplar. “Como faço todos os domingos fui até a banca mas, não tinha mais nenhum para vender.  Quanto fui até a padaria me disseram que haviam poucos jornais, mas quem conseguiu comprou entre três a cinco exemplares”, afirma Mauro Portella.